25/03/2019

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.


88-SUBTILEZAS

"Monogamia"




RESUMO ANIMADO


FONTE:   Minutos Psíquicos
..

.

1-FUENTEOVEJUNA

Por ANTÓNIO GADES

TEATRO REAL DE MADRID




MÚSICA: 
Antón García Abril 
Modest Mussorgsky (“Los cuadros de la exposición”, 
Boosey and Hawkes) 
Antonio Gades 
Faustino Núnez 
Antonio Solera 

INTÉRPRETES
Laurencia: Cristina Carnero 
Frondoso: Ángel Gil 
Mayor: Alberto Ferrero 
Comendador: Joaquín Mulero 

BAILARINAS: 
Carolina Pozuelo, 
Conchi Maya, 
Luisa Serrano, 
Maite Chico, 
Maria José López,
María Nadal, 
Merche Recio, 
Vanesa Vento, 
Virginia Guinales, 
Virginia Domínguez, 
Yolanda Rodríguez 

BAILARINOS: 
Ángel Bleda, 
Antonio Mulero, 
David Martín, 
Elías Morales, 
Jairo Rodríguez, 
Miguel Lara, 
Miguel Vallés, 
Pepe Vento 

Flamenco 
CANTORA: 
Ángela Núnez “La Bronce” 
CANTORES: 
Alfredo Tejada, 
Enrique Pantoja, 
Gabriel Cortés,
Joni Cortés 

GUITARRISTAS:
Antonio Solera, 
Camarón de Pitita

Director Técnico: Dominique You 
Director Artístico: Stella Arauzo 
Coreografia e Direcção: Antonio Gades 
Argumento: José Manuel Caballero Bonald, Antonio Gades 
Baseado numa realização de Lope de Vega 


FONTE:  EuroArtsChannel

.
.
 HOJE NO 
"DESTAK"
Proteção Civil alerta para risco 
de incêndios rurais devido a 
temperaturas altas e vento forte

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) emitiu hoje um aviso à população sobre o perigo de incêndio rural, devido à manutenção de temperaturas acima do habitual para a época e "acentuado aumento da intensidade do vento".
.

A ANPC avisa que o cenário meteorológico "traduz-se num aumento dos índices de risco de incêndio entre hoje e quarta-feira, com condições favoráveis à rápida propagação de incêndios em todo o território continental", com níveis de risco "Elevado" e "muito Elevado".

A partir de previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a ANPC alerta para uma humidade relativa do ar inferior a 30% na generalidade do continente, sendo inferior a 20% na região interior sul durante a tarde, verificando-se "uma fraca recuperação da humidade durante a noite".

* E a Proteção Civil protege ou é só título?

.
.
MINUTOS DE
CIÊNCIA/224

Minecraft e a Visualização Espacial 
 da Peça do Cubo 4 x 4 x 4



FONTE: Matemática Rio com Prof. Rafael Procopio

.
.
HOJE  NO
"i"
Agricultores temem "ano de calamidade"

Barragens de Campilhas, Fonte Serne e Monte da Rocha com reservas muito baixas




A Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado (ARBCAS) está preocupada com a falta de água nas barragens de Campilhas e Fonte Serne, em Santiago do Cacém, e de Monte da Rocha, Ourique.
 .

Em causa estão os baixos níveis de água armazenada - 16,3%, 33,8% e 11,8 %, respetivamente. À “Lusa”, o vice-presidente da ARBCAS, Ilídio Martins, disse que os agricultores esperam “o ano mais difícil de todos”.

"Este vai ser mais um ano difícil, talvez o ano mais difícil de todos, porque temos água para regar 2.800 hectares, mas ficam 3.700 hectares de fora, sem qualquer acesso à água. Portanto, se não houver uma alteração de última hora, como no ano passado, estamos a ver que vai ser mesmo um ano de calamidade para muitos agricultores", afirmou ainda o responsável.

