segunda-feira, 26 de junho de 2017

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.


.
.
3-O MERCADO NEGRO DE
REMÉDIOS CONTROLADOS

video


FONTE: Conexão Repórter

...
.
.
EROTIC PERFORMANCES
11-EDIFICE

video


FONTE: Rogerio Silva

.
.

MINUTOS DE

CIÊNCIA/143

Percentagem e Lucro
na Venda de Picolés

video


FONTE: MATEMÁTICA RIO

.
.

 XI-MEGA MÁQUINAS

2-LAMBORGHINI AVENTADOR

video

*Interessante série reveladora da quase perfeição mecânica, notável produção da NG.

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.

FILIPE ALVES

.




Os acionistas têm 
os gestores que merecem

Enquanto existir quem se deixe enganar, haverá sempre quem procure tirar proveito disso. É uma lei da vida. A CMVM não faz milagres e os acionistas das empresas deveriam ser os primeiros interessados em correr com gestores incompetentes ou corruptos.

O ex-presidente da CMVM, Carlos Tavares, defendeu ontem (20/06) que o supervisor do mercado de capitais deveria ter o poder de avaliar a idoneidade dos administradores das cotadas não-financeiras, à semelhança do que o Banco de Portugal faz com os gestores da banca. Carlos Tavares disse ainda, com muita razão, que de nada serve ter administradores e membros de comissões de auditoria que não sabem o que fazem nem querem saber. E questionou o facto de os acionistas das empresas portuguesas não exigirem as devidas responsabilidades aos membros dos órgãos de fiscalização das empresas, mesmo quando os gestores destroem valor de forma catastrófica, como se viu em várias grandes cotadas nacionais ao longo dos últimos anos.

O antigo presidente da CMVM está absolutamente certo no diagnóstico: os interesses dos acionistas e dos gestores nem sempre estão alinhados. E os administradores independentes e os membros dos órgãos de fiscalização nem sempre estarão à altura do que deles se espera. Apesar dos avanços registados nos últimos anos, este continua a ser um problema grave que põe em causa a solidez das empresas portuguesas, a confiança dos investidores no mercado de capitais nacional e, por arrasto, a capacidade de financiamento da nossa economia.

Para ajudar a remediar este problema, Carlos Tavares propõe não só atribuir mais poder à CMVM como criar uma comissão prevista estatutariamente em cada empresa e composta maioritariamente por membros independentes, a quem caberia a avaliação do mérito dos candidatos aos órgãos de administração e fiscalização.

Ora se o diagnóstico não deixa dúvidas, as soluções propostas por Carlos Tavares têm mérito mas não farão milagres. Afinal, desde a alvorada da Humanidade que os ladrões estão constantemente um passo à frente da polícia. Podemos ter as melhores leis do mundo, mas se as pessoas não forem sérias rapidamente arranjam forma de as contornar. E mesmo que a CMVM tivesse super-poderes, nunca conseguiria colocar um “polícia” em cada conselho de administração. Quanto à super-comissão que avaliaria o mérito dos administradores e demais elementos dos órgãos sociais, fica a questão: quem fiscalizaria os fiscalizadores?

Enquanto existir quem se deixe enganar, haverá sempre quem procure tirar proveito disso. É uma lei da vida. O legislador, a CMVM e a própria comunicação social podem certamente contribuir para que haja uma melhor governação nas empresas portuguesas, mas os acionistas deveriam ser os primeiros interessados em correr com gestores incompetentes ou corruptos. No fim do dia, os acionistas das empresas têm as administrações que merecem. 
.

IN "O JORNAL ECONÓMICO"
21/06/17

.
.


1273.UNIÃO



EUROPEIA



.
HOJE NO 
"CORREIO DA MANHÃ"
'Rei Ghob' conhece acórdão 
a 18 de setembro

O Tribunal de Loures agendou para 18 de setembro a leitura do acórdão do processo em que Francisco Leitão, conhecido como 'Rei Ghob', responde por 542 crimes de violação de menores, disse esta segunda-feira à agência Lusa fonte judicial. 
 .

