30/11/2019

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.
XI-A HISTÓRIA 
DO SEXO
4- SEXUALIDADE E GÉNERO
4.2-"Os tabus sociais na percepção
de géneros e papéis sexuais"


Documentário que se propõe a discutir a questão dos géneros sexuais sobre inúmeras perspectivas e desmistificar tabus existentes sobre o assunto. O documentário está estruturado em 3 blocos: psicologia - filosofia - direito. 


FONTE: 
 Julia Balthazar 

.
.

Porta dos Fundos


UNBOXING


.
.
7-SISTEMA NERVOSO
7.1-O CÉREBRO
7.1.2- Divisão anatómica- Telencéfalo
Núcleos da base, área do cérebro



* Uma interessante série produzida para auxiliar alunos da área de saúde mas também muito útil para quem quer que deseje aprender sobre esta matéria. Desfrute.


FONTE: Anatomia Fácil com Rogério Gozzi

.
.
ՏҼӀՏ ƓRⱭƲՏ ƊҼ ՏҼƤⱭRⱭƇ̧Ɑ̃Ơ


No 𝗡𝗲𝗿𝗱𝗼𝗹𝗼𝗴𝗶𝗮 𝗱𝗲 𝗵𝗼𝗷𝗲 𝗲𝗻𝘁𝗲𝗻𝗱𝗮 𝗼 𝗾𝘂𝗲 𝘀𝗮̃𝗼 𝗼𝘀 𝘀𝗲𝗶𝘀 𝗰𝗼𝗻𝘁𝗮𝘁𝗼𝘀 𝗱𝗲 𝗱𝗶𝘀𝘁𝗮̂𝗻𝗰𝗶𝗮, 𝗲 𝗰𝗼𝗺𝗼 𝗿𝗲𝗱𝗲𝘀 𝘀𝗼𝗰𝗶𝗮𝗶𝘀 𝗮𝗽𝗿𝗼𝘅𝗶𝗺𝗮𝗺 𝗼 𝗺𝘂𝗻𝗱𝗼. 𝗔 𝗾𝘂𝗮𝗻𝘁𝗼𝘀 𝗰𝗼𝗻𝘁𝗮𝘁𝗼𝘀 𝗱𝗲 𝗱𝗶𝘀𝘁𝗮̂𝗻𝗰𝗶𝗮 𝘀𝗲𝗿𝗮́ 𝗾𝘂𝗲 𝘃𝗼𝗰𝗲̂ 𝗲𝘀𝘁𝗮́ 𝗱𝗮 𝗦𝗮𝘀𝗵𝗮 𝗚𝗿𝗲𝘆?

FONTE:  Nerdologia 
.

PATRÍCIA CALCA

.






De repente somos todos populistas?

Ser democrata coloca desafios como ter de garantir que os direitos de quem o não é são respeitados. Mas isso não quer dizer que se pactue com essas lógicas, há que as denunciar.

Que os “novos” populismos parecem abraçar a Europa (e o mundo) não é novidade. Que muitos de nós resolveram ajudar a institucionalizar alguns destes movimentos, ou seja, votaram neles e com isto garantiram aos seus representantes mandatos políticos, também não é novidade. Agora, acreditar que a maior parte de nós se tornou populista já é outra história.

Pessoalmente, não acredito. O estudo científico deste fenómeno mostra que o mesmo não é nem simples nem pode ser simplificado. Além disso, quem no dia-a-dia nos traz essa informação para casa, quer jornalistas, quer analistas políticos, não pode nem deve, acredito eu, fazê-lo de forma leviana.

Com todas as cenas que tiveram lugar à entrada do nosso Parlamento e que assistimos recentemente, não esclarecer a misturada do que para ali vai é um grande erro. Até porque houve alguns esclarecimentos das associações sindicais, que evidenciaram uma posição contra a partidarização da manifestação das forças de segurança. Na verdade, vários partidos manifestaram solidariedade para com essa causa.

Então, porque é que se “dá” o palanque a um membro de um partido? Acredito que foi um erro e não um alinhamento geral. Se assim não for, se não acreditar nisso, não poderei andar muito confiante pelas ruas do nosso país. Mas esta minha convicção não é uma negação optimista e favorável aos partidos não populistas. É uma convicção baseada nos números das últimas eleições.

Claro que me podem falar dos resultados das mais recentes sondagens, etc., mas para um Estado de Direito onde a representação democrática vigora, o que conta não são as intenções de voto, mas os votos nas urnas em eleições legais, justas e, portanto, democráticas.

