31/10/2019

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.


257-ACIDEZ
FEMININA


A ESPOSA VIROU
UM MONSTRO

#TatyResolve


A IMPRESCÍNDIVEL TATY FERREIRA

* Uma produção "ACIDEZ FEMININA" - BRASIL

.
.
λ Σ́GUλ Dλ COMλDΓΣ



FONTE:  filminas

.
.
Astronomia
Uma visão Geral

Magnitude, cor e distância
das estrelas/2



* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

 .
.

LXXII-Cidades e soluções

Saiba como produzir energia solar e eólica
para ser consumida na própria casa/1




FONTE:   andryoamorim

.

HELENA ROSETA

.






Anos dourados

Felizes aqueles que conseguem viver com intensidade os anos dourados da sua velhice. Também para mim esse é agora um vasto programa.

Disse-me um dia uma grande escritora portuguesa, Isabel Barreno, que o envelhecimento é o aumento do ser. E eu, que tenho uma visão geológica da duração da vida, subscrevo inteiramente esta afirmação: é muito mais rico, até na diversidade da paisagem que suporta, um território com milhões de anos de transformação e acumulação do que uma zona arenosa recente, miocénica, inexpressiva.

Vivemos no entanto dominados pelo culto da juventude, padrão de comportamento e símbolo de saúde e beleza. A ditadura da novidade impregna as sociedades de consumo e gera uma aceleração e ansiedade crescentes, a que se junta a frustração da inacessibilidade às múltiplas e caras solicitações que bombardeiam as pessoas.

Há alguns anos, Alvin Toffler apresentava em Lisboa a sua interpretação da terceira vaga, numa perspectiva de optimismo iluminado face à inevitabilidade do progresso. Perante uma sala apinhada de gente, levantei-me e perguntei, provocadora: e qual é o lugar da saudade? Fiquei sem resposta por dificuldades de tradução.

A dimensão vertical da duração, que requer lentidão e profundidade, foi destronada pelo endeusamento da dimensão horizontal, a da rapidez e simultaneidade. Alessandro Baricco, no seu ensaio “Os bárbaros”, fala mesmo de uma mutação: as novas gerações criadas no tempo da internet e dos telemóveis “inteligentes” não falam a mesma língua que nós, os antigos, que crescemos com livros. O que nos separa é uma forma de apreender a realidade que deixou de ser vagarosa e sequencial, requerendo tempo, meditação e memória, para outra, ultraveloz e dispersa por múltiplos assuntos ao mesmo tempo, exigindo agilidade mental e familiaridade com toda a panóplia de ferramentas da revolução informática. A novidade apaga a memória, que se confia à tecnologia. O pior é que sem memória individual não pode haver verdadeira inovação – todos construímos sobre o que muitos, antes de nós, legaram.

É verdade que vivemos uma outra revolução, demográfica, que alterou profundamente as nossas vidas. Com novas condições de higiene e saúde, a esperança de vida aumentou e a simultaneidade de quatro gerações já não é uma raridade. Temos perspectivas de períodos pós-reforma cada vez mais longos, com a pressão que isso provoca nos sistemas de pensões, enquanto, por outro lado, o tempo se acelerou e o ritmo da chamada “vida activa” é tão intenso que deixa as pessoas esgotadas.

Precisamos de mudar a forma como percorremos os anos que nos é dado viver, compensando a agitação do dia-a-dia com a intersecção de outros ritmos – não apenas férias ou feriados, mas anos sabáticos, horários desencontrados, ocupações criativas, mistura de tempos activos e tempos de descanso e fruição. A idade da reforma devia poder ser modulada, permitindo tempos de transição à medida. Enquanto não inovarmos nestas matérias, a longevidade, que é um privilégio, converte-se, a maior parte das vezes, num facto adicional de stress para os próprios e seus familiares.

Falamos do “nosso tempo” para referir com nostalgia a suposta “idade de ouro” da juventude. O nosso tempo é o tempo que estamos a viver. O nosso tempo é hoje. Felizes aqueles que conseguem viver com intensidade os anos dourados da sua velhice. Vasto programa também para mim, agora que terminam, a meu pedido, as funções públicas que até aqui desempenhei: deputada à Assembleia da República e presidente da Assembleia Municipal de Lisboa.

IN "PÚBLICO"
30/10/19

.
.


2078.UNIÃO



EUROPEIA




.
.