A data foi marcada esta tarde, após as alegações finais, nas quais o Ministério Público não pediu uma pena concreta, sublinhando que a condenação a ser aplicada neste caso terá de fazer cúmulo jurídico com os 25 anos (pena máxima) aplicados em 2012, pelo homicídio de três jovens. 

Durante o julgamento, que se iniciou no dia 15 de maio deste ano, Francisco Leitão nunca quis prestar declarações ao coletivo de juízes. As mesmas fontes adiantaram que a defesa de Francisco Leitão admite que o arguido seja condenado "por quatro ou cinco crimes" mas não pelos 542 de que é acusado. 

Contactado pela Lusa, Hélder Cristóvão, advogado do arguido recusou falar sobre os factos em julgamento, dizendo apenas que neste processo o que releva em termos de defesa "são as questões jurídicas que se levantam, relacionadas com a prescrição do direito de queixa e do crime ser apenas um por vítima e na forma continuada".

 Francisco Leitão, sucateiro de profissão, convivia com vários jovens, na altura com idades entre os 14 e os 17 anos, fazendo-se passar pelo amigo que os levava a passear, pagava jantares ou bebidas e oferecia-lhes telemóveis. Dizia ter poderes sobrenaturais e quando ganhava a sua confiança e sabia que estariam convictos dos seus poderes, levava os jovens para a sua casa, na Carqueja, Lourinhã, onde os amedrontava incorporando "entidades" sobrenaturais ou dizendo que vinha a mando delas informá-los de que eles ou seus familiares corriam perigo de morte. Para evitar as consequências, teriam de se sujeitar a "injeções de energia", que, como descreve a acusação, seriam transmitidas do corpo do arguido para o corpo da vítima sob a forma de relações sexuais. 

As queixas chegaram ao MP ainda em 2009, mas o inquérito veio a ser arquivado. Contudo, o processo foi reaberto na sequência de buscas domiciliárias da PJ e de novas denúncias no período em que o arguido esteve a ser investigado pela morte de três jovens. 

A leitura do acórdão está agendada para as 14h00 de 18 de setembro, em Loures. Francisco Leitão cumpre uma pena de 25 anos no Estabelecimento Prisional de Vale de Judeus, Alcoentre. 

* É injusto este monstro passar 25 anos de férias em Alcoentre, o Tarrafal devia ser albergue deste tipo de bandidos.


.
.

2- MACHU PICCHU

video

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
.

6.1-CONSUMISMO

(O IMPÉRIO DAS MARCAS)

video


FONTE: Alexandre Fonseca

.
.
HOJE  NO
"OBSERVADOR"
Depois de 132 anos a Sociedade Guilherme Cossoul 
precisa de uma morada nova

Ao fim de 132 anos a ensinar música, teatro e literatura, a Sociedade Guilherme Cossoul perde as instalações. O prédio foi vendido por 3 milhões e 700 mil euros. Agora têm até ao fim do ano para sair.

“Houve um tempo em que as cidades eram lugares de troca, hoje em dia as cidades tornaram-se apenas lugares de venda.” É assim que o encenador Jorge Silva Melo resume a história da Sociedade Guilherme Cossoul, também conhecida por “Conservatório da Esperança”: depois de 132 anos a mobilizar a cultura, em especial o teatro e a música no bairro da Madragoa, o edifício que albergava a Cossoul, na avenida D. Carlos I, em Lisboa, foi vendido e os novos donos deram-lhes até ao final deste ano para desocuparem o edifício. A Câmara Municipal de Lisboa reconhece o mérito da Sociedade e promete arranjar um espaço alternativo. 
.
Uma festa com Beatriz Costa e outros associados da Guilherme Cossoul, na década de 40 do século passado

Mas como se empacotam 132 anos a ensinar música, teatro, literatura, alfabetização dos moradores do bairro, os bailes e as festas, o teatro onde começaram Raul Solnado, Henrique Viana, onde Camané cantou ainda em criança, onde, nos anos 50 e 60, despontaram os primeiros grupos de teatro experimental, onde pela primeira vez se encenou Harold Pinter, Luís Francisco Rebelo, Sttau Monteiro, onde o pintor João Vieira fazia cenários de inspiração Surrealista, onde a atriz Fernanda Alves levava o poeta Ernesto Sampaio, onde se encontravam para conspirar os elementos do MUD Juvenil.

