sábado, 19 de agosto de 2017

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.

 1- SEXO AOS QUADRADINHOS


.
* Neste mês de Agosto e primeiras semanas de Setembro iremos reeditar algumas séries que, de forma especial, sensibilizaram os nossos visitadores alguns anos atrás, esta é uma delas.

.
.


12-SENHORAS DO BURLESCO


Petite Sirah 

.
.
Se conduzir,
não oiça música latina


FONTE: PROGRAMA "Donos Disto Tudo"  RTP/1

.
.


11-SENHORAS DO BURLESCO


Olatsa Assassin 

.
.

AVALIAÇÃO DO NÓDULOS
DA TIRÓIDE

3- Características Incomuns
dos Nódulos



Uma interessante série conduzida por Leonidas di Piero Novais, endocrinologista pela PUC- Rio de Janeiro.

* Uma produção "CANAL MÉDICO"

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.


10-SENHORAS DO BURLESCO


Mary Magdalene 


.
.
ESTE VÍDEO MENTE



FONTE: NERDOLOGIA


.
.
.


9-SENHORAS DO BURLESCO


Marion Rose


.

JOSÉ MANUEL PUREZA

.





Independentes de modo vário

Um independente não é por definição mais fiel à satisfação dos interesses da população do que um militante partidário. E não, uma candidatura independente não é por definição mais democraticamente pura do que uma lista partidária

É falso que as eleições autárquicas sejam “as menos políticas” das eleições. A afetação do espaço público para construção privada ou para lazer de todos não é uma questão puramente técnica como a escolha entre o reforço do transporte público ou a aceitação do império do automóvel privado é evidentemente política. Por isso, é falso também que o que importa nas eleições autárquicas é a competência pessoal de quem se candidata. Claro que quem se candidata tem que ser competente. Mas a pergunta é: competência para pôr em prática o quê? Este ‘quê’ é o que realmente tem que ir a votos.
Sendo as eleições locais políticas, são políticas as candidaturas que a elas se apresentam. As candidaturas independentes são, pois, tão políticas como as candidaturas partidárias. Ambas apresentam umas propostas e não outras, escolhem umas prioridades e não outras, farão alianças com umas forças e não com outras.
O que dá importância democrática a uma candidatura independente, o que a torna em elemento qualificador da democracia local não é, pois, a sua autoproclamada independência, é sim o modo como é independente em concreto. Há independentes de esquerda e independentes de direita, há independentes presidencialistas e independentes de base. O que não há é independentes disto tudo ao mesmo tempo. O arquétipo do tecnocrata equidistante de tudo e do seu contrário é um puro e perigoso mito político, tão falso como o slogan que o simboliza: “o meu partido é – e segue-se o nome do município”. Não, um independente não é por definição mais fiel à satisfação dos interesses da população do que um militante partidário. 
E não, uma candidatura independente não é por definição mais democraticamente pura do que uma lista partidária. Depende, repito, do modo concreto de ser independente na disputa eleitoral local. E, a este respeito, a experiência portuguesa tem seguido dois caminhos. O primeiro é o das candidaturas unipessoais, o segundo é o dos movimentos de cidadãos.
O primeiro modelo – que teve em Isaltino o seu pioneiro e tem hoje em Rui Moreira e em seus putativos imitadores os seus intérpretes mais conhecidos – tem como figurino a concentração absoluta da candidatura na figura do cabeça de lista. É uma fórmula que assenta numa compreensão presidencialista e top-down da política local. O cabeça de lista, venha do universo complexo das zangas intrapartidárias ou do universo evanescente das notoriedades, é tudo nestas candidaturas. A suposta alergia aos partidos é a sua marca (suposta porque, na prática, é de permanente jogo tático com eles que se trata). O que o eleitor destas candidaturas abraça com convicção é que o cabeça de lista porá a terra no mapa, a tirará do marasmo, etc. Como e com quem são aspetos de somenos. 
A força deste modelo é jogar o jogo da fulanização como modo de ser da democracia representativa. Mas a fulanização como trunfo é também o germe do seu próprio enfraquecimento: ela nunca resiste à prova do tempo.
O segundo modelo arranca justamente da vontade de juntar participação à representação. 
O seu entendimento da política local é bottom-up e materializa-se na articulação entre o ativismo de causas setoriais e a disputa institucional das decisões. As redes de militância, a escala da vizinhança para as agendas de transformação, o chamamento continuado dos cidadãos ao debate e ao envolvimento nos processos deliberativos são a sua filosofia. A sua relação com os partidos tem o desafio – e não o conflito com eles – como marca. A força deste modelo é a sua visão mais aberta e exigente da democracia local. Uma cultura de absoluto primado do coletivo em detrimento do individual é a sua fragilidade em tempos de fulanização da política.
A linha de diferenciação na democracia local não é entre partidos e independentes, é entre quem alarga a democracia e quem perpetua a deformação da prática da democracia tomando-a como jogo de elites e de iluminados. Ora, tanto nos partidos como fora deles há gente que está de um lado e gente que está do outro desta diferenciação.
IN "VISÃO"
17/08/17