"Não temos qualquer reserva de água nas barragens de Campilhas, Fonte Serne e Monte da Rocha e apenas contamos com água proveniente de Alqueva, que vai regar uma pequena parte", explicou à mesma fonte. "Vamos começar a fazer o nosso trabalho que é gerir a pouca água que temos e vamos alertar e pedir ajuda ao Ministério [da Agricultura] para ter uma atenção com os nossos agricultores e ver o que se pode fazer para que não sejam desativadas as explorações agrícolas".

* E o que faz o sr. ministro da Agricultura? Campanha eleitoral ao lado do sr. primeiro-ministro.


.
.
XXXII- MEGA MÁQUINAS

3-Descolagem Vertical



*Interessante série reveladora da quase perfeição mecânica, notável produção do Canal Discovery.

O título da rubrica MEGA MÁQUINAS não se conforma apenas com as enormes dimensões de algumas que temos exibido, abrange todas as que têm MEGA INFLUÊNCIA nas nossas vidas.


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

FONTE:  Universo do Documentário

.. .
.
HOJE NO 
"A BOLA"
Benfica desclassificado em estafeta mista
.e João Pereira reage:
 «Já evito competir em Portugal...»

O Benfica foi este domingo desclassificado no campeonato nacional de estafetas mistas em Portimão. Os atletas encarnados venceram a prova, mas João Pereira, o último elemento, que bateu ao sprint Alexandre Nobre (Portugal Talentus), foi desclassificado por ter cruzado a meta sem o dorsal de identificação.
.
O atleta recorreu ao Facebook para partilhar a sua frustração. «Sou um atleta com mais de 100 provas internacionais feitas, nunca fui desclassificado, nunca fui penalizado por um comportamento desviante do Espírito Olímpico. (...) É por causa da fraca Direção da Arbitragem em Portugal que já há alguns anos evito competir em Portugal pois sinto uma perseguição aos atletas que dão o seu melhor!», escreveu como parte de um longo texto.

A Portugal Talentus referiu também o caso polémico: «Emocionante competição, onde os primeiros clubes e os seus atletas honraram o triatlo e o desporto. A qualquer deles se ajustava perfeita e justamente o título de campeão. Infelizmente, para o João Pereira e para o Benfica, a equipa de arbitragem terá detetado uma infração, por ausência de dorsal, e o Benfica foi desclassificado, acabando o título por ser entregue à Portugal Talentus (...) Parabéns João Pereira. Parabéns Benfica. Parabéns CN Torres Novas.»

* João Pereira é um enorme atleta mas não está acima da lei, isso é para banqueiros, capitalistas e políticos.

.

MARIA JOÃO AVILEZ

.






A “familiar de referência”

A altíssima competência médica de Santa Maria releva também do milagre da dedicação. Deve haver poucos sítios no mundo onde se possa entregar assim um coração.

1. Nem sequer houve pré-aviso, a vida mudou de cor num minuto, vesti outra pele, passei a chamar-me “familiar de referência.” Aprendi a circular em infindáveis corredores, a não confundir esquinas e acertar nos elevadores. A lidar com aquele súbito desconcerto, tateando a vida em vez de a viver. Tateando a abissal diferença entre o conhecido e o vivido e era implacável a diferença entre uma coisa e outra. Tudo aquilo era agora comigo.

2. E, subitamente, lembrei-me: foi há quase três anos, em Setembro, estava uma manhã azul e radiosa, íamos a caminho do Douro. Aquela coisa da felicidade. Nisto toca o telefone, era o filho de Londres, tão cedo?, pensei, ”houve uma chatice no nosso metro de Parsons Greens, havia uma bomba mas está tudo bem, o Luís foi no metro antes, já está na escola, está tudo bem…”.