Finalmente onde se faz o Festival Literário Reverso, onde há um curso de teatro, projetos conjuntos com a Fundação Calouste Gulbenkian, Teatro Maria Matos, Casa Fernando Pessoa?

Recentemente, num texto publicado no Babelia (suplemento Cultural do Jornal El Pais), o escritor espanhol António Muñoz Molina falava do desaparecimento do centro histórico das cidades, que expulsa os seus habitantes para se tornar uma Disneylândia destinada ao entretenimento de turistas. Paulo Tavares, atual presidente da Cossoul lamenta “que os governantes não tenham um sentido e um conhecimento histórico forte e que deixem desaparecer tudo o que tem passado e depois invistam em sítios ‘modernos’, ‘trendy’, onde depois usam móveis antigos para decoração e se fazem letreiros e montras a imitar coisas do passado que afinal não têm. É um paradoxo”.

Estamos, pois, cada vez mais longe dessa cidade inaugural descrita por Baudelaire, onde as pessoas se encontravam para trocar. Na primeira década do milénio o edifício da Cossoul foi comprado por um consórcio espanhol que deixou ficar a associação. Mas em Março deste ano o prédio foi vendido por 3 milhões e 700 mil euros para aquilo que deverá ser um prédio de apartamentos. Com a venda veio a ordem de saída para a Cossoul e mais alguns idosos que habitam os últimos andares do prédio.

Apesar de a venda estar iminente, pelo menos desde 2008, quando o prédio foi comprado pelo consórcio espanhol, nenhum executivo camarário conseguiu resolver o futuro da instituição. Várias propostas foram estudadas mas a verdade é que com apenas 6 meses até à saída, a autarquia ainda está a estudar um novo espaço para realojar a Cossoul. Questionada pelo Observador, a vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, afirmou estar empenhada “desde há vários meses, na pesquisa de um espaço que seja conveniente à atividade da Sociedade e que seja sustentável, a longo prazo”.

Guilherme Cossoul, uma história feita de utopias
Mais conhecida por “Cossoul”, a Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul, com entrada principal na avenida D. Carlos I e as traseiras na rua da Esperança, na Madragoa, é um espaço edificado por várias utopias e outros tantos desencantos de um país que, como lembra Jorge Silva Melo, “não teve uma aristocracia que mandasse construir teatros ao lado dos palácios, como na Europa central”. Guilherme Cossoul, filho de músicos italianos que circulavam pelas cortes europeias até se estabeleceram em Lisboa, era compositor e maestro e foi o fundador da Associação dos Bombeiros Voluntários de Lisboa. É o seu olhar tranquilo e o seu porte imponente que nos recebem à entrada da coletividade, ainda tão cheia de traços da sua longa história que o passado parece ser tangível.
.
Retrato de Guilherme Cossoul
Em 1885, cinco anos depois da morte do maestro, 47 músicos amadores decidem homenageá-lo fundando a Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul, destinada à aprendizagem da música pelos mais pobres da cidade. Depois de um dia de trabalho, quase sempre ligado à pesca e ao rio, os trabalhadores iam aprender a tocar um instrumento musical. Em 1893, o teatro entra na Cossoul pela mão de José Jorge Silva e mais tarde continuado pelo pedagogo e autor teatral Raul dos Santos Braga. 
A Cossoul passou a ser o polo dinamizador da Madragoa, lugar de encontro, de alfabetização, de festas de Natal para as crianças, de bailes com a orquestra da Sociedade, dos primeiros e únicos espetáculos de teatro da vida de muita gente. Apesar de ter nascido ligada à música é o teatro que vai marcar a história da associação. Falámos com Jorge Silva Melo, sempre uma memória viva e um olhar claro sobre a cidade de Lisboa. O diretor dos Artistas Unidos recorda o papel da instituição na vida cultural lisboeta:

Acho que a primeira vez que lá fui tinha 15 anos e vi ‘A Castro’, com Glicínia Quartin e Fernanda Alves, encenada por Carlos Avilez. Fiquei tão impressionado. Nesses anos a Cossoul tinha-se tornado o único espaço em Lisboa onde se fazia teatro experimental pois, como era um grupo amador, não tinha sido proibido Estado Novo. O bairro da Madragoa era o mais pobre mas também o mais politizado da cidade, ali se juntava gente que militava clandestinamente no PCP, gente como o Otávio Pato ou o José Manuel Tengarrinha e gente do MUD juvenil. Era a realização da utopia de jovens burgueses: fazerem arte com o povo, estarem perto do povo. Isto atraia muita gente. Pessoas ligadas ao teatro mas vindas das classes populares como Varela Silva, Luis Alberto e o Jacinto Ramos (que tinha uma papelaria no bairro) misturavam-se com jovens intelectuais como Glicínia Quartin. Tinham os seus trabalhos e à noite iam para ali ensaiar. Raul Solnado e Henrique Viana começaram no teatro ali. A fama começou a espalhar-se de tal maneira que até Amélia Rey Colaço e Palmira Bastos do Nacional, passaram a ir ver todas as peças e até a recrutar atores para o Dona Maria II, como foi o caso de Henrique Viana. Foi também com atores da Cossoul que Carlos Avilez foi fundar o TEC — Teatro Experimental de Cascais e que se fizeram os primeiros filmes do chamado Cinema Novo. Foi, sem dúvida, o palco da renovação teatral portuguesa da segunda metade do século XX. Nos anos 80, Luís Alpiarça voltou a dar uma dinâmica interessante à associação, com atores ligados à Barraca e à Comuna e um repertório de autores muito ligados à esquerda europeia como Dário Fo. Foram eles que acolheram os Artistas Unidos quando também nós ficámos sem as instalações da Capital. Depois fizemos lá uma peça de Pinter para comemorar os 120 anos. Recentemente para mim a melhor coisa da Cossoul era o Sr Teste [livraria/alfarrabista], que entretanto saiu de lá. Faz-me muita impressão que a sociedade saia dali. Aquela zona de Lisboa nunca mais será a mesma para mim. É um tempo que acaba.”

Atualmente a sociedade mostra uma enorme capacidade de rejuvenescimento, com uma direção composta por pessoas com menos de 40 anos e uma assumida consciência “que manter o legado destes 132 anos é não deixar de trabalhar com a comunidade mas fazer coisas novas. Não somos uma sociedade de bairro onde os velhinhos vão jogar à sueca. Neste momento temos um curso de teatro, um grupo de teatro residente [o coletivo Prisma], uma galeria de arte, um bar com programação própria, uma editora [Artefacto], um festival literário [o Reverso], uma livraria, uma biblioteca e está a ser criada uma banda de música em parceria com a Gulbenkian destinada a crianças em risco. Trabalham aqui diariamente 9 pessoas não remuneradas e apenas duas recebem salário. Não temos qualquer possibilidade de, sozinhos, viabilizarmos um espaço”, diz Paulo Tavares, poeta e tradutor, e agora à frente da Cossoul. “No final deste mês começamos com as sessões de leitura mensais dinamizadas pelo poeta Vasco Gato.”
.

Os bailes da Cossoul foram um marco nas décadas de 40 e 50 em Lisboa. Em primeiro plano o jovem ator Raul Solnado, mais um “filho” da casa. Imagem: Cortesia da SIGC

Neste quase século e meio de vida, a Sociedade, passou pela Monarquia, a República, o Estado Novo, a Revolução de Abril, a União Europeia. “João Soares comprou um espaço para alojar a Cossoul, para que tivéssemos melhores condições, mas a mudança de executivo na autarquia inviabilizou o projeto. Em 2010, António Costa, conseguiu destinar-lhes o Palácio de Laguares, em Campolide, mas o presidente da Junta de Freguesia não aceitou. Agora que a apoteose imobiliária lisboeta falou mais alto, o futuro permanece incerto e urgente”, afirma Paulo Tavares.

