02/12/2019

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.


124-SUBTILEZAS

Dificuldade de aprender
com os próprios erros



RESUMO ANIMADO

Você tem facilidade em admitir os erros que comete? Veremos hoje um dos motivos pelos quais pode ser tão difícil assumir a responsabilidade quando vacila, e tão fácil se dar o crédito quando tem sucesso.

FONTE:   Minutos Psíquicos
.
9-𝑳'𝑰𝑵𝑪𝑶𝑹𝑶𝑵𝑨𝒁𝑰𝑶𝑵𝑬 𝑫𝑰 𝑷𝑶𝑷𝑷𝑬𝑨 
Cʟᴀᴜᴅɪᴏ Mᴏɴᴛᴇᴠᴇʀᴅɪ


INTÉRPRETES
Davide Pozzi-Cembalo e Leitung 
Giuseppina Bridelli-Nerone 
Emanuela Galli-Poppea 
Xenia Mejer-Ottavia 
Filippo Mineccia-Ottone 
Salvo Vitale-Seneca 
Luca Dordolo-Lucano 
Alberto Allegrezza-Arnalta 
Alessio Tosi-Nutrice 
Vittoria Giacobazzi Virtù-Damigella 
Lucia Cortese-Amore e Valletto 
Riccardo Pisani-Soldato e Liberto 
Silvia Rosati-Fortuna e Drusilla 
Sophia Patsi-Cori 
Massimo Altieri-Soldato coro familiari 
Davide Benetti-Mercurio e Littore 


SINOPSE
L'Incoronazione di Poppea, de Monteverdi, trata de um caso de amor para além de todas as regras morais e sociais: o imperador Nero, um fraco, viola a esposa para elogiar a amante calculista, Poppea Empress; a imperatriz traída incita o marido traído de Poppea a assassinar a mulher infiel.

Esta ópera não é sobre amor, mas sobre ambição, gratificação submissa, falta de escrúpulos. 

Com um cinismo incomparável na história da ópera, o libretista Francesco Busenello repudiou todos os personagens. E assim a conclusão da ópera não pode ser chamada senão a apoteose do sarcasmo: os adúlteros em triunfo no trono romano; o garoto assassino e seu novo companheiro alegremente unidos; o autor da tentativa de assassinato pingando de autopiedade. Monteverdi foi mais gracioso: a música devolveu dignidade aos papéis traçados com grotesca decadência romana tardia e permitiu vislumbrar  sentimentos ocultos,  esperanças e medos.

Atenção: esta ópera é uma obra extensa muitíssimo bonita e com excelentes cantores, à medida que os vídeos forem editados aconselhamos a rever pelo menos parte do anterior.


FONTE:  SWR Classic

.
.
HOJE  NO 
"JORNAL DE NOTÍCIAS"
Pais adotivos são sete vezes mais do
 que as crianças disponíveis para adotar

Juízes encaminharam menos 36% de crianças para adoção durante o ano passado. Tempo de espera para os futuros pais é superior a cinco anos.

São 1919 os candidatos a pais adotivos em Portugal, segundo números de 2018 do Conselho Nacional para a Adoção (CNA). Estes candidatos são sete vezes mais do que o número de crianças que se encontram em situação de adotabilidade: 273.
 .
Esta diferença, segundo o relatório do CNA, explica a demora na conclusão dos processo adotivos. Em média, no curso do ano passado, mais de metade das famílias (54%) que receberam crianças tiveram de esperar cinco ou seis anos desde que foi iniciado o processo legal da candidatura.

Daqueles 1919 candidatos, segundo dados consultados pelo jornal "Público", 71% pretendiam adotar bebés com idades até aos três anos, que correspondem apenas a 20% das crianças que aguardam adoção. Em 2018, as crianças com sete anos ou mais estava em maioria (65%), mas estas foram procuradas por apenas 5% dos candidatos.

A percentagem é ligeiramente inferior à dos futuros pais que desejavam grupos de irmãos (9%), mas, ainda assim, é superior à dos que ponderavam adotar crianças com problemas de saúde graves (0,3%) ou que sejam portadoras de deficiência (0,5%).

Enquanto isso, o número de crianças que os tribunais enviaram para adoção caiu 36% no espaço de um ano, acentuando a tendência dos últimos anos. Em 2017, o número de menores nesta situação era 318 e, em 2018 desceu para 273. Estes números estão reportados no relatório do CNA referente ao ano passado.

Outro dado relevante: as crianças mais velhas ou que têm algum problema de saúde, e que seriam por essas razões mais dificilmente integradas, estão a aumentar.

* Não são apenas os futuros pais que esperam 5 anos, as crianças também e devia ser crime o exagero de tempo que passam institucionalizadas. Também sabemos que há pais que "devolvem" crianças às instituições, deviam ser presos.