Em todo o caso, não quero perder muito tempo com estes exemplos, embora os considere necessários já que é a partir deles que muita gente resolve generalizar e, com isso, verdade seja dita, arrastar alguns de nós a acreditar que esta é a “onda”. Aliás, esta ideia ganhou avanço há algumas décadas, e os resultados não foram nada positivos.

Quero frisar de novo que aquilo que me interessa é mesmo referir que, em particular com a crise económica de 2008, muitos países (muitos deles na Europa) assistiram ao aparecimento de novos partidos, muitos dos quais são essencialmente motivados pela conjuntura económica que se vivia na altura.

Desde então, produziu-se abundante literatura académica que compara esta ligação, ou seja, a crise económica e o surgimento de novos partidos mais extremistas. Mas ainda temos muitas dúvidas da direcção causal que se nos apresenta. Parece existir uma clara ligação entre o que é um agravar das condições de vida de uma população, o agudizar de posições diferenciadas entre grupos, quase num clima de sobrevivência e luta por recursos, onde existe o “nós” e o “eles”, e a propagação de ideias populistas, muitas vezes já existentes em partes da população.

Esta predisposição parece ser essencial quando as situações se tornam adversas. E é talvez por isso que, a bem da Democracia, tenhamos de continuar a esclarecer o que certas políticas imaginadas querem dizer em termos de consequências. Essa confrontação entre as ilusões e as verdades prospectivas, espero eu, irá demover alguns dos seduzidos por lógicas no mínimo falaciosas. Mas não nos devemos esquecer deles, dos que não se deixarem demover.

Ser democrata coloca desafios como estes, i.e., termos de garantir que os direitos de quem o não é são respeitados. Mas isso não quer dizer que se pactue com essas lógicas, há que as denunciar. Para tristeza de alguns, e regozijo de outros tantos (muitos mais, sei que sim), ainda não somos todos populistas, e estamos aqui.

* Politóloga, ISCTE-IUL

IN  "O JORNAL ECONÓMICO"
25/11/19

.
.


2108.UNIÃO



EUROPEIA




.
.

𝒫𝒪𝑅 𝒬𝒰𝐸 𝒪𝒮 𝒥𝒰𝒟𝐸𝒰𝒮 
𝒩𝒜̃𝒪 𝒜𝒞𝑅𝐸𝒟𝐼𝒯𝒜𝑀 𝐸𝑀 𝒥𝐸𝒮𝒰𝒮?




FONTE:  Fatos Desconhecidos

.

XLV-VIDA SELVAGEM
3- O CANGURU
O MAMÍFERO SALTITANTE



FONTE:    JessicaDutra   


.
.
VIDEOS DE SEMPRE

Camané e Dead Combo

Inquietação


.
.


25-UM POEMA POR SEMANA


MARIA AZENHA

PEDIR É TÃO LONGE,
AMAR É TÃO PERTO



dito por


MARIA AZENHA


.
.
ᖇᕮᖴᒪᕮ᙭ÕᕮS
3-PROTECÇÃO DE DADOS 
 𝓟𝓻𝓸𝓯𝓮𝓼𝓼𝓸𝓻 𝓨𝓾𝓿𝓪𝓵 𝓝𝓸𝓪𝓱 𝓗𝓪𝓻𝓪𝓻𝓲



* No Roda Viva, Daniela Lima recebe o israelita Yuval Harari, professor de História da Universidade Hebraica de Jerusalém. PHD pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, ele é autor de 'Sapiens', uma breve história da humanidade, 'Homodeus' e '21 lições para o século 21', que venderam mais de 20 milhões de exemplares em todo o mundo. Em suas obras, nas palestras e entrevistas, Harari trata de questões actuais, como: a humanidade, como a conhecemos, vai desaparecer? O homem está tentando assumir o papel de Deus? Estamos ameaçados pelo surgimento de ditaduras digitais, que seguem as pessoas o tempo todo?


FONTE:   Roda Viva

.
.
𝙰 𝚚𝚞𝚊𝚕𝚒𝚍𝚊𝚍𝚎 𝚍𝚎 𝚟𝚒𝚍𝚊 𝚍𝚊𝚜 𝚌𝚒𝚍𝚊𝚍𝚎𝚜 𝚍𝚘 𝚏𝚞𝚝𝚞𝚛𝚘




FONTE:  euronews

.
.
ANGOLA
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA



FONTE:  Record TV Africa
.
.
NA COZINHA/80
33-RECEITA ILUSTRADA




.
.

2173
Senso d'hoje
MIGUEL SOUSA TAVARES
JURISTA
ANALISTA POLÍTICO
Joacine tem mais pose que substância




FONTE:  TVI24

.
.
A GRACINHA
QUE NÓS SOMOS






.
.

BOM DIA


.
.