Jorge Silva Melo diz que o ideal era que “encontrassem um sítio com pessoas”. A possibilidade de partilhar um espaço com outra entidade também não é descartada por Paulo Tavares, nem pela vereadora da Cultura que declarou ao Observador que “a partilha de recursos e, consequentemente, o estabelecimento de conexões e de diálogos pode ser benéfica a vários projetos, contudo é necessário que os projetos sejam compatíveis, relacionáveis”.

* Vai mal governada a cidade em que um presidente de Junta de Freguesia manda mais que o Presidente da Câmara.
O Pavilhão de Portugal fechado serve para alguma coisa, a Guilherme Cossul serve Portugal há 132 anos.

.
.

BraAgas

Tua nai e meiga

video

.
.
HOJE NO 
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"


Eurodeputados do sul da Europa organizam "Dijsselbloem Nights"

O objetivo da festa, que decorre amanhã e depois em Bruxelas, é "combater os estereótipos" depois de o presidente do Eurogrupo ter acusado estes países de gastarem o dinheiro "em copos e mulheres".

Uma dezena de eurodeputados do Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde, que inclui o Partido Comunista Português e o Bloco de Esquerda, está a organizar dois dias de festa em Bruxelas intitulados "Dijsselbloem Nights - Combater os Estereótipos".
 .

 Uma referência ao presidente do Eurogrupo e ministro das Finanças holandês, Jeroen Dijsselbloem, que numa entrevista ao jornal alemão 'Frankfurter Allgemeine Zeitung' disse que os países do sul da Europa gastam o dinheiro "em copos e mulheres".

De acordo com a página do evento no Facebook, "a noite de música e cultura" de dia 27 de junho (terça-feira) é dedicada à cultura grega, portuguesa e cipriota. Na noite seguinte, à italiana e espanhola. Os eventos no Collectivo Garcia Lorca são grátis.

Em comunicado, os eurodeputados afirmam que as "Dijsselbloem Nights" refletem a "urgente necessidade de condenar este tipo de comportamento estereotipado especialmente quando expresso por uma autoridade europeia, muitas vezes diretamente responsável pelo seu empobrecimento e deterioração".

A organização fala na necessidade de "promoção de um entendimento cultural mais profundo entre as diferentes identidades", com a apreciação de especialidades gastronómicas, assim como música e dança.

* Vai ficar frustrado por não poder participar, terá de se cingir ao bairro da luz vermelha de Amsterdam.

.
.
HOJE NO
"RECORD"

Lutadora fez demasiada força
 e isso ficou visível... no chão

Justine Kish perdeu o combate com Felice Herrig, no último domingo, mas a lutadora russa, que também tem nacionalidade norte-americana, deu tudo o que tinha para não sair derrotada. Aliás, neste combate há um momento insólito: ao tentar se livrar da adversária, Justine Kish acabou por fazer demasiada força e as marcas ficaram bem visíveis... 
.
video

Após o combate de UFC, a lutadora comentou, com humor, a situação. "Sou uma guerreira e nunca vou desistir #ShitHappens ahahaha, regresso em breve", escreveu Kish no Twitter.

* Será o UFC um desporto de merda?

.
.
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

video


FONTE: AFPBr

.
.
HOJE NO 
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

"Isto não pode continuar", diz ministro sobre incidentes com drones

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse, esta, segunda-feira, que o Governo aguarda respostas do regulador sobre os repetidos incidentes com "drones" nas proximidades de aviões, admitindo que é "isto não pode continuar".

"O Estado não manda nos reguladores, é preciso termos isso presente, e portanto foi pedido ao regulador, ao Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes Aeronáuticos, que fosse feito trabalho para identificar se o recente regulamento produzido pelo regulador sobre esta matéria é suficiente", indicou Pedro Marques, em declarações aos jornalistas em Bruxelas.
.
E SE UM DRONE LHE EVACUAR EM CIMA
O ministro apontou que este não é um problema exclusivamente português e está em curso um "debate a nível europeu, há regulamentação que está a ser discutida no Conselho dos Transportes" sobre "as regras de voo e de operação das aeronaves não tripuladas".