.
.

MINUTOS DE
CIÊNCIA/257

Como Calcular 
ADIÇÃO DE FRAÇÕES SEM MMC?





FONTE: Matemática Rio com Prof. Rafael Procopio


.
.
HOJE  NO 
"O JORNAL DE NEGÓCIOS"
Os temas quentes da primeira audição de Lagarde: a revisão estratégica e a emergência climática

A audição era sobre política monetária, mas o foco esteve nas alterações climáticas. Lagarde não quis comprometer-se, mas nas entrelinhas deixou pistas sobre o que gostaria de ver o BCE fazer no futuro.

Numa audição de duas horas e meia, Christine Lagarde respondeu pela primeira vez às questões dos eurodeputados enquanto presidente do Banco Central Europeu (BCE). Um mês após ter tomado posse, a francesa assumiu formalmente a revisão da estratégia, mas sem se comprometer com mudanças, acalmando as expectativas sobre o que poderá fazer na frente climática.
 .
Revisão da estratégia: muito a discutir, ainda muito por concluir
No centro da discussão da política monetária atual está a revisão da estratégia que será feita "em breve" e que levará a discussão as ferramentas e os pressupostos com que o BCE atua desde 2003. Neste tema a presidente do BCE explorou as várias possibilidades que vão ser discutidas, mas garantiu que não há decisões dado que a palavra final cabe ao coletivo do Conselho do BCE.


Em resposta aos eurodeputados, Lagarde afirmou que quer atingir o objetivo atual de uma inflação próxima, mas abaixo de 2% "o mais rapidamente possível", mas admitiu que era imprudente fazer previsões a oito anos para saber se o iria alcançar durante o seu mandato. "O objetivo é esse atualmente, mas pode ser diferente quando a revisão da estratégia estiver completa", disse, sugerindo que poderá mudar dado que os tratados europeus deixam em aberto a concretização da expressão "estabilidade de preços".

Um dos pontos que vai ser debatido dentro do BCE, tal como acontece na Reserva Federal norte-americana, é a simetria do objetivo, isto é, a possibilidade de a inflação ficar acima da meta durante algum tempo para compensar o período em que esteve abaixo do objetivo. O ex-presidente do BCE, Mario Draghi, já tinha referido a importância da simetria e Lagarde reiterou-a. "Todas as opções têm de ser analisadas", disse, assinalando que o objetivo de inflação pode vir a assumir várias tonalidades.

Contudo, as notícias até ao momento sugerem que existem divergências entre os governadores sobre o rumo que o banco central deve tomar, o que também ficou visível na reunião de setembro quando foi adotado um novo pacote de estímulos para a Zona Euro. "Teremos de lidar com as divergências", admitiu Lagarde, referindo que o ideal seria mostrar união mas que a diferença de opiniões é normal nos bancos centrais.

Emergência climática: não é o foco, mas é uma preocupação
Foi o tema que mais captou a atenção dos eurodeputados, após a presidente do BCE ter mostrado essa preocupação em setembro na audição enquanto nomeada para o cargo. Mas estes não conseguiram mais do que vontades por parte de Lagarde que, para já, não pode assumir compromissos sobre o que é que o banco central vai fazer neste âmbito. "A palavra final não é minha... as propostas terão de ser debatidas", ressalvou.

"O mandato número um do BCE não será a luta contra as alterações climáticas", explicou, argumentando que esse será um elemento a ter em conta na revisão da estratégia mas que não poderá ser central. Apesar de não se comprometer, a presidente do BCE deu exemplo: as alterações climáticas devem estar incluídas na análise macroeconómica (nos modelos padrão que são utilizados para fazer previsões), na avaliação feita pela supervisão bancária aos ativos dos bancos e também no programa de compras do BCE.

"Espero sinceramente que como parte da nossa revisão, seja possível - se o Conselho do BCE concordar - incluir as alterações climáticas de forma a determinar como é que o BCE pode ter um papel [nessa área]", disse a francesa, assumindo que é "vital" que se conclua a discussão internacional sobre a taxonomia no setor financeiro para que seja possível catalogar os instrumentos financeiros de mais ou menos verdes.

Política orçamental é necessária
É outro dos temas que marcou o final do mandato de Mario Draghi e que se manteve na agenda no início do atual mandato. A política orçamental tinha sido o alvo de um dos primeiros discursos de Christine Lagarde enquanto presidente: "O investimento é uma parte importante da resposta aos desafios atuais porque é ao mesmo tempo a procura de hoje e a oferta de amanhã", disse há duas semanas em Frankfurt.