20-TEATRO
FORA "D'ORAS"
𝑉𝐼-𝑈𝑚 𝑝𝑜𝑟𝑡𝑜 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑚𝑢𝑛𝑑𝑜


𝑆𝐼𝑁𝑂𝑃𝑆𝐸

𝐶𝘩𝑎𝑚𝑎𝑚 “𝑉𝑖𝑙𝑎 𝑑𝑜 𝐶𝑜𝑛𝑑𝑒 — 𝑈𝑚 𝑃𝑜𝑟𝑡𝑜 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑀𝑢𝑛𝑑𝑜” 𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑗𝑒𝑐𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝑝𝑟𝑒𝑠𝑒𝑟𝑣𝑎𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑑𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡𝑟𝑢𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑛𝑎𝑣𝑎𝑙 𝑒𝑚 𝑚𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑥𝑝𝑙𝑜𝑟𝑎 𝑢𝑚𝑎 𝑡𝑟𝑎𝑑𝑖𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑞𝑢𝑒, 𝑛𝑎 𝑓𝑜𝑧 𝑑𝑜 𝐴𝑣𝑒, 𝑡𝑒𝑚 𝑠𝑒́𝑐𝑢𝑙𝑜𝑠, 𝑒 𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑎́ 𝑏𝑒𝑚 𝑑𝑒𝑚𝑜𝑛𝑠𝑡𝑟𝑎𝑑𝑎 𝑛𝑎 𝑛𝑎𝑢, 𝑓𝑢𝑛𝑑𝑒𝑎𝑑𝑎 𝑗𝑢𝑛𝑡𝑜 𝑎̀ 𝐴𝑙𝑓𝑎𝑛𝑑𝑒𝑔𝑎 𝑅𝑒́𝑔𝑖𝑎.
𝐸𝑥𝑒𝑚𝑝𝑙𝑜, 𝑎𝑞𝑢𝑖 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡𝑟𝑢𝑖́𝑑𝑜 𝘩𝑎́ 𝑑𝑢𝑎𝑠 𝑑𝑒́𝑐𝑎𝑑𝑎𝑠, 𝑑𝑎𝑠 𝑚𝑢𝑖𝑡𝑎𝑠 𝑞𝑢𝑒 𝑠𝑎𝑖́𝑟𝑎𝑚 𝑑𝑒𝑠𝑡𝑒 𝑝𝑜𝑟𝑡𝑜 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑎𝑠 𝑠𝑒𝑡𝑒 𝑝𝑎𝑟𝑡𝑖𝑑𝑎𝑠 𝑑𝑜 𝑚𝑢𝑛𝑑𝑜.

𝐸𝑛𝑡𝑟𝑒 𝑎𝑠 𝑣𝑎́𝑟𝑖𝑎𝑠 𝑒𝑡𝑎𝑝𝑎𝑠 𝑑𝑎 𝑣𝑖𝑎𝑔𝑒𝑚 𝑎 𝑞𝑢𝑒 𝑜 𝑔𝑟𝑢𝑝𝑜 𝑑𝑒 𝑡𝑟𝑎𝑏𝑎𝑙𝘩𝑜 𝑐𝑟𝑖𝑎𝑑𝑜 𝑠𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑝𝑜̃𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑎̃𝑜 𝑎 𝑟𝑒𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑑𝑒 𝑢𝑚 𝑐𝑜𝑛𝑔𝑟𝑒𝑠𝑠𝑜 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙 𝑠𝑜𝑏𝑟𝑒 𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡𝑟𝑢𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑛𝑎𝑣𝑎𝑙 𝑒 𝑜 𝑜 𝑎𝑢𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑑𝑎 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑐𝑖𝑒𝑛𝑡𝑖́𝑓𝑖𝑐𝑎 𝑠𝑜𝑏𝑟𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑒 𝑡𝑒𝑚𝑎.

𝑀𝑎𝑠, 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑗𝑎́, 𝑜 “𝑎𝑛𝑜 𝑧𝑒𝑟𝑜”(2015), 𝑐𝑜𝑚𝑒𝑐̧𝑎 𝑐𝑜𝑚 𝑢𝑚𝑎 𝑒𝑥𝑝𝑒𝑟𝑖𝑒̂𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑒 𝑡𝑒𝑎𝑡𝑟𝑜 𝑐𝑜𝑚𝑢𝑛𝑖𝑡𝑎́𝑟𝑖𝑜, 𝑜𝑛𝑑𝑒 𝟤𝟧𝟢 𝑝𝑟𝑜𝑓𝑖𝑠𝑠𝑖𝑜𝑛𝑎𝑖𝑠 𝑒 𝑎𝑚𝑎𝑑𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑝𝑟𝑒𝑡𝑒𝑛𝑑𝑒𝑚 𝑚𝑎𝑛𝑡𝑒𝑟 𝑣𝑖𝑣𝑎 𝑛𝑎 𝑚𝑒𝑚𝑜́𝑟𝑖𝑎 𝑙𝑜𝑐𝑎𝑙 𝑒𝑠𝑡𝑎 𝑚𝑎𝑟𝑐𝑎 𝑑𝑎 𝑖𝑑𝑒𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑣𝑖𝑙𝑎𝑐𝑜𝑛𝑑𝑒𝑛𝑠𝑒.

