quinta-feira, 27 de julho de 2017

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.


.


148-ACIDEZ

FEMININA


É DIFÍCIL SER HOMEM!


A IMPRESCÍNDIVEL TATY FERREIRA
  
* Uma produção "ACIDEZ FEMININA" - BRASIL

** Para a semana iniciamos férias por isso esta bela série regressa em Setembro.
.
.
1- Fora da Vida

.
.
XLVI- O UNIVERSO


3- O TECIDO DO COSMOS

Salto Quantico




As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.

XII- Cidades

e soluções


2 - Economia e sustentabilidade



FONTE: GLOBONEWS

.

MAFALDA ANJOS

.





Ide mas é dormir

Uma Humanidade olheirenta começa a acordar para a autoevidência de que, surpresa!, os humanos precisam mesmo de dormir. O que em tempos foi visto como um luxo, é hoje apontado como uma louvável competência

Grande parte das primeiras páginas da carta que o velho imperador romano escreve ao seu filho Marco Aurélio, na obra-prima Memórias de Adriano, são dedicadas a um assunto prosaico: o sono. Marguerite Yourcenar bem sabia, muito antes dos inúmeros estudos científicos que hoje o comprovam, que este era um tema crucial quando se faz o balanço de uma vida em forma de conselhos para um jovem sucessor. O sono, esse “grande restaurador com poderes divinos” que nos faz “deixar de existir”, é muito mais essencial ao Homem do que ele gosta de acreditar. Como diz Yourcenar, “se pensamos tão pouco num fenómeno que absorve pelo menos um terço de toda a vida é porque é necessária uma certa modéstia para apreciar as suas bondades”.

“Adormecidos, Caio Calígula e o justo Aristides equivalem-se; eu renuncio aos meus vãos e importantes privilégios; deixo de me distinguir do guarda negro que dorme atravessado junta da minha porta”, escreve Adriano. É pois assim num exercício de “certa modéstia” que hoje este espaço nobre da revista não fala das “fragilidades inadmissíveis” do nosso país (e que são tantas, Senhores!), mas sobre o ato mais banal, mundano e unificador da Humanidade que é dormir.

O meu ponto é que o sono, ou melhor, a falta dele, se tornou um problema global de saúde pública. Dormimos pouco – muito menos do que as oito horas mínimas recomendadas por dia – e dormimos mal. Há poucas semanas, um título chamou-me a atenção. “Dormir é o novo símbolo de status”, provocava o New York Times ao defender a tese de que o sono é, nos dias que correm, uma medida de sucesso e uma espécie de competência a ser cultivada a todo o custo. A forma como as sociedades olham para este momento em que, nas sábias palavras de Adriano, “nos abandonamos conscientemente a esta bem-aventurada inconsciência” diz muito sobre o l’air du temps.

 Nas últimas décadas, a cultura yuppie dos anos 80 e um certo neoliberalismo, que se arrastou por este século dentro, fizeram-nos acreditar que dormir era uma perda de tempo: quem chega ao topo tem de abdicar desses momentos de inação em prol de mais horas a trabalhar, a cultivar-se e a fazer coisas. Era bem visto dizer que se dormia pouco, e que se vivia feliz com isso movido a baldes de cafés e Red Bulls enquanto se ouvia o hit de Bon Jovi “I’ll sleep when I’m dead”.

Com os smartphones e a conectividade 24h por dia, a coisa piorou: mais solicitações e menos tempo passado no doce vale dos lençóis. Esgotamentos ou burnouts tratavam-se com remédios, e siga para bingo.

Só que o que em tempos foi visto como um luxo, que todos os bem-sucedidos adoravam dizer que não se podiam oferecer, é hoje apontado como uma louvável “skill”, na irritante terminologia daquele management que adora inglesismos. Dezenas de estudos científicos atestaram nos últimos anos que o sono é o melhor reparador do organismo e condição essencial para a nossa saúde e bem-estar geral. Crucial não só para fortalecer o nosso sistema imunitário como para combater o envelhecimento, o stresse e a depressão e estimular a nossa memória, função cognitiva, produtividade, criatividade e inteligência emocional. Entendamo-nos: a falta de sono pode mesmo ser uma questão de vida ou de morte.

E assim, uma Humanidade olheirenta começa a acordar para a autoevidência de que, surpresa!, os humanos precisam mesmo de dormir. Hoje brotam como cogumelos centros de sono, estúdios de meditação, apps e gadgets criados em 
Silicon Valley, livros e especialistas vários para tratar destes distúrbios e até programas de remuneração de recursos humanos que pagam pelas horas dormidas, enquanto os financeiros calculam os danos causados à economia – cerca de 411 mil milhões de euros às empresas norte-americanas, 2,28% do PIB do EUA.

Bocejo… Estamos tão cansados de estar cansados. Venham as férias para fazer restart e meter os sonos em dia. De preferência, de vez.

IN "VISÃO"
22/07/17

.
.


1304.UNIÃO



EUROPEIA



.
3- A vida secreta do
seu relógio biológico



FONTE:BBC

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.
. .
.
12-ABANDONADOS
ONDAPARQUE
LISBOA



* EXCELENTE TRABALHO DE REPORTAGEM DA "SIC"

** As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.
.
..

.

Gregory Porter

Holding On


.
.
Muda de curso
 A violência no namoro não é para ti !




FONTE: CAPAZES

.
.

Pobres trabalhadores alemães




FONTE: EURONEWS


.


A pé, de carro ou em casa: 
saiba o que fazer perante um incêndio
.

Porque estas coisas não acontecem só aos outros, vale a pena perder algum tempo a saber o que fazer caso se depare com um incêndio florestal. Se estiver a pé, de carro ou dentro de casa.

SE ESTIVER A PÉ

1. Ligue para o 112 ou o 117 (número de emergência para alerta de incêndios florestais) e tente abafar as chamas, sem colocar a sua vida em perigo, batendo nelas com ramos até à chegada dos bombeiros.

2. Tape a cabeça e a parte superior do corpo com roupas molhadas. Cubra o nariz e a boca com um pano ou lenço húmidos para filtrar as partículas. Agache-se para respirar junto ao chão para evitar a inalação de fumos, que o podem fazer desmaiar e ser fatais.

3. Proteja os olhos com óculos. Em caso de vista irritada, lave os olhos com soro fisiológico ou água fria e limpa.

4. Se o fumo não for muito espesso, use técnicas de respiração para evitar o pânico e manter a calma. Inspire profundamente durante quatro segundos e expire lentamente durante quatro segundos.

5. Siga na direcção contrária à do vento. Mas se ele estiver por detrás do fogo e a soprar na sua direcção, corra no sentido perpendicular ao fogo para poder escapar ao mesmo tempo das chamas e do curso que elas vão seguir.

6. Lembre-se que os ventos podem transportar faíscas e iniciar novos mini-fogos até várias centenas de metros à frente das chamas existentes. Esteja atento para não ficar cercado pelo fogo. E nunca entre em cavernas, onde o calor e a falta de oxigénio serão fatais.

7. Refugie-se numa zona com pouca vegetação porque o fogo precisa de material combustível, como árvores, arbustos ou ervas altas. Normalmente, as áreas de baixa altitude são consideradas as mais seguras se não houver muita vegetação

8. Se possível, dirija-se para perto de um rio ou de um lago, mesmo que seja necessário cruzar em frente ao incêndio. Entre na água e afaste-se da margem. É importante que o seu vestuário e pertences estejam molhados.

9. Caso não tenha nenhuma das opções anteriores, as áreas que já estão queimadas são, por vezes, o lugar mais seguro para ir. No entanto, deve garantir que o fogo ali está completamente extinto antes de prosseguir, de forma a evitar queimaduras e problemas respiratórios.

10. Se estiver perto de uma estrada e ela não for segura devido à dimensão das chamas, pode usá-la como uma barreira: se não houver galhos no pavimento, o fogo vai demorar a espalhar-se. Se ficar encurralado deite-se no chão (ou numa vala que exista na extremidade da estrada) sempre com a cara para baixo e o mais longe que conseguir do fogo.

SE ESTIVER DE CARRO

1. Evite ao máximo circular em vias rodoviárias que estejam próximas de incêndios, mesmo que o trânsito não tenha sido encerrado pelas autoridades.

2. Assegure que as janelas do carro estão bem seladas e feche os sistemas de ventilação. Isto é crucial, caso contrário não irá resistir aos gases e partículas do fumo.

3. Se o carro funcionar e for capaz de conduzi-lo, é importante que o faça em segurança. Conduza devagar e mantenha os faróis acesos. Mantenha-se atento aos outros veículos e aos peões – e pare para deixá-los seguir consigo no carro.

4. Não conduza através do fumo intenso, que o impeça de ver o que está à sua volta e também de ser visto por outras pessoas que circulam na estrada. Nestas condições é mais seguro parar o veículo. Se tiver de o fazer, estacione o mais longe possível de árvores e arbustos.

5. Se não conseguir ver a estrada ou não conseguir conduzir por qualquer motivo, permaneça dentro do veículo. Está muito mais seguro dentro do carro do que a pé no exterior. E não se preocupe com o depósito da gasolina: os veículos com tanques de metal raramente explodem.

6. Com o carro parado, mantenha as janelas para cima e as saídas de ar fechadas. Deite-se no chão do veículo, respire através de um pano molhado para proteger as vias respiratórias e cubra-se com um cobertor ou com um casaco, se possível.

7. O carro pode balançar e algum fumo e faíscas podem até mesmo entrar, mas não entre em pânico. Se o fogo estiver à volta do carro não deve sair. A temperatura no interior do veículo vai aumentar consideravelmente, mas continua a ser mais seguro estar dentro do que fora da viatura.

8. Mande uma mensagem ou ligue aos familiares quando sair da situação crítica. Assim, as autoridades não vão perder tempo a tentar localizá-lo e podem dar prioridade a outros casos.

SE ESTIVER EM CASA

1. Contacte de imediato os bombeiros e as forças de segurança (GNR ou PSP) através do número de emergência 112.

2. Remova materiais combustíveis das imediações da casa. Molhe as paredes e toda a zona circundante com a ajuda de mangueiras, de forma abundante. Ponha os objectos que não se danifiquem com a água no interior de piscinas ou tanques.

3. Solte os animais, caso não seja possível tratar deles. Eles saberão o que fazer para se salvarem.

4. Feche todas as válvulas do gás e desligue a corrente eléctrica. Calce uns sapatos fortes e isolantes do calor. Retire os cortinados das janelas, feche todas as persianas, janelas e portas de casa, tape as frinchas existentes com panos molhados.

5. Tenha à mão as ferramentas que podem extinguir um foco de incêndio (extintores, mangueiras, enxadas ou pás), uma lanterna a pilhas, pilhas de reservas e uma mala de primeiros socorros. Ligue um rádio a pilhas e esteja atento às indicações difundidas.

6. Ande de gatas, se houver fumo, porque perto do chão respira melhor. Proteja a boca com um pano húmido e respire através dele. Não corra se a sua roupa começar a arder; ponha em prática a regra "parar - deitar - rolar".

7. Não abandone a casa, a menos que corra perigo de vida ou as autoridades o recomendem. Nesse caso, saia rapidamente e não desperdice tempo a recolher objectos pessoais desnecessários. Nunca volte atrás seja por que motivo for. E caso tenha existido evacuação, regresse apenas quando tiver essa indicação.

8. Planeie rotas de fuga e pense em saídas alternativas, caso não seja possível utilizar as portas principais. Antes de abrir uma porta, verifique com a palma da mão se está quente. Se estiver, tente encontrar outra saída. Mesmo que esteja fria, pode haver fogo e fumo do outro lado a impedir a passagem, pelo que deve abrir a porta com cuidado e fechá-la rapidamente.

9. Use sempre as escadas e nunca utilize elevadores. Se for seguro, tente sempre descer porque o incêndio tem tendência a subir. Se não conseguir sair em segurança deve procurar uma janela ou varanda de onde possa ser visto a partir da rua. Para chamar a atenção, grite e acene com algum objecto, como uma peça de roupa ou uma toalha.

10. Avise os moradores vizinhos, para que ninguém fique isolado. Reúna toda a gente num mesmo local para, em conjunto, traçarem a melhor estratégia. Para tratar pequenas queimaduras, arrefeça imediatamente a área afectada com água fria corrente da torneira, por alguns minutos. Nunca utilize, na zona queimada, pasta de dentes, manteiga ou margarina, óleos ou pomadas caseiras.

Nota: sugestões recolhidas e tratadas pelo Negócios a partir das seguintes fontes: Autoridade Nacional de Protecção Civil, Associação Nacional de Bombeiros Profissionais, Deco Proteste, Associação Portuguesa de Segurança (APSEI) e portal WikiHow. 

* Excelente trabalho de ANTÓNIO LARGUESA

** Esta informação é para guardar no seu arquivo mais importante.

IN "JORNAL DE NEGÓCIOS"
21/06/17
.
.
Para cozer os miolos/16



ISTO SIM, SÃO SMARTPHONES!!


.
.


Recado ao Pedro

Eu vou-te avivar a memória, já que não te lembras daquilo que fizeste quando eras Primeiro Ministro.

A primeira medida que tomaste foi o aumento do IVA, recordas? Dessa medida resultou a falência de milhares de PMEs e o desemprego de milhares de trabalhadores. Milhares de pequenos empresários ficaram sem meio de vida, cheios de dívidas viram-se obrigados a entregar casas aos bancos e a pedir esmola. Conheci vários que se mataram dentro das empresas em desespero porque como eram empresários nem direito tinham a um subsídio de desemprego.

O desemprego disparou para níveis nunca vistos neste país. As IPSSs, a Cáritas e outras organizações de Solidariedade Social não tinham mãos a medir para atender pedidos de ajuda de famílias inteiras que sem apoios da Segurança Social estavam a passar fome e desesperadas sem conseguirem fazer face ás despesas básicas.

Milhares de famílias foram atiradas para a rua, despejadas das suas casas pela Banca, por senhorios e pelas Finanças através de penhoras por dívidas ao Estado, quando muitas dessas dívidas eram de valor inferior ao valor real das habitações.

Depois vieram os cortes nas pensões de reforma, no complemento solidário para idosos, nas pensões de viuvez, nos abonos de família e nas pensões não contributivas como por exemplo no RSI que cortaste a torto e a direito sem olhar a quem e sem apelo nem agravo.
.

Aumentaste o IMI, começaste a cobrar IUC sobre veículos independentemente de estarem ou não em circulação, chegando ao ponto de cobrares esse imposto a quem nem carro tinha ou sobre veículos já abatidos há anos.

Aumentaste impostos na gasolina, no gasóleo, no tabaco, nas bebidas alcoólicas, aumentaste as portagens e todos esses aumentos foram reflectir-se no aumento do custo de vida que como é óbvio foi mais sentido pelas classes sociais mais frágeis e carenciadas.

Criaste e aumentaste taxas moderadoras e com essa medida muitos idosos deixaram de ir ao médico ou aos hospitais.

Fechaste Centros de Saúde, Maternidades e Hospitais e muitos idosos morreram por falta de assistência médica, mas também jovens e parturientes morreram por falta de cuidados médicos.

Doentes oncológicos viram as suas cirurgias adiadas e sem cuidados continuados. Doentes crónicos ficaram sem médicos de família e sem comparticipação em medicamentos imprescindíveis ao tratamento das suas doenças.

Lembras-te dos doentes com Hepatite C a quem negaste um medicamento que podia salvar vidas e mesmo curar? Deu até azo a manifestações populares na AR que a tua amiga Assunção Esteves reprimiu e mandou deter alguns doentes que se manifestavam indignados e com razão! Não eram suicidas mas tu querias bem lá no fundo que fossem para poupares algum. Fazia-te jeito para ficares bem visto perante a Troika e a tua amiga Merkle.

Fechaste escolas e fizeste dos professores e das suas vidas gato sapato, obrigando-os a andar em Bolandas sem saberem o que fazer e onde ir!

Mudaste Freguesias, alteraste comarcas, encerraste Tribunais e deste com os juízes e advogados em doidos com a porcaria do sistema Citius todo baralhado. Esqueceste essa cena? Eu lembro-te.

Dessa confusão resultaram prejuízos para empresas, para cidadãos e para todo o país que nunca mais se vão recuperar!

Pais que perderam a guarda dos filhos conheci 19; 5 mataram-se. Fora os que não conheço e olha que não conheço muita gente.

Mães que se viram sem as pensões de alimentos por culpa da baralhada com o Citius foram milhares. Uma era professora e o filho era deficiente. Atirou-se da varanda de um hotel.

Mas também houve mães que envenenaram os filhos e a seguir mataram-se porque não tinham nem emprego nem apoios e nem ajuda de psicólogos.

Sabes pedro, moro em Almada. Fui obrigada a vir morar para aqui. Não, não foi culpa só tua. As coisas neste país já não estão bem há muitos anos. Realmente apanhaste o país num grande caos económico, mas mesmo assim se fosses honesto e um bom gestor terias evitado cortar onde mais doeu! Os cortes atingiram os mais fracos e para recuperar um país começa-se por por ordem nas finanças públicas cobrando impostos aos que não pagam e cortando nas despesas supérfluas.

