sexta-feira, 2 de junho de 2017

.
HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS/
/MOTOR24"

Top dos carros 
que deram prejuízo às marcas

As bestas negras do mercado recente, apresentadas pela Turbo. Embora muitos analistas conceituados admitam que prejuízos catastróficos são raros no setor automóvel, há certamente alguns casos que roçam a calamidade.

Renault Vel Satis, 2001-2009
1.15 mil milhões de euros em prejuízo - representa 18 mil euros por unidade vendida.
Audi A2, 2000-2005
Representou perdas na ordem dos 1.4 mil milhões de euros para a Audi. 7260 euros por unidade vendida.

Renault Laguna, 2006-2012
Segunda presença na lista: o Laguna deu prejuízo de quase 1.5 mil milhões, 3410 euros por unidade feita.


Jaguar X-type, 2001-2009
A marca britânica teve prejuízo de 1.6 milhões de euros, mais de 4500 por unidade.




Bugati Veyron, 2005-2013
1.6 mil milhões em prejuízo e o valor recorde de 4.5 milhões por unidade.

Mercedes Classe A, 1997-2004
Custou à Mercedes 1.7 mil milhões, 1390 euros por unidade.

Peugeot 1007, 2004-2009
O 1007 teve um prejuízo de 1.82 mil milhões de euros, ou seja, mais de 14 mil euros por unidade vendida.

Volkswagen Phaeton, 2001-
O Phaeton, em produção desde 2001, já atingiu os 1.9 mil milhões de euros de prejuízo, 27 mil euros por unidade.


Fiat Stilo, 2001-2009
Primeiro carro da nossa lista a atingir os 2 mil milhões. Representou, para a Fiat, uma perda de 2600 euros por carro.

Smart Fortwo, 1997-2006
3.2 mil milhões de euros é o enorme número do pequeno Smart Fortwo, o que vai dar 4300 euros. de prejuízo por carro.

A história destes modelos diz-nos que aparentemente não basta ser bonito, como o Veyron, ousado como o Vel Satis, ou estiloso como o Stilo para que tudo corra bem. É que nem o jeitoso Smart fortwo e o elegante Laguna se escapam. Se isto fosse futebol, estas seriam as contratações falhadas, os culpados de uma má época, os bodes expiatórios, os Bruno Cortez, os Shikabala, os Depoitre do mundo automóvel.

Fonte: Autocar

* A ganância da concorrência leva a investir  em maus projectos.

.

Sem comentários: