20/07/2019

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.
Resultado de imagem para piadas pornograficas
.
X-A HISTÓRIA 
DO SEXO
4- A HOMOSSEXUALIDADE
FAZ PARTE DA HISTÓRIA 
4.8-DEPOIMENTOS
YASMIN
TATIANA
YUOTUBERS
SITE: @táentendida
Sobre a diversidade sexual LGBTQIA e  
todos os tipos e geitos de amar  



* No  programa FALE PERFEITO e sem defeitos (sim!) para você, Yasmin e Tatiana esclarecem as questões de Júlia Rabello.


FONTE:  Canal GNT 

.
.

Bumba na Fofinha

COMPRAS ONLINE

Expectativas VS Realidade


Bumba na Fofinha
.
.
6- O PECADO MORA AQUI

ARIEL
(NÃO É OBRIGATÓRIO VER)

 A nudez é para se ver e não para espreitar

.
.
5-SISTEMA NERVOSO
5.2-NEURANATOMIA
5.2.1-Líquido Cefalo-Raquidiano
LÍQUOR



* Uma interessante série produzida para auxiliar alunos da área de saúde mas também muito útil para quem quer que deseje aprender sobre esta matéria. Disfrute.


FONTE: Anatomia Fácil com Rogério Gozzi

.
.
5- O PECADO MORA AQUI

LEONIDA
(NÃO É OBRIGATÓRIO VER)

 A nudez é para se ver e não para espreitar

.



O Verdadeiro Coração Valente  WILLIAM WALLACE



FONTE:  Nerdologia 

.
4- O PECADO MORA AQUI

ASYA
(NÃO É OBRIGATÓRIO VER)

 A nudez é para se ver e não para espreitar

.

PAULO BALDAIA

.




O tarot da política

Se as sondagens, que utilizam métodos científicos, não adivinham resultados, apenas indicam tendências, não se aconselha que os analistas e os comentadores de política se ponham a lançar búzios com a pretensão de acertar no que vai acontecer à vida dos políticos. Mas no defeso, num tempo em que já ninguém faz aquilo para que foi eleito, porque estão ocupados a tentar fazer-se eleger de novo, parece não haver nada de mais sedutor para fazer.

Já há quem adivinhe que Mário Centeno vai continuar ministro para sair dois anos depois, se não for direto para o Banco de Portugal ou para um lugar na Europa. Dito assim, convém recordar que também já houve quem dissesse que estar vivo é o contrário de estar morto. E há quem tenha a certeza que Pedro Nuno Santos vai mesmo ser líder do PS. E que Costa vai ser candidato à Presidência da República, coisa que Marcelo Rebelo de Sousa também será, obrigando o atual primeiro-ministro a um compasso de espera de mais cinco anos.

Há um consenso generalizado, o de que o PSD vai perder as eleições. Mas esta é fácil de acertar porque nunca, em lado nenhum do Mundo, um partido que está no Governo perdeu as eleições depois de reduzir a taxa de desemprego para metade. Até quem deita as cartas percebe que o bem mais precioso para um eleitor é ter como ganhar a vida. E, se o PSD vai perder, há quem consiga antever que Rui Rio vai agarrar-se como lapa a um lugar onde, manifestamente, não é feliz. Parece pouco provável. 

Sendo fácil de adivinhar que o Bloco de Esquerda não terá problemas com o próximo resultado eleitoral, também se percebe que a vida de Catarina Martins não se vai alterar no que à liderança do Bloco diz respeito. Mas o lugar no Governo, que parecia provável há poucos meses, é já uma miragem, mesmo para o mais optimista dos militantes do BE. 

No outro lugar do banco de trás, onde se senta o PCP, dá para ver mais nuvens nos horizontes. Não é a carta da morte, mesmo que ela se faça acompanhar de uma foice, mas as sondagens e, sobretudo, os resultados das duas últimas eleições, fazem adivinhar a chegada do Diabo. Perante um terceiro mau resultado, parece certo que não será apenas Jerónimo de Sousa a ficar em causa, a estratégia de apoio a um governo do Partido Socialista pode ser rejeitada pela maioria dos militantes comunistas.

Sobra o PAN, a quem saiu a estrela. Todos esperam por um novo grupo parlamentar e há até quem lhes adivinhe o Mundo todo pela frente, o mesmo é dizer que sem maioria absoluta, a sorte do PAN acabará por ser a sorte do PS.

IN "JORNAL DE NOTÍCIAS"
16/07/19

.
.


1975.UNIÃO



EUROPEIA


Resultado de imagem para frança 14 de julho CARTOONS
SALÁRIO MÍNIMO
.
3- O PECADO MORA AQUI

SOPHIA
(NÃO É OBRIGATÓRIO VER)

 A nudez é para se ver e não para espreitar

.
.


"Verdadeiras" histórias da
bíblia comentadas Balaão



FONTE:   Razão ConsCiência

.


XLI-VIDA SELVAGEM
3- FORMIGAS
ORGANIZAÇÃO SOCIAL



FONTE:   MJ Fotografias  

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
2- O PECADO MORA AQUI


Rufina
(NÃO É OBRIGATÓRIO VER)

 A nudez é para se ver e não para espreitar


.
.
VIDEOS DE SEMPRE

Maria Bethânia

Reconvexo


.
.
1- O PECADO MORA AQUI

Alyssapure Angek
(NÃO É OBRIGATÓRIO VER)

 A nudez é para se ver e não para espreitar


.
.

6-UM POEMA POR SEMANA


JOSÉ CARLOS


ARY DOS SANTOS



POETA CASTRADO NÃO!





dito por


ARY DOS SANTOS



.
.
TRUMPALHADAS
Trump afirma que EUA derrubaram 
drone iraniano no estreito de Ormuz



Irã divulga vídeo para provar 
que EUA não derrubaram drone




FONTE:  EFE BRASIL

.
.
Cirurgiões portugueses criam neovagina



FONTE: euronews

.
.
FOI HÁ 50 AN0S
O segundo homem a pisar a Lua



FONTE: afpbr

.
.
NA COZINHA/61
14-RECEITA ILUSTRADA

Infográfico receita de Arroz à Piamontese. Uma variação de arroz muito gostosa e rápida para fazer.


.
.

2040
Senso d'hoje
FRANCISCA VAN DUNEM
MINISTRA DA JUSTIÇA
GOVERNO DE PORTUGAL
Racismo, xenofobia e discriminação 
étnico-racial em Portugal



* Intervenção da Ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, no encerramento da Conferência - Racismo, xenofobia e discriminação étnico-racial em Portugal - Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias


FONTE: partidosocialista

.
.
A GRACINHA
QUE NÓS SOMOS



.
.

BOM DIA


.

19/07/2019

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

Resultado de imagem para piadas pornograficas
.
1969 
ᗩ ϒᕮᗩᖇ Ƭ〇 ᖇᕮᗰᕮᗰᙖᕮᖇ



* 50 anos é um sopro de vida, um sopro onde a vida começou a ser  inventada de novo quando o homem pisou a lua, o grande passo para a humanidade não foi assim tão grande mas não  foram os astronautas os responsáveis pelas desumanidades que entretanto estão em crescendo.
Mas hoje comemoramos a ciência e a coragem de uma equipa fantástica da NASA que culminou com a alunagem de dois cidadãos do mundo. VIVA A HUMANIDADE

.
.
XXX~MEGA FÁBRICAS
2- FIAT CÓRDOBA


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
FONTE:  Petterson - IT Services 

.
.
HOJE NO
"A BOLA"
Portugal nas meias-finais 
do Europeu sub-20
.
Portugal venceu a Geórgia (98-85) num encontro a contar para as meias-finais da Divisão B do Campeonato da Europa sub-20. Recorde-se que a prova está a disputar-se em Matosinhos.