Mas para o fazeres, para cobrares aos que sempre fugiram aos impostos terias de começar por ti, não é assim? E depois os teus amigos e financiadores não iriam gostar nada de terem de alargar os cordões à bolsa.

Mas como te dizia, vim viver para Almada há uns anos e sabes, aqui temos uma Ponte onde todos os dias durante o teu governo assistimos a muitos suicídios.

E também temos o Metro que não é subterrâneo, é como um eléctrico sabes? Pois volta e meia para não dizer uma a duas vezes por semana, lá se tinha de chamar o INEM por causa de um velhote ou velhota que "escorregava" e caía à linha!

E quantos eu vi a chorar de vergonha por serem apanhados no supermercado a guardar uma lata de salsichas ou de atum na mala ou num bolso do casaco!!

E outros a saírem da farmácia sem aviar a receita porque a reforma tinha encolhido e os filhos tinham-se mudado lá para casa e estavam desempregados e sem subsídios de desemprego!

Sabes pedro, sabes qual é o teu mal?

Teres tido um pai fantástico e uma mãe que tudo te desculpou. Os anos de cabulice, as más notas no liceu, as noitadas na vadiagem, a vida boémia, as drogas, a pouca ou nenhuma vontade de estudar ou trabalhar e a falta de respeito por toda a gente.

Tu não tens noção da quantidade de vidas que deste cabo ao longo da tua vida, não só nos quatro anos em que te tivemos de aturar como Primeiro Ministro, mas desde que te conheci quando vivias na Rua República da Bolívia.

Tenho pena de não ter adivinhado naqueles anos naquilo em que tu te irias transformar! A sério pedro. Naquele dia em que chamei a PSP de Benfica e evitei que a malta do Bairro do Charquinho te desse um arraial de porrada, se eu tivesse adivinhado no que te irias transformar, eu tinha fechado os olhos e fingido que te tinhas atirado da varanda do quinto andar.

Teria evitado tanta coisa, até ouvir as alarvidades que continuas a atirar pela boca fora.

Tantos anos depois e continuas a ser o mesmo chulo que conheci na nossa adolescência e juventude.

Olha pedro, queres um conselho? Reforma-te da política e mete uma rolha na boca ou um dia destes apareces "suicidado" nalguma esquina da vida.

É que nem todos os que te conhecem bem são tão pacíficos e compreensivos como eu e como a malta que te aparou as pancas lá em Benfica, tu sabes bem na casa de quem.

Espero que a Laura recupere depressa da maldita doença. Ela não merece tanto sofrimento!

E se um dia nos voltarmos a cruzar nalguma rua de Lisboa vira o rosto, para que eu não me sinta tentada a sujar as minhas mãos na tua cara.

É que eu tentei duas vezes o suicídio por tua causa quando me vi atirada para a rua sem qualquer apoio e a lutar contra o cancro e sem ajuda psiquiátrica.

Não acertei na dosagem. Não tinha de ser.

Quem sabe o que a vida me reserva? Talvez me reserve a felicidade de te ver a ti Pedro e aos teus amiguinhos (tu sabes a quem me refiro) atrás das grades e a pagares pelos milhares de vidas dos que se suicidaram ou tentaram em desespero por vossa causa!

Assino o nick com que me conhecias: Nini Nilo .


NR: A razão de editarmos  este texto prende-se com o facto de "Nini Nilo" demonstrar boa memória no que respeita aos factos ocorridos durante a governação de Passos/Portas que destruíram muitos portugueses. A lista é perturbadora.
No que respeita aos pormenores de juventude não nos custa dar crédito, embora com reserva, pois o exemplar em adulto é pior que mau.

.
.
.
1318
Senso d'hoje
NICOLAU SANTOS
EDITOR DE ECONOMIA
JORNAL "EXPRESSO"
"Três privatizações que correram
mal para o país, para os cidadãos
e para os clientes"




FONTE: "EXPRESSO"
Sofia Miguel Rosa Realização e Coordenação de Grafismo
Carlos Paes Grafismo animado

.
.

PEIXE SOL GIGANTE


Filmado ao largo da Ilha de Santa Maria, Açores, Portugal 

.
.

BOM DIA


.