"Em qualquer caso, o regulador avançou com um conjunto de medidas, mesmo enquanto decorre este debate europeu. O que se pediu foi, por um lado, que fosse feito um «benchmarking», ou seja, o que é que outros países estão a fazer nesta matéria; e que fosse avaliado se o regulamento produzido recentemente é suficiente mas tem que ser melhor fiscalizado, ou se é preciso eventualmente ir mais longe mesmo enquanto o próprio debate europeu continua sobre esta matéria", disse.

"Estamos todos a nível europeu a passar pelo mesmo tipo de constrangimentos decorrentes da evolução deste setor, e temos obviamente que aprender com o melhor que estamos a fazer a nível europeu. Mas temos que ir alterando a situação, isto não pode continuar. Temos todos, como país, de garantir mais resultados nesta matéria", enfatizou.

O ministro defendeu que, apesar da celeridade solicitada ao regulador na sua apreciação aos recentes incidentes, há é que "legislar bem".

"O problema disto é que acabámos de regulamentar há pouquíssimo tempo. E na verdade o que se está a detetar é que ou não há capacidade de fazer cumprir aquela regulamentação naqueles termos, e então ela também tem que ser mudada por essa razão, ou temos que fiscalizar melhor. Vamos é fazer bem, em vez de fazer precipitadamente. Mas obviamente nós temos que alterar esta situação, isso é indubitável", concluiu.

Hoje mesmo, o presidente executivo da TAP, Fernando Pinto, manifestou-se preocupado com a "utilização irresponsável de 'drones'" junto de aviões, prometendo fazer "uma campanha forte" contra estes incidentes que já ocorreram pelo menos seis vezes este mês.

Fernando Pinto adiantou que levará à reunião de terça-feira das principais companhias aéreas europeias (a A4E - Airlines for Europe) a "irresponsabilidade" de operar 'drones' junto de aviões, referindo que "não quer prejudicar a atividade" dos 'drones', mas "também não quer que essa atividade prejudique o transporte aéreo".

No domingo à noite, um avião da TAP Express, operado pela White Airways, com mais de 70 passageiros, cruzou-se com um "drone" a 900 metros de altitude, na aproximação ao Aeroporto de Lisboa, disseram à agência Lusa fontes aeronáuticas.

* "O governo não manda no regulador" mas manda no território nacional que compreende espaço terrestre, aéreo e marítimo e se o regulador não é competente para o defender irá o governo ficar à espera que o estúpido dono de um drone cause um verdadeiro sarilho a um  avião para depois voltar a emocionar-se com uma tragédia? Matemos os drones!

.
.
HOJE NO 
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS/  
/DA MADEIRA"
Unidade industrial pioneira em
 Portugal está sediada no Caniçal

Tem capacidade para produzir até 10 mil toneladas/ano

Foi esta tarde inaugurada, no Caniçal, a instalação de uma unidade industrial de produção de estilha de madeira seca e uma pequena produção de pellets. O investimento da Madeira Biomass Energy (MBEZF) posiciona-se como uma nova e inovadora produtora de uma fonte de energia renovável no mercado regional, onde não existe qualquer ‘player’ com a capacidade de produção equivalente à unidade industrial instalada. A empresa foi criada em Julho de 2015 em Lisboa, mudou-se para a Madeira em Agosto de 2016.
 .
ESTILHA
 Com capacidade para produzir até 10 mil toneladas/ano de estilha, actualmente a produção ronda as 3.500 toneladas. Esta unidade de produção veio criar 3 postos de trabalho. Número que terá de aumentar quando a produção ultrapassar 50% da capacidade instalada.

O investimento, que contou com comparticipação europeia, ronda 1,2 milhões de euros.
O presidente do Governo, Miguel Albuquerque, e o secretário com a tutela da Economia, Eduardo Jesus, marcaram presença na inauguração.

* A estilha de madeira, são pequenos pedaços de pinho com 3 a 10 cm de comprimento.
É frequentemente usada em agro-pecuárias, quer para revestimento do pavimento, quer para soluções de aquecimento.

** Pellet de madeira, (MiniLenha), é um biocombustível que usa como matéria-prima resíduos como a serradura.

.
.

BREXIT

QUEM TEM MEDO?

video



FONTE: EURONEWS

.
.
HOJE NO  
"JORNAL DE NEGÓCIOS"
Prada lança clip que custa 165 euros

Virou moda: as marcas de luxo põem um pé nos objectos do quotidiano ou nos segmentos de entrada de gama e adaptam-nos para venda a preços astronómicos.