III-OH MAR SALGADO

3-O mundo secreto
dos crustáceos



FONTE:   Documentarios BR

.
 .
·ï¡÷¡ï·𝓡𝓞𝓣𝓔𝓘𝓡𝓞 𝓓𝓞 𝓢𝓐𝓑𝓔𝓡·ï¡÷¡ï·
𝟏-𝓞𝓡𝓘𝓖𝓔𝓝𝓢
𝟏.𝟏-𝓐 𝓣𝓔𝓡𝓡𝓐 𝓝𝓐𝓢𝓒𝓔



𝓣𝓮𝓻𝓪́ 𝓸 𝓾𝓷𝓲𝓿𝓮𝓻𝓼𝓸 𝓼𝓮𝓶𝓹𝓻𝓮 𝓮𝔁𝓲𝓼𝓽𝓲𝓭𝓸? 
𝓒𝓸𝓶𝓸 𝓮́ 𝓺𝓾𝓮 𝓼𝓮 𝓽𝓸𝓻𝓷𝓸𝓾 𝓷𝓾𝓶 𝓵𝓾𝓰𝓪𝓻 𝓺𝓾𝓮 𝓪𝓫𝓻𝓲𝓰𝓪 𝓿𝓲𝓭𝓪? 
𝓒𝓸𝓶𝓸 𝓽𝓮𝓻𝓪́ 𝓼𝓲𝓭𝓸 𝓸 𝓷𝓪𝓼𝓬𝓲𝓶𝓮𝓷𝓽𝓸 𝓭𝓸 𝓷𝓸𝓼𝓼𝓸 𝓹𝓵𝓪𝓷𝓮𝓽𝓪? 
𝓔𝓼𝓽𝓪𝓶𝓸𝓼 𝓼𝓸𝔃𝓲𝓷𝓱𝓸𝓼, 𝓸𝓾 𝓮𝔁𝓲𝓼𝓽𝓮𝓶 𝓶𝓾𝓷𝓭𝓸𝓼 𝓮𝔁𝓽𝓻𝓪𝓽𝓮𝓻𝓻𝓮𝓼𝓽𝓻𝓮𝓼 𝓪̀ 𝓮𝓼𝓹𝓮𝓻𝓪 𝓭𝓮 𝓼𝓮𝓻𝓮𝓶 𝓭𝓮𝓼𝓬𝓸𝓫𝓮𝓻𝓽𝓸𝓼? 
𝓥𝓮𝓳𝓪 𝓪𝓵𝓰𝓾𝓶𝓪𝓼 𝓻𝓮𝓼𝓹𝓸𝓼𝓽𝓪𝓼 𝓪𝓼𝓼𝓾𝓼𝓽𝓪𝓭𝓸𝓻𝓪𝓼, 𝓺𝓾𝓮 𝓵𝓮𝓿𝓪𝓻𝓪́ 𝓸𝓼 𝓮𝓼𝓹𝓮𝓬𝓽𝓪𝓭𝓸𝓻𝓮𝓼 𝓷𝓾𝓶𝓪 𝓿𝓲𝓪𝓰𝓮𝓶 𝓹𝓮𝓵𝓸 𝓬𝓸𝓼𝓶𝓸𝓼 𝓭𝓮𝓼𝓭𝓮 𝓸 𝓹𝓻𝓲𝓷𝓬𝓲́𝓹𝓲𝓸 𝓭𝓸 𝓽𝓮𝓶𝓹𝓸 𝓪𝓽𝓮́ 𝓪𝓸𝓼 𝓬𝓸𝓷𝓯𝓲𝓷𝓼 𝓭𝓸 𝓤𝓷𝓲𝓿𝓮𝓻𝓼𝓸, 𝓹𝓻𝓸𝓬𝓾𝓻𝓪𝓷𝓭𝓸 𝓹𝓮𝓵𝓪𝓼 𝓹𝓻𝓲𝓶𝓮𝓲𝓻𝓪𝓼 𝓹𝓲𝓼𝓽𝓪𝓼 𝓭𝓮 𝓿𝓲𝓭𝓪 𝓮 𝓸𝓼 𝓼𝓮𝓾𝓼 𝓿𝓮𝓼𝓽𝓲́𝓰𝓲𝓸𝓼 𝓷𝓸𝓾𝓽𝓻𝓸𝓼 𝓶𝓾𝓷𝓭𝓸𝓼.

FONTE: Universo do Documentário 2.0

.
.

This Is Halloween


.
.

ĆŘƗΜ€Ş ΜƗŁƗØŇÁŘƗØŞ
4.1-ᗰ🖤ŔƬƐ Ɛᗰ ṖᗩĿᗰ ßƐᗩƇĤ



FONTE: tbrsete

.
.