Hoje, perante as questões dos eurodeputados, a presidente do BCE reiterou que a eficácia da política monetária "seria maior" se outras políticas macroeconómicas, como a política orçamental através de um maior investimento público, também viessem a jogo. Para Lagarde "o BCE não pode ter um papel chave no investimento a não ser proporcionando custos atrativos de financiamento, encorajando o investimento em inovação, investigação & desenvolvimento (I&D), o que irá melhorar a produtividade".

Além disso, questionada sobre a iniciativa do novo instrumento orçamental para a convergência e a competitividade (BICC, na singla em inglês), a francesa enfatizou a sua importância, mas manteve a linha do seu antecessor: é preciso uma capacidade orçamental ao nível da União Económica e Monetária, como existe noutras uniões monetárias, que tenha uma função de estabilização macroeconómica. 


O futuro do dinheiro
Com as criptomoedas, as stablecoins e novos métodos de pagamentos a surgir pela mão de novos agentes económicos - onde o exemplo principal é a iniciativa liderada pelo Facebook (libra) -, a audição da presidente do BCE também passou por este tema. Em suma, celebrou-se a inovação nesta área, mas acautelou-se os riscos.

"Temos de mudar devagar" nesta área, avisou Lagarde, "consciente dos riscos" que um novo paradigma poderá causar na transmissão da política monetária e no funcionamento do sistema internacional. Exemplo disso é a possível criação de uma moeda digital por parte dos bancos centrais, algo que já está a ser estudado, por exemplo, na Suécia. "A questão sobre as moedas digitais dos bancos centrais e o seu design ótimo ainda precisa de mais análise", vincou.

Igualdade de género
Um tema muito caro à presidente do BCE foi introduzido pelos eurodeputados que referiram a imagem de um retiro informal do conselho do BCE em que Christine Lagarde aparece como a única mulher num coletivo de 25 pessoas - uma situação que deverá mudar em breve quando Isabel Schnabel for confirmada para a comissão executiva. "Não é uma representação razoável da nossa sociedade", notou Lagarde, ressalvando que tem bastante apreço por todos os seus colegas masculinos.

Contudo, a presidente do BCE admitiu que essa questão vai além da sua capacidade de decisão uma vez que são os Estados-membros quem escolhe os membros executivos do BCE e os governadores dos bancos centrais nacionais. "Talvez vocês aqui possam ter um papel nisso", sugeriu aos eurodeputados, referindo até que "teria todo o prazer em dar alguns nomes". "Acho que estou a dizer coisas que não são politicamente corretas, mas estou a falar sentidamente", concluiu.

* Tornou-se numa competente demagoga.

.


XLI - MEGA MÁQUINAS

LOCOMOTIVAS A DIESEL
3-DESENVOLVIMENTOS



O título da rubrica MEGA MÁQUINAS não se conforma apenas com as enormes dimensões de algumas que temos exibido, abrange todas as que têm MEGA INFLUÊNCIA nas nossas vidas.

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


FONTE: Canal Decapod
   
.
.
ONTEM  NO 
"AÇORIANO ORIENTAL"
Açores estão melhor preparados
 para enfrentar crise sísmica, 
diz Governo Regional

O diretor regional das Obras Públicas e Comunicações, Frederico Furtado Sousa, afirmou este domingo que os Açores estão agora melhor preparados para "enfrentar" uma crise sísmica intensa, devido a uma "cultura de prevenção" e da implementação de "boas práticas".

"Uma questão de cultura de prevenção, de procura de boas práticas, não só na gestão do território, mas acima de tudo, também, na melhoria da edificação. Por essa razão mesmo é que estou convicto que os Açores, no seu todo, autarquias, empresas e governo regional, já estão mais bem preparados para enfrentar uma crise sísmica", afirmou o governante à agência Lusa.

O responsável participou no sábado numa sessão intitulada "O que fazer perante a próxima crise sísmica nos Açores?", promovida pela ordem dos Engenheiros Técnicos, numa altura em que a zona do Faial vive uma crise sísmica, embora com fenómenos de pequena dimensão.

O diretor das Obras Públicas do Governo dos Açores destacou à Lusa que, após os sismos de 1980 (que destruiu Angra do Heroísmo, na Terceira, e provocou 73 mortos) e 1998 (que causou nove mortes na Horta, no Faial) a região muniu-se de capacidade "técnica" e "operacional", através do serviço regional de proteção civil e do laboratório de engenharia civil.

Frederico Furtado Sousa avançou que o Governo Regional pretende criar em 2020 uma bolsa para técnicos, que permita a "avaliação de infraestruturas" e das "condições de segurança" dos edificados, não só em caso de prevenção, como para permitir uma atuação "mais ágil no terreno" aquando de uma crise sísmica intensa.

O diretor regional das Obras Públicas e Comunicações assinalou que em 2020 será aplicado, em todo o país, um sistema de avisos por SMS, em caso de potenciais desastres naturais, projeto coordenado pela ANACOM com a colaboração da direção regional.
  .
"O objetivo do sistema de aviso por SMS é poder conseguir atingir o maior número de pessoas, porque uma grande percentagem da população tem telemóvel, e sem necessidade e de estar ligado a uma rede de dados ou a uma aplicação em concreto", frisou.

O governante também considerou como uma "medida importante", a utilização da nova rede de cabos submarinos para a "deteção de sismos e tsunamis", frisando, contudo, que tal medida não depende exclusivamente o executivo açoriano.

"Na questão do aviso através da tecnologia dos cabos submarinos, tem sido estudado e vai ser alvo de um relatório a ser entregue ao governo da república na implementação dos cabos submarinos", apontou.

Desde 03 de novembro que está a ocorrer, numa zona entre os 25 e os 35 quilómetros a oeste do Faial, uma crise sísmica, que já registou mais de mil eventos, tendo a população sentido 33 sismos até ao momento.

Em declarações à Lusa na semana passada, o presidente do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores, Rui Marques, considerou que, tendo em conta as magnitudes dos sismos dessa crise sísmica, "não há possibilidade de haver danos estruturais nos edifícios".

* Se ocorrer um sismo forte e a "preparação" não surtir efeito logo haverá uma justificação cabal em conformidade com a dimensão da tragédia, a política é assim, sísmica e prevísivel.

.

CLÁUDIA ROCHA E SILVA

.







Ostomia, corpo e intimidade

A intimidade, o toque e o contacto sexual são das dimensões mais afectadas por uma ostomia. No entanto, raramente são colocadas aos profissionais questões relacionadas com o medo de um corpo não desejado, o receio do toque, da alteração da sensibilidade, da presença de dor ou de qualquer disfunção sexual manifestada.

A ostomia é uma intervenção cirúrgica que permite criar uma abertura artificial no corpo (estoma), com várias finalidades que vão desde a alimentação e a respiração, à eliminação de fezes, gases ou urina. Está associada a processos cirúrgicos por trauma ou doenças oncológicas para o tratamento do cancro da laringe, do cólon e recto, da bexiga, ou do colo do útero, sendo as mais comuns as traqueostomias, as colostomias, as ileostomias ou as urostomias.

Independentemente do tipo ou função da ostomia, esta confere uma mudança no corpo, uma alteração da forma como este se apresenta e é reconhecido ao espelho e como é percepcionado aos olhos do outro.

Gerir uma ostomia implica lidar obrigatoriamente com dispositivos médicos, garante do seu correcto funcionamento, da sua permeabilidade, da protecção da pele e dos tecidos vizinhos, bem como do conforto e da higiene local. Mas implica também desenvolver estratégias de controlo e de ocultação que permita um estar familiar, laboral, social e sexual com o mínimo de insegurança e de constrangimentos.

Lidar com a alteração da imagem corporal, a insegurança e a presença constante da ostomia é um desafio imposto a qualquer pessoa portadora da mesma, sendo de considerar que, frequentemente, tem um carácter definitivo e, quando realizada em fases precoces da vida, determina a necessidade de redefinir objectivos de vida a curto, médio e longo prazo.

A intimidade, o toque e o contacto sexual são das dimensões mais afectadas. No entanto, raramente são colocadas aos profissionais, de uma forma explícita ou directa, questões relacionadas com o medo de um corpo não desejado, o receio do toque, da alteração da sensibilidade, da presença de dor ou de qualquer disfunção sexual manifestada.

Actualmente, nos centros hospitalares de referência, existem consultas especializadas com enfermeiros de estomaterapia, que acompanham a pessoa durante todo o período tratamento, facilitando o processo de reabilitação e de adaptação à ostomia através do aconselhamento e promoção de estratégias de autocuidado e de reforço de confiança.

Compete à equipa de saúde que acompanha a pessoa com ostomia e, em especial, ao enfermeiro de estomaterapia trazer à luz do dia as inseguranças individuais, os sentimentos de desalento ou de baixa de auto-estima, incentivando a pessoa e o parceiro a expor e a partilhar as suas dificuldades, orientando-os na forma de explorar o corpo e desenvolver a capacidade de ser e estar consigo e com o outro.

Estratégias como manter os hábitos de intimidade, carinho e cumplicidade existentes antes da cirurgia são utilizadas para reforçar a confiança e potenciar uma saúde sexual para além da ostomia: substituir sempre que possível o dispositivo antes do contacto intimo e ocultá-lo, de forma a sentir-se mais confortável e confiante; controlar, se possível, o funcionamento da ostomia através de técnicas de treino intestinal ou de acessórios que atenuem o funcionamento da mesma; preparar e adaptar o espaço de forma a retirar o foco da ostomia, estimulando sensorialmente outras áreas do corpo.