Neemias Quetta acabou por ser a grande figura da partida. O poste conseguiu um duplo-duplo (26 pontos e 14 ressaltos) a que juntou ainda seis assistências, um desarme de lançamento e um roubo de bola.

A equipa das quinas tem agora encontro marcado com a Rússia para decidir um dos finalistas da competição.

* Portugal precisa de grandes equipas de basquetebol, é nestes valente miúdos que se esmera a qualidade.

.
.

V- ALIENÍGENAS
DO PASSADO

4- A Carruagem dos Deuses


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

Fonte:   Ygor Guerreiro
.
.
HOJE  NO 
"JORNAL DE NOTÍCIAS"
Deputadas do PSD que picaram ponto
 por colegas constituídas arguidas

Emília Cerqueira e Maria das Mercês Borges foram constituídas arguidas no caso do escândalo dos registos de falsas presenças na Assembleia da República. As social-democratas perderam a imunidade parlamentar, assim como José Silvano e Feliciano Barreiras Duarte, em nome de quem ambas picaram o ponto.

O Parlamento levantou esta sexta-feira a imunidade a Emília Cerqueira e Mercês Borges, deputadas do PSD que originaram uma das maiores polémicas da legislatura: as assinaturas das falsas presenças de José Silvano e Feliciano Barreiras Duarte no hemiciclo. Ambas são arguidas pelos crimes de abuso de poder e falsidade informática, apurou o JN.

Silvano e Feliciano também perderam a imunidade para serem ouvidos no âmbito do mesmo inquérito.
.
Emília Cerqueira usou a "password" de Silvano para lhe assinar as presenças nos plenários nos dias 18 e 24 de outubro de 2018. Duas semanas depois, quando estalou o escândalo, o deputado e secretário-geral do PSD garantiu que ninguém conhecia a sua "password" e que não tinha pedido a ninguém que lhe assinasse as suas presenças. Só que, sob pressão, no dia seguinte, a 9 de novembro, Cerqueira assumiu que "inadvertidamente" havia picado o ponto ao "amigo" de longa data.

Já Mercês Borges votou em nome de Feliciano no debate do Orçamento do Estado, a 30 de outubro de 2018. Confrontada com o episódio, a Borges admitiu ter já votado em nome de várias pessoas até à data, deitando por terra a teoria de que os usos de "passwords" de uns deputados pelos outros no Parlamento fossem uns meros incidentes que se circunscrevessem a estes dois episódios.

Ao JN, a Procuradoria-Geral da República escusou-se a dar mais detalhes sobre o caso. "O inquérito encontra-se em investigação e está sujeito a segredo de justiça", confirmou.

Cristovão Norte, do PSD, também foi autorizado a ser ouvido pela Justiça, mas no caso das viagens pagas pela Galp ao Euro 2016.
 
O levantamento da imunidade aos cinco parlamentares, após os pareceres favoráveis da Subcomissão Parlamentar de Ética - de quem depende estes processos - foi aprovado por unanimidade no último dia plenário da sessão legislativa, antes de os deputados irem de férias.

* Estes parlamentares vão pagar por todos os seus pares que durante as décadas da  democracia se fartaram de aldrabar o Estado. A comunicação social tem ao longo dos anos registos das mentirosices.

.
.

X- OS BÁRBAROS

1-OS QUERUSCOS



FONTE:  Mega Medieval 

.
.
HOJE  NO
"DINHEIRO VIVO"
Pedrógão: 
Tribunal de Contas aponta falta de
.transparência no uso dos donativos

Auditoria do Tribunal de Contas ao Fundo Revita encontrou "vários défices de transparência" no uso dos donativos destinados às vítimas dos incêndios.

Falta de transparência, pouco controlo e objetivos imprecisos. São estas algumas das falhas que o Tribunal de Contas encontra no Fundo Revita, o instrumento criado pelo Governo para gerir os 7,3 milhões de euros de donativos destinados a reconstruir as casas afetadas pelos incêndios de junho de 2017.