Entrevista sobre o
Outubro rosa




 FONTE: Saúde da Mulher com Dra Laura Lucia

.
R̷Í̷D̷I̷C̷U̷L̷O̷S̷ E̷ P̷I̷R̷O̷S̷O̷S̷



.
.
Para cozer os miolos/131



Documentário Let's make money - Ex-assassino económico John Perkins.
Este vídeo é de 2010, tiremos lições para o futuro.

.
.
O ZÉ DAS MEDALHAS...



.
.

2143
Senso d'hoje
RAFAEL
ESTEVES MARTINS
ASSESSOR NA A.R.
DEPUTADA JOACINE MOREIRA
"As desilusões são muito boas
porque são fenómenos nos
quais perdemos as ilusões"



FONTE:  TVI24


.
.
MIJINHA ESTILOSA


.
.

BOM DIA


.
.


86-CINEMA
FORA "D'ORAS"
𝒳-♥ 𝒮𝐼𝒮𝒮𝐼 ♥


𝒮𝒾𝓃𝑜𝓅𝓈𝑒:

ℰ́ 𝑜 𝒶𝓃𝑜 𝒹𝑒 𝟣𝟪𝟧𝟥. 
𝒜 𝑒𝓃𝓉𝒶̃𝑜 𝓅𝓇𝒾𝓃𝒸𝑒𝓈𝒶 ℐ𝓈𝒶𝒷𝑒𝓁 𝒹𝒶 ℬ𝒶𝓋𝒾𝑒𝓇𝒶, 𝒹𝑒 𝟣𝟧 𝒶𝓃𝑜𝓈, 𝒶𝒸𝑜𝓂𝓅𝒶𝓃𝒽𝒶 𝒶 𝓂𝒶̃𝑒 𝑒 𝒾𝓇𝓂𝒶̃ 𝓂𝒶𝒾𝓈 𝓋𝑒𝓁𝒽𝒶 ℋ𝑒𝓁𝑒𝓃𝒶 𝓅𝒶𝓇𝒶 𝒶 𝒸𝑜𝓇𝓉𝑒 𝒶𝓊𝓈𝓉𝓇𝒾́𝒶𝒸𝒶 𝑒𝓂 ℬ𝒶𝒹 ℐ𝓈𝒸𝒽𝓁, 𝑜𝓃𝒹𝑒 𝑜 𝓃𝑜𝒾𝓋𝒶𝒹𝑜 𝑒𝓃𝓉𝓇𝑒 ℋ𝑒𝓁𝑒𝓃𝒶 𝑒 𝑜 𝒿𝑜𝓋𝑒𝓂 𝒾𝓂𝓅𝑒𝓇𝒶𝒹𝑜𝓇 ℱ𝓇𝒶𝓃𝒸𝒾𝓈𝒸𝑜 𝒥𝑜𝓈𝑒́ ℐ, 𝓈𝑒𝓊 𝓅𝓇𝒾𝓂𝑜-𝒾𝓇𝓂𝒶̃𝑜, 𝓈𝑒𝓇𝒶́ 𝒶𝓃𝓊𝓃𝒸𝒾𝒶𝒹𝑜. 
ℰ𝓈𝓉𝑒, 𝒸𝑜𝓃𝓉𝓊𝒹𝑜, 𝒶𝓅𝒶𝒾𝓍𝑜𝓃𝒶-𝓈𝑒 𝓅𝑒𝓁𝒶 𝑜𝓊𝓉𝓇𝒶 𝓅𝓇𝒾𝓂𝒶, ℐ𝓈𝒶𝒷𝑒𝓁 (𝓂𝒶𝒾𝓈 𝒸𝑜𝓃𝒽𝑒𝒸𝒾𝒹𝒶 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝒮𝒾𝓈𝓈𝒾), 𝑒𝓃𝓆𝓊𝒶𝓃𝓉𝑜 𝑒𝓁𝒶  𝓅𝑒𝓈𝒸𝒶. 
𝒮𝒾𝓈𝓈𝒾 𝓉𝒶𝓂𝒷𝑒́𝓂 𝒶𝓂𝒶 ℱ𝓇𝒶𝓃𝒸𝒾𝓈𝒸𝑜 𝒥𝑜𝓈𝑒́, 𝓂𝒶𝓈 𝑜 𝒸𝒶𝓈𝒶𝓂𝑒𝓃𝓉𝑜 𝑒𝓃𝒸𝑜𝓃𝓉𝓇𝒶𝓇𝒶́ 𝒶 𝑜𝓅𝑜𝓈𝒾𝒸̧𝒶̃𝑜 𝒹𝒶 𝑒𝓍𝒾𝑔𝑒𝓃𝓉𝑒 𝓂𝒶̃𝑒 𝒹𝑜 𝒾𝓂𝓅𝑒𝓇𝒶𝒹𝑜𝓇.
.
.
 ℐ𝓂𝓅𝑒𝓇𝒶𝓉𝓇𝒾𝓏 ℐ𝓈𝒶𝒷𝑒𝓁 𝒹𝒶 𝒜́𝓊𝓈𝓉𝓇𝒾𝒶