A multiprofissionalidade das equipas de saúde, através de um cuidar atento nas diferentes dimensões da pessoa com ostomia, tem contribuído cada vez mais para a promoção da qualidade de vida da pessoa, sendo de valorizar a importância da abordagem da sexualidade por parte da mesma, dos parceiros e dos profissionais para a detecção precoce de limitações ou constrangimentos.

* Enfermeira e membro da Associação Portuguesa de Enfermeiros de Cuidados em Estomaterapia (APECE)

IN "PÚBLICO"
28/11/19

.
.


2110.UNIÃO



EUROPEIA




.
.
HOJE  NO 
"DESTAK"
Governo português considera
."inaceitável" proposta finlandesa
 do orçamento da UE - MNE

O Governo português considera "inaceitável" a proposta da presidência finlandesa para o Quadro Financeiro Plurianual (QFP) 2021-27, disse hoje à agência Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. 
 .
INDIGNADO Q.B.
Contactado pela Lusa, o ministro transmitiu a posição do Governo português sobre esta matéria, e sublinhou que esta proposta da presidência finlandesa "continua a não ser uma base de trabalho aceitável".

A proposta da presidência finlandesa para o QFP 2021-27, assenta numa contribuição nacional de 1,07% do rendimento nacional bruto (RNB) de cada Estado-membro, enquanto a da Comissão Europeia é de 1,11% RNB, e do Parlamento Europeu 1,3% RNB. 

* É para se defender destes imprevistos que Centeno cativa guito dos ministérios.

.
.
HOJE  NO 
"i"
Colégios privados em greve 
devido a salários em atraso

Os pagamentos estarão em atraso desde julho.

Cerca de 50 professores do ensino especial realizaram, esta segunda-feira, um protesto junto ao externato Alfred Binet, em Lisboa, para exigir os salários em atraso desde julho.
.
DEMAGOGIA DE QUALIDADE
O secretário-geral da Fenprof (Federação Nacional de Professores) marcou dois dias de greve para os professores de ensino especial, categoria onde os professores de quatro colégios dizem não receber qualquer salário desde o início do ano letivo. “Estes colégios são financiados pelo Estado por acolherem crianças e jovens que não têm condições para frequentar as escolas públicas dado o grau e complexidade dos seus problemas em termos de deficiência, e em que o Estado teria de transferir a verba para o funcionamento regular destes estabelecimentos", disse Mário Nogueira, acrescentando que a última transferência do Governo terá sido feita no mês de julho.

Mário Nogueira referiu ainda que o Ministério da Educação terá enviado para o Tribunal de contas, na semana passada, os documentos para que as transferências de verbas sejam autorizadas. O dirigente acrescenta, porém, que “não se pode enviar para o tribunal em meados de novembro algo que devia ter tido esse visto no mês de agosto”.

Citada pela agência Lusa, Maria Guimarães, docente do colégio Eduardo Claparéde, terá dito que “caso os problemas não se resolvam” as greves vão continuar. Os salário em atraso deverão, segundo a Associação de Estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo, ser pagos esta semana.

À Lusa, o Ministério da Educação referiu que “dos contratos existentes com os colégios, os pagamentos relativos a contratos sem necessidade de visto prévio do Tribunal de Contas (TdC) foram efetuados".

Neste greve terão estado presentes professores do Externato Alfred Biret, colégio Bola de Neve, colégio As Descobertas e colégio Eduardo Claparéde.

* Viva o ensino privado que não paga o ordenado.

.
.

Núbia um Reino Esquecido/3



  Documentários Online
.
.


6. Inesquecíveis Viagens
de Comboio

6.2-Passeio pela ROMÉNIA



* Estas viagens que desfrutaremos são também observação atenta às pessoas com que o viajante se cruza, problemas sociais, conformismo e também ilusões, vai perceber porque as viagens são inesquecíveis.


FONTE: DOCUMENTÁRIOS ptfelicitas

.
.
Michel William

“Billie Jean”


The Voice Portugal - Prova Cega

.
.
HOJE  NO 
"A BOLA"
Rosa Mota continua a ganhar aos 61 anos

Rosa Mota venceu este sábado, pelo segundo ano consecutivo, a mini-maratona de Macau.
 .
A atleta de 61 anos correu 5,2 km em 19.31 minutos, melhorando bastante a marca do ano passado: tirou 2.31 minutos ao tempo alcançado em 2018.

Joana Fonseca terminou a maratona na 14.ª posição. Na meia-maratona, Vítor Oliveira garantiu o 5.º posto e Carla Martinho terminou a prova pelo segundo ano consecutivo em 3.º lugar.

* Rosa Mota tem 61 anos de dignidade o que faz ter por ela um respeito enorme.
Como já escrevemos anteriormente pensamos que festejar qualquer coisa em território chinês é avalizar a ditadura chinesa, repudiamos.