𝑂 𝑚𝑢𝑛𝑖𝑐𝑖́𝑝𝑖𝑜 𝑒𝑠𝑡𝑎́ 𝑎𝑝𝑜𝑠𝑡𝑎𝑑𝑜 𝑒𝑚 𝑖𝑛𝑠𝑐𝑟𝑒𝑣𝑒𝑟 𝑒𝑠𝑡𝑎𝑠 𝑡𝑟𝑎𝑑𝑖𝑐̧𝑜̃𝑒𝑠 𝑛𝑜 𝑖𝑛𝑣𝑒𝑛𝑡𝑎́𝑟𝑖𝑜 𝑛𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙 𝑒, 𝑎 𝑠𝑒𝑔𝑢𝑖𝑟, 𝑛𝑜 𝑞𝑢𝑎𝑑𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝘩𝑜𝑛𝑟𝑎 𝑑𝑎 𝑈𝑁𝐸𝑆𝐶𝑂, 𝑒 𝑒𝑠𝑠𝑒 𝑐𝑎𝑚𝑖𝑛𝘩𝑜 𝑐𝑜𝑚𝑒𝑐̧𝑎 𝑢𝑛𝑖𝑛𝑑𝑜 𝑎 𝑝𝑜𝑝𝑢𝑙𝑎𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑛𝑢𝑚𝑎 𝑟𝑒𝑝𝑟𝑒𝑠𝑒𝑛𝑡𝑎𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑠𝑜𝑏𝑟𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑒𝑠 𝑠𝑎𝑏𝑒𝑟𝑒𝑠.

𝑂 𝑒𝑠𝑝𝑒𝑐𝑡𝑎́𝑐𝑢𝑙𝑜 𝑓𝑎𝑧-𝑠𝑒 𝑑𝑒 “𝑓𝑎𝑙𝑎𝑠 𝑐𝑎𝑛𝑡𝑎𝑑𝑎𝑠”. 𝐸́ 𝑢𝑚 𝑚𝑢𝑠𝑖𝑐𝑎𝑙 𝑒𝑚 𝑞𝑢𝑒 𝑎𝑠 𝑠𝑎𝑟𝑑𝑖𝑛𝘩𝑎𝑠, 𝑜𝑠 𝑝𝑒𝑠𝑐𝑎𝑑𝑜𝑟𝑒𝑠, 𝑎 𝑣𝑒𝑙𝑎 𝑐𝑜𝑚 𝑎 𝐶𝑟𝑢𝑧 𝑑𝑎 𝑂𝑟𝑑𝑒𝑚 𝑑𝑒 𝐶𝑟𝑖𝑠𝑡𝑜 𝑒 𝑜𝑠 𝑚𝑎𝑠𝑡𝑟𝑜𝑠 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑜𝑟𝑟𝑒𝑚 𝑢𝑚𝑎 𝑜𝑑𝑒 𝑚𝑎𝑟𝑖́𝑡𝑖𝑚𝑎. 𝑁𝑎 𝑡𝑟𝑎𝑚𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑎́ 𝑎 𝑓𝑖𝑔𝑢𝑟𝑎 𝑑𝑒 𝐺𝑎𝑠𝑝𝑎𝑟 𝑀𝑎𝑛𝑢𝑒𝑙, 𝑐𝑎𝑣𝑎𝑙𝑒𝑖𝑟𝑜 𝑑𝑎 𝑂𝑟𝑑𝑒𝑚 𝑑𝑒 𝐶𝑟𝑖𝑠𝑡𝑜 𝑒 𝑝𝑖𝑙𝑜𝑡𝑜-𝑚𝑜𝑟 𝑑𝑎 𝑐𝑎𝑟𝑟𝑒𝑖𝑟𝑎 𝑑𝑎 𝐼́𝑛𝑑𝑖𝑎, 𝐶𝘩𝑖𝑛𝑎 𝑒 𝐽𝑎𝑝𝑎̃𝑜 𝑛𝑜𝑠 𝐷𝑒𝑠𝑐𝑜𝑏𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜𝑠.


FONTE:   Câmara Municipal de Vila do Conde