Há algumas semanas, foi a Balenciaga a lançar um saco de pele cuja cor azul e a posição das alças sugeriam uma inspiração no saco que a IKEA vende aos seus clientes. Em vez de 70 cêntimos por um saco Frakta, os clientes da marca de luxo podiam optar pelos quase 2.000 euros que custa a mala de mão em pele.
 .
Agora, foi a Prada a arriscar e com um objecto ainda mais quotidiano: um clip de escritório. Uma caixa de 120 unidades na Staples custa 2,99 euros. Na marca de luxo, apenas um dos clipes com aquela insígnia ascende a 185 dólares (165 euros à cotação actual).

Ou seja, 4.125 vezes mais do que um clip normal, que se vende a 2,5 cêntimos por unidade naquela cadeia de retalho. A diferença – grande – é que o clip da Prada é de prata e significativamente maior em tamanho: 6,25 centímetros por 2,25 centímetros.

E o uso também é diverso do do clip de escritório. Não espere ver um destes a segurar um par de folhas em cima de qualquer mesa: o objectivo é servir para juntar notas (muitas) dentro da carteira.

* Existem no mundo mais de 800 milhões de pessoas que auferem por dia menos de 2 euros, por outro lado existe uma marca de moda que produz um vulgar clip para ser vendido a 165 euros, só temos uma coisa a dizer: "vão levar no cú e enfiem o clip para servir de calçadeira".

.
.
HOJE NO
"DESTAK"

Distrital do PS pede demissão do provedor da Santa Casa local

O presidente da distrital de Leiria do PS pediu hoje a demissão do provedor da Santa Casa de Pedrógão Grande, João Marques, que deu a informação errada a Passos Coelho sobre um alegado suicídio na sequência dos incêndios.

Passos Coelho disse hoje ter tido conhecimento de que um suicídio terá ocorrido em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, por falta de apoio psicológico, informação que se veio a verificar ser falsa e que lhe tinha sido dada pelo provedor da Santa Casa daquele concelho, João Marques.

"Exijo a demissão imediata de João Marques do cargo de provedor da Santa Casa da Misericórdia de Pedrógão Grande. Alguém que demonstra esta falta de responsabilidade atroz e oportunismo político do mais insensível que existe não pode continuar a representar uma entidade com os valores da Santa Casa da Misericórdia", afirma António Sales, líder da distrital socialista, na nota enviada à agência Lusa.

"Peço desculpa por ter usado informação não confirmada"- Passos

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, pediu hoje desculpas por ter "usado informação não confirmada" ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. 
.

"Eu peço desculpa por ter utilizado uma informação que não estava confirmada", afirmou Passos Coelho à chegada a Odivelas para a apresentação da candidatura de Fernando Seara à Câmara Municipal.

No entanto, Passos Coelho pediu que tal facto não desvie a atenção do que considera ser o essencial, reiterando que "o Estado falhou" e o Governo tem de fazer chegar rapidamente o apoio público aos familiares das vítimas.

* O despudor dos agentes do PSD é tanto, na absurda e voraz intenção de criar factos políticos sobre o sofrimento de tanta gente, que já não se importam de avaliar a veracidade da informação, são uns "Bafos de Onça"

.
.
79-NO GINÁSIO
2-TREINO FUNCIONAL
AGILIDADE

video


FONTE: EXERCÍCIO EM CASA

.



1287
Senso d'hoje
EIMAN HARU
REFUGIADA SUDANESA
INTEGRADA NO PROJECTO
"MULHERES UNIDAS"
"Eu consigo ajudar,
é o meu sonho"

video


* Atuando no projeto “Mulheres Unidas”, o trabalho de Eiman Haru é exemplo da luta pelo fim da violência contra as mulheres refugiadas – e pauta do Dia Laranja pelo Fim da Violência contra as Mulheres, marcado todo dia 25. Iniciativa do Instituto de Migrações e Direitos Humanos (IMDH) tem o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

FONTE: ONU BRASIL

.