.
.
.

Portugal bem português

V-História a História África/4
1-Norton de Matos em Angola



O moderno colonialismo começa com a corrida pela partilha de África entre os impérios e países coloniais europeus. Proibido o tráfico de escravos, tratava-se de ocupar militar e administrativamente os territórios e de os explorar economicamente em novos moldes. É o início do ciclo africano do Império. 

Com autoria do historiador Fernando Rosas, “História a História” regressa aos ecrãs, desta vez exclusivamente dedicada à história colonial portuguesa em África. “História a História África é uma revisitação do colonialismo moderno português desde finais do séc. XIX até 1975, que contempla as políticas coloniais dos vários regimes deste período – Monarquia Constitucional, República, Estado Novo – das resistências a elas e dos seus desenlaces. 

O programa é baseado numa investigação feita em arquivos documentais e audiovisuais e vem inserir-se no debate em curso sobre as políticas coloniais portuguesas no mundo da sua época”, conta o Prof. Fernando Rosas. Filmada em Angola, Moçambique, Cabo-Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Portugal, “História a História África” começa nas guerras de ocupação e nas “campanhas de pacificação”, no século XIX, e atravessa diversas dimensões da história imperial portuguesa: as políticas coloniais da Primeira República e do Estado Novo; os projetos de povoamento branco; as diferentes formas de exploração da mão-de-obra nativa e as políticas segregacionistas; as atrocidades cometidas pela PIDE nos territórios africanos; a manutenção da escravatura; os massacres não reconhecidos oficialmente; a origem dos movimentos de libertação; as grandes obras do império em Moçambique e Angola; a Guerra Colonial; a organização das lutas armadas; a insurreição dos colonos; o retorno. 

Pela mão do historiador Fernando Rosas visitam-se os espaços mais simbólicos e marcantes da história do antigo Império Português. Uma oportunidade única para ficar a conhecer alguns dos episódios da nossa história comum, como nunca antes foi contada. “História a História: África” é o resultado de dois anos de trabalho de investigação própria, recolha de materiais iconográficos e documentais, escrita dos guiões e gravações em África. 
Ao longo de 13 episódios serão abordados temas inéditos em televisão e mostrados locais de difícil acesso.

Um excelente trabalho de investigação  do Prof. FERNANDO ROSAS e uma extraordinária equipa da RTP para a execução desta série.


* Esta é uma compilação de séries pelo  nosso país não apenas pelas perspectivas histórica ou social mas pela recolha de vídeos interessantes de várias origens, actividades e sensibilidades, com diferentíssimos temas que reflectem o nosso quotidiano de modo plural.
Desejamos muito que seja do vosso agrado.


FONTE: Lusotropical

.. . .
.

O maior ferry elétrico do mundo
em teste na Dinamarca



FONTE:  euronews 

.
.
𝒟𝑒𝓋𝑜 𝓋𝑒𝓈𝓉𝒾𝓇 𝓇𝑜𝓊𝓅𝒶 𝒶𝑜 𝓂𝑒𝓊 𝒸𝒶̃𝑜?



* No programa «A Tarde é Sua», Catarina Luz esclarece esta dúvida que muitos donos têm, e vemos alguns exemplos de roupas e adereços para os nossos amigos de quatro patas.


.
.

𝔖𝔞𝔟𝔢 𝔭𝔬𝔯𝔮𝔲𝔢 𝔢́ 𝔮𝔲𝔢 𝔯𝔢𝔠𝔦𝔠𝔩𝔞𝔯
𝔢́ 𝔪𝔢𝔰𝔪𝔬 𝔦𝔪𝔭𝔬𝔯𝔱𝔞𝔫𝔱𝔢?




FONTE:  Observador

.
.
202-NO GINÁSIO
Treino de 8 minutos
para pernas e glúteos




COM PROFESSORA BIA

UM AVISO SÉRIO:
Quem deseje acompanhar estes exercícios mais exigentes deve ter compleição física adequada, não pretenda ser o Tarzan ou a Jane, não está no cinema.

A Bia ou qualquer pessoa associada ao Home Fit Home não se responsabilizará por lesões ou qualquer dano sofrido após a realização dos treinos exibidos pelo Home Fit Home. Procure assistência médica antes de começar qualquer programa de exercício.



FONTE:  Home Fit Home 

.
.


2175
Senso d'hoje
LINDA RIKA NAITO
INVESTIGADORA JAPONESA
PROFESSORA UNIVERSITÁRIA
DEPARTAMENTO DE ESTUDOS LUSO-BRASILEIROS-TÓQUIO
A PAIXÃO PELA LÍNGUA PORTUGUESA



FONTE:  TDM Canal Macau

.