Tudo bem? Garganta seca, a voz que não saía, o trovão da descoberta: seria aquilo o pânico?
“Não podemos sair de casa, as ruas estão fechadas, num segundo ficámos rodeados de polícias, ninguém entra, nem sai”. De repente era o “vivido”, em vez do “sabido”, a notícia não viera de um écran televisivo mas da voz falsamente tranquila de um filho a dizer-nos que o seu filho apanhara o metro anterior. Com a mesma velocidade com que a polícia inglesa bloqueara meia dúzia de ruas londrinas, a nossa condição de longínquos espectadores do terrorismo nos telejornais, transformara-se em “parte” implicada: prosaicamente a caminho do Douro, numa manhã já não doce, prováramos a diferença.

3. Desta vez, no Hospital de Santa Maria, também. Primeiro foi o “de repente” com que tudo sempre começa: a angústia pelo telefone, o voo para casa, a cabeça a andar à roda, “tudo menos ir para um hospital privado”, a chegada do INEM. Um clássico, só que meu, pessoal, intransmissível. Quantas vezes ouvira enaltecer o INEM, a competência do Serviço Nacional de Saúde, a excelência clínica dos hospitais públicos? Muitas, mas de longe, à distância. Idas esporádicas a Santa Maria, algumas à Urgência. O trivial, nunca uma emergência. Agora era. Sucede porém que o que ali vi e vivi, durante cinco dias, foi tão fora do comum para o que (apressadamente?) apelidamos de padrão nacional, que tenho a responsabilidade de dar testemunho. Faço-o porém com aquela consciência atrapalhada e constrangida de que este escrito não é senão uma mísera, quase inverosímil gota de água no mar de reconhecimento que devia embalar o grupo de especialistas com quem convivi.

4. O quadro justamente saía do ordinário, do comum, do habitual quadro português: nunca houve alteração da ordem, alarido, precipitação, desmazelo, incúria. Gestos desnecessários, conversa fiada. Cada clínico e clínica dos vários com quem lidei, a começar nos do próprio INEM até aos serviços onde estive – SO e UTIC — sabia o que estava a fazer, usando apenas das palavras necessárias e dispensando as supérfluas. Apercebi-me (o tal “vivido”) de como está bem sincronizada a coreografia desde que duas ambulâncias entraram no nosso pátio, até ao momento em que, pouco mais de uma hora depois, já em Santa Maria, uma equipa previamente avisada e devidamente informada, entrava em acção. Sentada solitariamente num banco de plástico azul num corredor semideserto, também percebi o que significa “estar entregue”: era aquilo. E “aquilo” — a segurança que eu sentia — não tinha preço.

Escrevo este texto porque, numa altura de extrema dificuldade na vida de um servidor público médico, enfermeiro ou auxiliar — dadas as imponderadas cativações que ocorreram para Centeno brilhar em Bruxelas e Costa aqui — é preciso anunciar que esta magnífica capacidade de resposta e esta altíssima competência no “modus operandi” clínico também relevam do puro milagre da dedicação. Se lhe somarmos a consciência profissional, ética e cívica com que ali se oficia, talvez comecemos a espantar-nos menos com aquilo a que erradamente chamaríamos outros milagres e que são apenas rotinas responsavelmente bem organizadas: uma atenção permanente – o que na imensa, inconfundível solidão dos hospitais, gera a única coisa de que se precisa que é a confiança; a pontualidade; a ordem que não se vê mas tudo rege; o asseio enfim, do chão a brilhar, à cama ou ao duche, e quem está a espera disto num hospital público superlotado e no momento delicadíssimo que aflige hoje o sector publico da Saúde?

Deve haver poucos sítios no mundo onde se possa entregar assim um coração.