Para os auditores, na constituição do fundo “não foram antecipados os riscos de comportamento não ético ou de fraude e corrupção”.
 .
No relatório de uma auditoria pedida pela Assembleia da República publicado esta quinta-feira, o Tribunal de Contas (TC) conclui que enquanto instrumento de ajuda humanitária, o Revita não se enquadra “numa política coordenada de assistência com base em donativos solidários”. Os auditores afirmam que os sistemas de controlo e de gestão dos riscos éticos do Fundo são “insuficientes”, e que o seu grau de transparência é “não satisfatório”. 
.
A lista de falhas não fica por aqui. Na análise à regularidade da execução do Fundo, o TC diz que apesar de terem sido definidas regras para a concessão dos apoios, estas foram imprecisas e insuficientemente divulgadas. Como tal, não ficou garantido que os apoios “tenham sido concedidos apenas aos beneficiários e situações que cumpriam os critérios da ajuda”. 
.
Os auditores encontraram ainda “vários défices de transparência na utilização dos fundos”. É que apesar de terem sido publicados relatórios trimestrais de execução, “os critérios para a concessão dos apoios não foram claros”, a comunidade afetada foi pouco envolvida, “a lista de beneficiários e apoios concedidos não foi publicada”, tal como as contas prestadas pelos mesmos. 
.
Já no que toca à aplicação dos donativos na reconstrução das casas, o TC reconhece que foi salvaguardada a não sobreposição dos apoios. No entanto, houve “défices de controlo” e a “possibilidade de desvios relativamente ao critério definido”. 
.
 Por isso os auditores colocam a hipótese de a ajuda ter sido aplicada de forma pouco eficaz, “embora se tenha observado um grau elevado de concretização dos apoios num tempo razoável e os mesmos tenham sido, em geral, distribuídos para os fins destinados e na proporção das necessidades”, ressalva o relatório.

Propósito dos donativos não foi respeitado
Outra das lacunas detetadas pelo TC prende-se com os apoios dados a quem teve prejuízos agrícolas. Isto porque o Revita foi constituído inicialmente para apoiar a reconstrução de casas afetadas pelos incêndios de 17 de junho em Pedrógão Grande. Mas durante o processo foi decidido que o Fundo também iria apoiar prejuízos agrícolas. 
.
 E se a reconstrução das habitações foi alvo de escrutínio, o mesmo não aconteceu nos apoios à agricultura, “na qual nem sequer foi definido o fim a que se destinava o apoio”. O dinheiro destinado à ajuda agrícola já foi todo aplicado, “embora sem qualquer controlo sobre a sua utilização e ajustamento aos objetivos”, destacam os auditores. 
.
 Do montante total do fundo, 58%, ou 3,4 milhões de euros, foram aplicados em ajuda aos danos na agricultura. Já 41%, ou 2,5 milhões de euros, foram aplicados na reconstrução de habitações. Para os auditores, o propósito de que os donativos “teriam como destino específico o financiamento” de habitações “não se mostra integralmente respeitado”. Das 99 casas a financiar pelo Revita, 79 já estão concluídas, 5 encontram-se em execução e 15 estão suspensas, devido a suspeitas de irregularidades.

Há um “montante significativo” de recursos por aplicar
O relatório não deixa passar em claro as irregularidades detetadas nas situações em que se verificou que o dinheiro estava a ser aplicado em casas de segunda habitação. “Embora só futuras decisões judicias permitam dar uma resposta inequívoca a esta questão, o Ministério Público identificou vários casos” em que isso terá acontecido. São 9 casos num universo de 100, que totalizam 596 mil euros de apoios prometidos, dos quais 232 mil euros já foram pagos. 
.
A maior parte do dinheiro foi aplicada em Pedrógão Grande, o concelho mais atingido pelos incêndios. O Revita ainda dispõe de 815 mil euros de fundos por aplicar, numa altura em que faltam equipar 32 casas. 
.
O relatório conclui que “tendo o apetrechamento de 42 casas custado 170,9 mil euros (…) conclui-se que o Fundo dispõe ainda de recursos por aplicar num montante significativo, que não estão destinados”. Se o dinheiro não for usado para o seu propósito inicial, o Governo terá de decidir o destino da sua aplicação.