NOTÍCIAS PARA HOJE

.
COMPRE JORNAIS








.
.

NEVE, BOA!



.
.

BOM DIA


.
.

20-TEATRO
FORA "D'ORAS"
𝑉𝐼𝐼𝐼-𝑈𝑚 𝑝𝑜𝑟𝑡𝑜 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑚𝑢𝑛𝑑𝑜



𝑆𝐼𝑁𝑂𝑃𝑆𝐸

𝐶𝘩𝑎𝑚𝑎𝑚 “𝑉𝑖𝑙𝑎 𝑑𝑜 𝐶𝑜𝑛𝑑𝑒 — 𝑈𝑚 𝑃𝑜𝑟𝑡𝑜 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑀𝑢𝑛𝑑𝑜” 𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑗𝑒𝑐𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝑝𝑟𝑒𝑠𝑒𝑟𝑣𝑎𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑑𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡𝑟𝑢𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑛𝑎𝑣𝑎𝑙 𝑒𝑚 𝑚𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑥𝑝𝑙𝑜𝑟𝑎 𝑢𝑚𝑎 𝑡𝑟𝑎𝑑𝑖𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑞𝑢𝑒, 𝑛𝑎 𝑓𝑜𝑧 𝑑𝑜 𝐴𝑣𝑒, 𝑡𝑒𝑚 𝑠𝑒́𝑐𝑢𝑙𝑜𝑠, 𝑒 𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑎́ 𝑏𝑒𝑚 𝑑𝑒𝑚𝑜𝑛𝑠𝑡𝑟𝑎𝑑𝑎 𝑛𝑎 𝑛𝑎𝑢, 𝑓𝑢𝑛𝑑𝑒𝑎𝑑𝑎 𝑗𝑢𝑛𝑡𝑜 𝑎̀ 𝐴𝑙𝑓𝑎𝑛𝑑𝑒𝑔𝑎 𝑅𝑒́𝑔𝑖𝑎.
𝐸𝑥𝑒𝑚𝑝𝑙𝑜, 𝑎𝑞𝑢𝑖 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡𝑟𝑢𝑖́𝑑𝑜 𝘩𝑎́ 𝑑𝑢𝑎𝑠 𝑑𝑒́𝑐𝑎𝑑𝑎𝑠, 𝑑𝑎𝑠 𝑚𝑢𝑖𝑡𝑎𝑠 𝑞𝑢𝑒 𝑠𝑎𝑖́𝑟𝑎𝑚 𝑑𝑒𝑠𝑡𝑒 𝑝𝑜𝑟𝑡𝑜 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑎𝑠 𝑠𝑒𝑡𝑒 𝑝𝑎𝑟𝑡𝑖𝑑𝑎𝑠 𝑑𝑜 𝑚𝑢𝑛𝑑𝑜.

𝐸𝑛𝑡𝑟𝑒 𝑎𝑠 𝑣𝑎́𝑟𝑖𝑎𝑠 𝑒𝑡𝑎𝑝𝑎𝑠 𝑑𝑎 𝑣𝑖𝑎𝑔𝑒𝑚 𝑎 𝑞𝑢𝑒 𝑜 𝑔𝑟𝑢𝑝𝑜 𝑑𝑒 𝑡𝑟𝑎𝑏𝑎𝑙𝘩𝑜 𝑐𝑟𝑖𝑎𝑑𝑜 𝑠𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑝𝑜̃𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑎̃𝑜 𝑎 𝑟𝑒𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑑𝑒 𝑢𝑚 𝑐𝑜𝑛𝑔𝑟𝑒𝑠𝑠𝑜 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙 𝑠𝑜𝑏𝑟𝑒 𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡𝑟𝑢𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑛𝑎𝑣𝑎𝑙 𝑒 𝑜 𝑜 𝑎𝑢𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑑𝑎 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑐𝑖𝑒𝑛𝑡𝑖́𝑓𝑖𝑐𝑎 𝑠𝑜𝑏𝑟𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑒 𝑡𝑒𝑚𝑎.

𝑀𝑎𝑠, 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑗𝑎́, 𝑜 “𝑎𝑛𝑜 𝑧𝑒𝑟𝑜”(2015), 𝑐𝑜𝑚𝑒𝑐̧𝑎 𝑐𝑜𝑚 𝑢𝑚𝑎 𝑒𝑥𝑝𝑒𝑟𝑖𝑒̂𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑒 𝑡𝑒𝑎𝑡𝑟𝑜 𝑐𝑜𝑚𝑢𝑛𝑖𝑡𝑎́𝑟𝑖𝑜, 𝑜𝑛𝑑𝑒 𝟤𝟧𝟢 𝑝𝑟𝑜𝑓𝑖𝑠𝑠𝑖𝑜𝑛𝑎𝑖𝑠 𝑒 𝑎𝑚𝑎𝑑𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑝𝑟𝑒𝑡𝑒𝑛𝑑𝑒𝑚 𝑚𝑎𝑛𝑡𝑒𝑟 𝑣𝑖𝑣𝑎 𝑛𝑎 𝑚𝑒𝑚𝑜́𝑟𝑖𝑎 𝑙𝑜𝑐𝑎𝑙 𝑒𝑠𝑡𝑎 𝑚𝑎𝑟𝑐𝑎 𝑑𝑎 𝑖𝑑𝑒𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑣𝑖𝑙𝑎𝑐𝑜𝑛𝑑𝑒𝑛𝑠𝑒.