ℰ𝓁𝑒𝓃𝒸𝑜:
ℛ𝑜𝓂𝓎 𝒮𝒸𝒽𝓃𝑒𝒾𝒹𝑒𝓇, 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝒮𝒾𝓈𝓈𝒾
𝒦𝒶𝓇𝓁𝒽𝑒𝒾𝓃𝓏 ℬ𝑜̈𝒽𝓂, 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝒾𝓂𝓅𝑒𝓇𝒶𝒹𝑜𝓇 ℱ𝓇𝒶𝓃𝒸𝒾𝓈𝒸𝑜 𝒥𝑜𝓈𝑒́ ℐ; 
ℳ𝒶𝑔𝒹𝒶 𝒮𝒸𝒽𝓃𝑒𝒾𝒹𝑒𝓇, 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝓅𝓇𝒾𝓃𝒸𝑒𝓈𝒶 ℒ𝓊𝒹𝑜𝓋𝒾𝒸𝒶 𝒹𝒶 ℬ𝒶𝓋𝒾𝑒𝓇𝒶; 
𝒢𝓊𝓈𝓉𝒶𝓋 𝒦𝓃𝓊𝓉𝒽, 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝒹𝓊𝓆𝓊𝑒 ℳ𝒶𝓍𝒾𝓂𝒾𝓁𝒾𝒶𝓃𝑜 𝒥𝑜𝓈𝑒́ 𝒹𝒶 ℬ𝒶𝓋𝒾𝑒𝓇𝒶;
𝒰𝓉𝒶 ℱ𝓇𝒶𝓃𝓏, 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝓅𝓇𝒾𝓃𝒸𝑒𝓈𝒶 ℋ𝑒𝓁𝑒𝓃𝒶 𝒞𝒶𝓇𝑜𝓁𝒾𝓃𝒶 𝒹𝒶 ℬ𝒶𝓋𝒾𝑒𝓇𝒶 (𝒩𝑒𝓃𝑒);
𝒱𝒾𝓁𝓂𝒶 𝒟𝑒𝑔𝒾𝓈𝒸𝒽𝑒𝓇, 𝒸𝑜𝓂𝑜𝒶𝓇𝓆𝓊𝒾𝒹𝓊𝓆𝓊𝑒𝓈𝒶 𝒮𝑜𝒻𝒾𝒶 𝒹𝒶 𝒜́𝓊𝓈𝓉𝓇𝒾𝒶;
ℰ𝓇𝒾𝒸𝒽 𝒩𝒾𝓀𝑜𝓌𝒾𝓉𝓏, 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝒶𝓇𝓆𝓊𝒾𝒹𝓊𝓆𝓊𝑒 ℱ𝓇𝒶𝓃𝒸𝒾𝓈𝒸𝑜 𝒞𝒶𝓇𝓁𝑜𝓈;
𝒫𝑒𝓉𝑒𝓇 𝒲𝑒𝒸𝓀, 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝒶𝓇𝓆𝓊𝒾𝒹𝓊𝓆𝓊𝑒 𝒞𝒶𝓇𝓁𝑜𝓈 ℒ𝓊𝒾́𝓈;
𝒦𝒶𝓇𝓁 ℱ𝑜𝒸𝒽𝓁𝑒𝓇 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝒸𝑜𝓃𝒹𝑒 𝒢𝓇𝓊̈𝓃𝓃𝑒;
𝒥𝑜𝓈𝑒𝒻 ℳ𝑒𝒾𝓃𝓇𝒶𝒹, 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝓂𝒶𝒿𝑜𝓇 ℬ𝑜̈𝒸𝓀𝓁;
ℱ𝓇𝒶𝓃𝓏 ℬ𝑜̈𝒽𝑒𝒾𝓂, 𝒸𝑜𝓂𝑜 𝒥𝑜𝒽𝒶𝓃𝓃 𝒫𝑒𝓉𝓏𝓂𝒶𝒸𝒽𝑒𝓇.


FONTE: maria de lourdes pinheiro barzanelli

.