As recomendações do TC
Da análise do Tribunal de Contas resultaram recomendações ao Governo, à Assembleia da República e à gestão do Revita. 
.
Ao Executivo e à AR os auditores recomendam que “ponderem a elaboração de um quadro legislativo global que regule a ajuda solidária”, sendo de equacionar o controlo público dos donativos, apesar de estes serem quase exclusivamente privados. 
.
O TC recomenda ainda ao Governo que defina um “sistema coordenado de planeamento do auxílio à reconstrução e reabilitação na sequência de calamidades, contemple a definição prévia de procedimentos, divisão clara de responsabilidades e mobilização padronizada de recursos a aplicar”. 
.
Ao Conselho de Gestão do Revita é aconselhado que publique “todos os apoios concedidos e que promova a utilização das verbas remanescentes em favor das necessidades por satisfazer, num prazo compatível com a premência dessas necessidades”.

* Será que no Fundo Revita existem "DDT's" de segunda geração?

.

ALEXANDRA DUARTE

.







“És boa como o milho!”
(só nas redes sociais)

Impõe-se a produção de legislação que proteja os utilizadores das redes sociais através de um código de conduta socialmente irrepreensível, que balize a forma adequada de expressão.

A França acabou de aprovar um projeto de lei que tem como objetivo terminar com os discursos de ódio no espaço digital, onde as plataformas das redes sociais são os veículos privilegiados para este tipo de ocorrências. Uma iniciativa legislativa que não tardará a ser replicada noutros Parlamentos nacionais, exceção feita à Alemanha que, desde o início do ano, já tem em vigor o Network Enforcement Act, o qual estabelece a retirada de conteúdos violentos ou de conteúdos com discursos de ódio em prazos que podem ir desde as 24h seguintes à publicação até sete dias.

Desde que surgiram as redes sociais e parte da população mundial migrou para o espaço digital, várias horas por dia, submergindo num mundo onde tudo era possível e estava disponível à distância de um simples clique, fomos assistindo a um desenrolar de situações perversas e descontroladas, próprias da ausência de legislação e de fiscalização pelas entidades responsáveis. Não havendo legislação adequada a estas novas realidades, as entidades fiscalizadoras e reguladoras tiveram muitas dificuldades em intervir em situações de exageros e de ofensas, para as quais não tinham resposta e meios para travar os abusos, permitindo, desta forma, que se agravassem estes comportamentos desviantes numa bolha onde todos nos encontramos desprotegidos e à mercê da maldade pura ou da estupidez.

O Facebook conta com 2 mil milhões de utilizadores em todo o mundo, o Instagram contabiliza mil milhões, o Snapchat já vai em 190 milhões e o Twitter, com a ajuda de Donald Trump e dos seus comunicados por esta via, conseguiu aumentar para 126 milhões de utilizadores, invertendo a tendência decrescente a que estava votado. Em Portugal, mais de 60% da nossa população frequenta as redes sociais, um número que se cifra nos cerca de 5,3 milhões de portugueses que têm lugar marcado numa ou em várias das plataformas que enunciei. Somos muitos a viver noutro mundo, um mundo sem regras, diga-se… mas que é incontornável, e mesmo aqueles que por lá não andam não estão a salvo de serem chicoteados publicamente ou insultados.

Convém referir que o conceito de discurso de ódio se circunscreve unicamente a formas de expressão discriminatória de natureza racial, sexual, religiosa, nacional ou de género. Mas não poderá um discurso de ódio ser muito mais abrangente do que estas discriminações?