𝑂 𝑚𝑢𝑛𝑖𝑐𝑖́𝑝𝑖𝑜 𝑒𝑠𝑡𝑎́ 𝑎𝑝𝑜𝑠𝑡𝑎𝑑𝑜 𝑒𝑚 𝑖𝑛𝑠𝑐𝑟𝑒𝑣𝑒𝑟 𝑒𝑠𝑡𝑎𝑠 𝑡𝑟𝑎𝑑𝑖𝑐̧𝑜̃𝑒𝑠 𝑛𝑜 𝑖𝑛𝑣𝑒𝑛𝑡𝑎́𝑟𝑖𝑜 𝑛𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙 𝑒, 𝑎 𝑠𝑒𝑔𝑢𝑖𝑟, 𝑛𝑜 𝑞𝑢𝑎𝑑𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝘩𝑜𝑛𝑟𝑎 𝑑𝑎 𝑈𝑁𝐸𝑆𝐶𝑂, 𝑒 𝑒𝑠𝑠𝑒 𝑐𝑎𝑚𝑖𝑛𝘩𝑜 𝑐𝑜𝑚𝑒𝑐̧𝑎 𝑢𝑛𝑖𝑛𝑑𝑜 𝑎 𝑝𝑜𝑝𝑢𝑙𝑎𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑛𝑢𝑚𝑎 𝑟𝑒𝑝𝑟𝑒𝑠𝑒𝑛𝑡𝑎𝑐̧𝑎̃𝑜 𝑠𝑜𝑏𝑟𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑒𝑠 𝑠𝑎𝑏𝑒𝑟𝑒𝑠.

𝑂 𝑒𝑠𝑝𝑒𝑐𝑡𝑎́𝑐𝑢𝑙𝑜 𝑓𝑎𝑧-𝑠𝑒 𝑑𝑒 “𝑓𝑎𝑙𝑎𝑠 𝑐𝑎𝑛𝑡𝑎𝑑𝑎𝑠”. 𝐸́ 𝑢𝑚 𝑚𝑢𝑠𝑖𝑐𝑎𝑙 𝑒𝑚 𝑞𝑢𝑒 𝑎𝑠 𝑠𝑎𝑟𝑑𝑖𝑛𝘩𝑎𝑠, 𝑜𝑠 𝑝𝑒𝑠𝑐𝑎𝑑𝑜𝑟𝑒𝑠, 𝑎 𝑣𝑒𝑙𝑎 𝑐𝑜𝑚 𝑎 𝐶𝑟𝑢𝑧 𝑑𝑎 𝑂𝑟𝑑𝑒𝑚 𝑑𝑒 𝐶𝑟𝑖𝑠𝑡𝑜 𝑒 𝑜𝑠 𝑚𝑎𝑠𝑡𝑟𝑜𝑠 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑜𝑟𝑟𝑒𝑚 𝑢𝑚𝑎 𝑜𝑑𝑒 𝑚𝑎𝑟𝑖́𝑡𝑖𝑚𝑎. 𝑁𝑎 𝑡𝑟𝑎𝑚𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑎́ 𝑎 𝑓𝑖𝑔𝑢𝑟𝑎 𝑑𝑒 𝐺𝑎𝑠𝑝𝑎𝑟 𝑀𝑎𝑛𝑢𝑒𝑙, 𝑐𝑎𝑣𝑎𝑙𝑒𝑖𝑟𝑜 𝑑𝑎 𝑂𝑟𝑑𝑒𝑚 𝑑𝑒 𝐶𝑟𝑖𝑠𝑡𝑜 𝑒 𝑝𝑖𝑙𝑜𝑡𝑜-𝑚𝑜𝑟 𝑑𝑎 𝑐𝑎𝑟𝑟𝑒𝑖𝑟𝑎 𝑑𝑎 𝐼́𝑛𝑑𝑖𝑎, 𝐶𝘩𝑖𝑛𝑎 𝑒 𝐽𝑎𝑝𝑎̃𝑜 𝑛𝑜𝑠 𝐷𝑒𝑠𝑐𝑜𝑏𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜𝑠.


FONTE:   Câmara Municipal de Vila do Conde