5. E também deve haver poucos lugares tão transversais como um hospital e se há coisa que guardei desta “viagem” foi a memória dela. Memória compósita: cruzamentos de vida com desconhecidos da enfermaria que na manhã seguinte passavam a indispensáveis companheiros; desabafos improváveis, súbitas generosidades, risos, comentários, apreensões, o jogo da sueca ao serão, na mesa já livre dos tabuleiros do jantar, a oferta de jornais e mimos, as diversas profissões contadas por eles próprios, do “feirante de Alfeizeirão” ao “agente imobiliário” de Lisboa que com invejável à-vontade liderava o que quer que fosse na enfermaria. Nada porém que se comparasse aos 3-0 do Benfica-Dínamo de Zagreb, televisivamente partilhados ali mesmo – em surdina claro está, mas mesmo assim: seis matulões de pijama de azul, quase todos “encarnados” menos um idoso que torcia pela Académica de Coimbra e outro que era do Sporting. Às vezes olhando para aquele desconcertante pequeno mundo, perguntava-me se era eu que ali estava: era? Nunca nos surpreenderemos o suficiente com a inesgotável capacidade da vida em gerar o improvável.

6. Melhor foi impossível? Não, também houve parecido com “pior”. (Se eu estivesse em maré de humor este texto poder-se-ia até chamar “melhor é impossível e… pior também”, mas não estou.) Refiro-me a este singular (e omnipresente) lado português das coisas: por muito saber, alta competência e altruísmo que haja – e era o caso, naquele serviço e naquele hospital — a nossa lusa “especificidade” acaba sempre, com maior ou menor protagonismo, por se mostrar. E embora nada se pudesse fazer sem o trabalho daquelas dedicadas enfermeiras, auxiliares e empregadas, espantava o ruído ensurdecedor: vinha das copas, dos corredores, das conversas vivazes entre todas elas. E das suas vozes demasiado audíveis onde misteriosamente e sem necessidade aparente, se preferia o grito à fala. Um dia perguntei ao director do Unidade se tal ruído não lhe lembrava — por exemplo — Las Vegas, tal a animação. Não lembrava: “As instalações já antigas do hospital sendo espaçosas e amplas como eram, criavam uma ressonância e um trânsito que dificultava o silêncio”. Talvez. Mas – por falar em antigo – fiquei com pena daquele “pior” que — porventura por se ter perdido o “antigo” sentido da hierarquia ou a autoridade ter caído em desuso– maculava uma óptima impressão.

Não seria difícil humanizar ali o tom de voz, não custaria um cêntimo.

Afinal bem mais difícil é deixar lá o coração. Entregue.

IN "OBSERVADOR"
20/03/19

.
.


1861.UNIÃO



EUROPEIA




.
HOJE  NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"
Exposição de Joana Vasconcelos em Bilbau foi a 13.ª mais vista no mundo

A exposição "I'm Your Mirror", da artista portuguesa Joana Vasconcelos, que esteve patente no Museu Guggenheim Bilbao, Espanha, foi a 13.ª mais visitada no ano passado a nível mundial, de acordo com a publicação especializada The Art Newspaper.

A mostra de Joana Vasconcelos, atualmente patente no Museu de Serralves, no Porto, foi vista em Bilbao por cerca de 649 mil pessoas, a uma média de 5600 por dia.
.

"I'm Your Mirror", que pode ser visitada até 24 de junho no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, estende-se pelo Parque de Serralves e até pela avenida Marechal Gomes da Costa.

A exposição inclui mais de 30 obras de Joana Vasconcelos, realizadas de 1997 até à atualidade, 14 das quais novas, reunindo alguns dos trabalhos mais distintos e emblemáticos da artista.

Entre as peças novas apresentadas em Espanha e agora em Serralves conta-se uma máscara veneziana com 2,5 toneladas, feita com 231 molduras de duplo espelho, e um anel solitário, de três toneladas, com 112 jantes de carro e 1.324 copos de cristal.

A lista das 20 exposições mais visitadas em 2018 em museus de todo o mundo, da The Art Newspaper, é liderada por "Heavenly Bodies: Fashion and the Catholic Imagination", que esteve patente no Metropolitan Museum of Art (Met), em Nova Iorque, nos Estados Unidos, de 10 de maio a 08 de outubro do ano passado.