Aqui há uns tempos, o Tribunal da Relação de Lisboa foi notícia por ter condenado um taxista a dois anos de prisão por este ofender a sua mulher chamando-lhe nomes feios (todos percebem!), atentando contra a saúde psíquica e emocional da vítima e ferindo a dignidade da pessoa humana. Talvez se o ato tivesse ocorrido via Facebook, o homem em causa não tivesse sido condenado a uma pena de dois anos, mas como não teve esta clarividência, lá terá de cumprir a pena.

Nas redes sociais, tudo é permitido, desde comentários pestilentos até à verborreia repetida de quem não tem mais nada para dizer, tendo perfeita consciência de que está impune, mesmo no que diz respeito ao julgamento social, porque basta ter uns quantos seguidores verborreicos para anular logo qualquer voz mais sensata e virtuosa. Por outro lado, temos uma lei antipiropo, uma originalidade do Bloco de Esquerda, que pune quem tiver a ideia de fazer um comentário rude e sexista e desatar a gritar do outro lado da rua: “És boa(m) como o milho!”. Mas, se for no Instagram, já é aceitável.

Estes dois breves exemplos parecem-me suficientes para concluir que os comportamentos que são criminalizáveis e censurados socialmente, caso ocorram na rua, também o devem ser nas redes sociais. Não devemos continuar a ser cúmplices de uma cultura de despejo visceral, sem qualquer controlo, com efeito viral e que contagia os mais fracos que por lá andam. Impõe-se a produção de legislação que proteja os utilizadores das redes sociais através de um código de conduta socialmente irrepreensível, que não restrinja a liberdade de expressão, mas que balize a forma adequada de expressão, evitando a exposição ao cyberbullying, que não é exclusivo dos adolescentes, mas transversal a todos os que não são bem formados, tenham a idade que tiverem.

Poderia aqui também fazer uma referência a artigos de opinião que são verdadeiros incitamentos a estes comportamentos quando se esquecem da sua responsabilidade enquanto opinion makers e escrevem de forma tão ardilosa e despudorada, destilando repulsa excessiva, que roça o ódio nas palavras que escrevem sobre outras pessoas. Uma vergonha alheia que sinto ao ler alguns destes artigos, mas compreendo que se tenha tornado um desporto nacional na luta pelo lugar no pódio do maior número de likes e de partilhas.

Não alinho. Não consigo enveredar pelo caminho mais fácil da maledicência. Mas isto fica para outras núpcias.

IN "i"
15/07719

.
.


1974.UNIÃO



EUROPEIA


Imagem relacionada
.
HOJE NO 
"AÇORIANO ORIENTAL"
Relação de Lisboa acusa tribunal açoriano de “violência institucional” e de
.“vitimização secundária”

Juiz açoriano recusou afastamento de alegado agressor da casa da família e mandou libertá-lo. MP recorreu para a Relação, que revogou a decisão, impôs medidas de coação e fala em "vitimização secundária" e em "violência institucional"
 .
“O facto de o arguido diariamente injuriar a ofendida sua ex-mulher com a finalidade de a forçar, assim como aos seus 3 filhos, a sair da casa de morada de família onde todos coabitavam, e passar aquela e os filhos a ir residir longe do seu lar, e numa habitação que não é a sua, ademais sem quaisquer condições, constitui uma nova forma de violência, desta feita institucional, consistindo na vitimização secundária destes que a lei tanto quer evitar (...)".

Os termos do resumo do acórdão assinado pelas juízas desembargadoras Filipa Costa Lourenço e Anabela Cabral Ferreira não deixam dúvidas: há uma nítida admoestação do juiz de instrução criminal António Calado, que assinou o despacho recorrido. 

* A Justiça agradece senhoras Desembargadoras.

.
.
9-Falsidade.com 
9.3 BARRY




FONTE:  tbrsete .
.
A PLAYSTATION
 QUE TODOS ESTÃO À ESPERA...


FONTE:  Nuno Agonia

.