.
.


1327.UNIÃO



EUROPEIA



.
.


8-SENHORAS DO BURLESCO


Madame MacKay 

.
.
BRASIL
RELIGIÕES E NÚMEROS


FONTE: REVISTA GALILEU


.
.
XVIII-VIDA SELVAGEM
4 - Desafios Mortais
O Dragão de komodo


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.


7-SENHORAS DO BURLESCO


Lily Darlin 

.
.
RECORDANDO

Sidney Bechet

Petite Fleur


.
.

CADEIRA DE RODAS

SOBE ESCADAS


.
.


HÁ JUÍZES ASSIM




FONTE: Cleber Sousa Fernandes


.
.
 
MANTENDO A CALMA



.
.
SOMÁLIA
6,7 milhões de pessoas precisam
de ajuda em meio a crise da seca



FONTE:ONUBrasil

.
.

USE OS NEURÓNIOS

A PORTA MAIS PRÓXIMA DA SAÍDA 
TEM A SANITA MAIS LIMPA


UMA FOLHA DE PAPEL MINIMIZA
O RUÍDO DA DESCARGA


TRINCO AVARIADO,
UMA CHAVE RESOLVE



O PESO DA CARTEIRA NO CANTO INTERNO
DA PORTA MANTEM-A FECHADA


TAMPO FRIO CALCE-LHE MEIAS


SUPORTE AVARIADO IMPROVISE
COM UMA ESFEROGRÁFICA


ÀS ESCURAS O QUE SE VÊ MELHOR
ESTÁ MAIS LIMPO


1 - PARA NÃO USAR AS MÃOS


2 - PARA NÃO USAR AS MÃOS

NÃO SEJA TÃO RADICAL, ÁGUA QUENTE
E DETERGENTE LÍQUIDO PODEM RESOLVER

ATRÁS DE SI VIRÃO MAIS PESSOAS
DEIXE TUDO LIMPO

.
..


1341
Senso d'hoje
ZINEB EL RHAZOUI
EX-MUÇULMANA
COLABORADORA DO
CHARLIE HEBDO
Quem diz que islã não tem nada
a ver com terrorismo é ignorante"



*Zineb El Rhazoui é uma ex-muçulmana nascida no Marrocos. Trabalhava para o jornal francês Charlie Hebdo e era um dos principais alvos dos terroristas. Não morreu porque na época do massacre estava passando as férias no Marrocos.
Neste vídeo ela fala que a definição de terrorismo é nada mais nada menos que a aplicação da lei islâmica simples e pura.

** Somos cautelosos quando editamos opiniões de terceiros contra qualquer religião, não devemos tomar a nuvem por "Juno"


 FONTE: Khadija Kafir

.
.

CÃO DIABINHO



.
.

BOM DIA


.
.

10-TEATRO
FORA "D'ORAS"
V-ARTE



.