A exposição, que "misturou obras de arte religiosas, incluindo 42 peças eclesiásticas da sacristia da Capela Sistina, com Alta Costura", foi visitada por cerca de 1,7 milhões de pessoas, numa média de quase onze mil visitantes por dia.

De acordo com a publicação, cerca de 1,43 milhões de pessoas viram o corpo principal da exposição, que esteve patente no edifício principal do museu, na Quinta Avenida, e cerca de 230 mil visitaram a extensão no bairro de Washington Heights.

A mostra tornou-se também na mais visitada do Met, quebrando o recorde de visitantes de "Treasures of King Tutankhamun", de cerca de 1,4 milhões de pessoas, em 1978.

No segundo lugar da lista surge outra mostra que esteve patente no Met: "Michelangelo: Divine Draftsman and Designer".

Entre 13 de novembro de 2017 e 12 de fevereiro de 2018, a exposição, que reuniu escultura e mais de cem desenhos da autoria de Michelangelo, foi visitada por cerca de 702 mil pessoas, numa média de 7.900 visitantes por dia.

O terceiro lugar do top é ocupado "Do Ho Suh: Almost Home", que esteve patente no Smithsonian American Art Museum, em Washigton DC, entre 16 de março e 5 de agosto.
A mostra, centrada no trabalho do artista coreano Do Ho Suh, registou 1,1 milhões de visitantes, numa média de 7.900 por dia.

O primeiro museu europeu a surgir na lista é o Guggenheim Bilbao, no 12.º lugar, com a exposição "Chagall: The Breakthrough Years", que, entre 1 de junho e 2 de setembro, recebeu cerca de 453 mil visitantes, numa média de 5600 por dia.

Exposições temáticas nos museus de Xangai, na China, nos museus nacionais de Tóquio e de Quioto, no Japão, no Louvre, no Grand Palais e na Fundação Louis Vuitton, em Paris, estão entre as mais visitadas de 2018, transformando estas instituições, com o Guggenheim Bilbao, o Met e o Smithsonian, nas dominantes do 'top 20' do The Art Newspaper.

A exceção é o Centro Cultural do Banco do Brasil, que surge em 11.º lugar com a exposição "Disruptiva", associada ao Festival Internacional de Linguagem Eletrónica (FILE), patende de 13 de abril a 4 de junho do ano passado, que mobilizou 5813 visitantes por dia, num total de 264 mil visitantes.

De acordo com o site da instituição, a mostra permite ao público "experimentar formas inusitadas de interagir com a arte eletrónica", como "tocar, pular, balançar, imergir, jogar e brincar com a instalação (...), ser embalado a vácuo, mudar de cabeça e balançar num mundo real e virtual".

O FILE, segundo o centro cultural, é "o maior evento de arte e tecnologia da América Latina".
O festival realiza-se todos os anos em São Paulo, Brasil, e leva regularmente exposições a cidades como Rio de Janeiro, Vitória, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, São Luís e Brasília.

* Uma portuguesa que nos acalenta o ego, não há ministro que o faça e nenhum vai para o desemprego.

.
.
Grandes Tesouros da Arqueologia

4- A Cidade Perdida

do Rei Herodes


DOCUMENTÁRIOS ptfelicitas

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
5. RADIOGRAFIA DE
UM AEROPORTO
5.1-Falhar Está Fora de Questão



FONTE: DOCUMENTÁRIOS ptfelicitas

.
.
HOJE  NO 
"DINHEIRO VIVO"
Governo desmente Marques Mendes: 
Barragem do Fridão ainda pode avançar

O Governo já confirmou que devolverá mais de 200 milhões à EDP caso o projeto não avance. EDP à espera da resposta. 

No Ministério do Ambiente e da Transição Energética (MATE), a notícia avançada por Marques Mendes no seu comentário semanal no Jornal da Noite de domingo na SIC causou enorme surpresa. “O Governo tem de decidir se avança ou não [com a barragem do Fridão] até fim de abril. Ao que apurei, a vontade do Governo é não avançar”, disse o comentador, acrescentando que “falta saber como indemnizar a EDP”. 
 .
Recentemente, no último debate quinzenal, o primeiro-ministro António Costa pareceu dar razão a Marques Mendes, quando garantiu à deputada do partido Os Verdes, Heloísa Apolónia, que a decisão sobre a barragem do Fridão seria do seu agrado. Populações locais e ambientalistas estão contra a obra há vários anos. O Governo vai tomar uma “boa decisão”, disse Costa.

Contactada esta segunda-feira pelo Dinheiro Vivo, fonte oficial do MATE negou a travagem a fundo no projeto e a decisão negativa avançava pela comentador da SIC e reagiu dizendo que o ministério “tem dito e mantém que até 18 de abril será tomada uma decisão sobre a barragem do Fridão”. 
O ministro do Ambiente, Matos Fernandes tem assim cerca de mais um mês antes de anunciar publicamente qual será a resposta definitiva sobre uma barragem que há vários anos aguarda luz verde para arrancar. Há precisamente uma década foi anunciada no âmbito do Plano Nacional de Barragens, com as obras previstas para arrancar no terreno em 2012. Em 2009, a EDP investiu à cabeça no projeto 218 milhões de euros. 
No site da EDP a barragem do Fridão surge no separador das “Novas Barragens”, a construir no rio Tâmega, com uma potência de 238 MW, uma produção média anual de 295 GWh, um investimento previsto de 304 milhões de euros, e 80% de incorporação nacional. 
A elétrica continua à espera e confirmou ao Dinheiro Vivo que já investiu na futura barragem do Fridão mais de 200 milhões de euros. “A decisão de implementação cabe ao Governo e não à EDP. No entanto, a empresa mantém total disponibilidade para, em conjunto com as diferentes entidades envolvidas no projeto, explorar as melhores soluções”, disse fonte oficial. 
Em 2016, o Governo decidiu suspender por três anos, até 2019, a construção do complexo hidroelétrico para reavaliação da atribuição de licença para produção elétrica. Daí que agora o Executivo tenha mesmo de tomar uma decisão, com o prazo final a aproximar-se a passos largos. 
Para o ministro do Ambiente, a ” razão principal de fazer ou não fazer a barragem de Fridão tem a ver com o compromisso de atingir determinadas metas de energia renovável até 2030″. 
No entanto, Matos Fernandes já assumiu por várias vezes que uma eventual decisão de não avançar com a barragem no rio Tâmega, junto aos concelhos de Amarante, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Mondim de Basto e Ribeira de Pena), implicará a devolução à EDP o pagamento “superior a 200 milhões de euros” à EDP dos 218 milhões de euros pagos em 2009 ao Governo de José Sócrates, como contrapartida financeira pela concessão do complexo hidroelétrico. 
Persiste no entanto, a dúvida se a Iberdrola, que se encontra neste momento a construir o mega complexo hidroelétrico no Alto Tâmega, poderia substituir a EDP na construção da barragem do Fridão. Ao Dinheiro Vivo, disse a Iberdrola: “Tal como referido no passado, a Iberdrola mantém a informação de que não está a negociar a possibilidade de assumir a concessão do Complexo Hidroelétrico de Fridão. De recordar que a Iberdrola se encontra a desenvolver o Sistema Eletroprodutor do Tâmega, o maior investimento que mantém em Portugal, num total de 1.500 milhões de euros, até 2023”.

* O sr. Marques Mendes é uma espécie de "pica miolos" do governo, a designação não é pejorativa. O comentador da SIC é mais contundente que toda a oposição de direita nacional. 
Quanto ao governo ele mente e desmente com bastante frequência.

.
.
New Orleans Dixieland on Street


.
.
HOJE NO 
"AÇORIANO ORIENTAL"
Trabalhadores dos CTT vão doar cerca de 1,6 toneladas de roupa a Moçambique

Os trabalhadores dos CTT – Correios de Portugal vão doar cerca de 1,6 toneladas de roupa a Moçambique, no seguimento de uma campanha de recolha de donativos que começou esta segunda-feira nas Lojas CTT.
.
"Os CTT, no âmbito da sua política de sustentabilidade e responsabilidade social, lançaram em 2007 o Programa Somar para Dividir, onde os trabalhadores doam roupas que são depois entregues a instituições portuguesas. Uma parte dos contributos de 2018 dos trabalhadores serão, este ano, enviados para Moçambique, tendo em conta as grandes necessidades do país após a passagem do ciclone Idai, que deixou milhares de moçambicanos afetados pelas cheias", explica nota.

Os CTT, em parceria com os Correios de Moçambique, estão a partir desta segunda-feira a recolher roupas doadas pelos portugueses para enviar para Moçambique e apelam à participação de todos os portugueses. Basta chegar a uma das 538 Lojas CTT espalhadas por todo o país, pedir uma Embalagem Solidária, colocar o donativo e o envio será realizado, de forma gratuita, pelos CTT e recebido em Moçambique pelos Correios de Moçambique.

Os CTT aproveitam a forte capilaridade e proximidade às populações disponibilizando a sua vasta rede de lojas para fazer chegar os donativos dos portugueses a quem mais precisa.

A recolha de donativos nas Lojas CTT decorre até dia 8 de abril.

* Solidariedade rima com dignidade, Moçambique precisa de TUDO!

.
.
.

Portugal bem português

IV-Portugal, um retrato social/3
4-Mudar de vida



Este é um retrato do nosso país. Um retrato da sociedade contemporânea. É um retrato de grupo: dos portugueses e dos estrangeiros que vivem connosco. É um retrato de Portugal e dos Portugueses de hoje, que melhor se compreendem se olharmos para o passado, para os últimos trinta ou quarenta anos. (...) 

Gente diferente: Quem somos, quantos somos e onde vivemos 

Os portugueses são hoje muito diferentes do que eram há trinta anos. Vivem e trabalham de outro modo. Mas sentem pertencer ao mesmo país dos nossos avós. É o resultado da história e da memória que cria um património comum. Nascem em melhores condições, mas nascem menos. Vivem mais tempo. Têm famílias mais pequenas. Os idosos vivem cada vez mais sós.

Um trabalho de investigação excelente de ANTÓNIO BARRETO e uma extraordinária equipa da RTP para a execução desta série.


* Esta é uma compilação de séries pelo  nosso país não apenas pelas prespectivas histórica ou social mas pela recolha de vídeos interessantes de várias origens, actividades e sensibilidades, com diferentíssimos temas que reflectem o nosso quotidiano de modo plural.
Desejamos muito que seja do vosso agrado.


FONTE: universalcosmos

.. . .
.

“Lenços Pela Harmonia” milhares de neozelandeses
 usam 'hijab' em apoio a Christchurch



FONTE:  Observador

.
.
USA
A cachoeira que 'cospe fogo' 



FONTE:  BBC News Brasil

.
.

Protestos contra projecto de diretiva 
dos direitos de autor na internet



FONTE:  euronews

.
.
166-NO GINÁSIO
COMO FAZER AGACHAMENTO?
Erros comuns , dicas de execução ...



COM PROFESSORA DANIELA DIAS

* Corrija a postura com agachamento, faça este exercício todos os dias. A professora Daniela é bem esclarecedora.

FONTE: EXERCÍCIO EM CASA

.
.

1923
Senso d'hoje
DIOGO CAVALEIRO
JORNALISTA DO EXPRESSO
ESPECIALISTA EM QUESTÕES DA BANCA
"Há muitas forças 
à volta do Montepio"



FONTE: Canal Q, Programa INFERNO com moderação de AURÉLIO GOMES.
.

NOTÍCIAS PARA HOJE

.
COMPRE JORNAIS








.