quarta-feira, 3 de maio de 2017

TITO FILIPE RENDAS

.






A miúda que encornou 
Wall Street

Como tweetou Bill de Blasio, 'mayor' de Nova Iorque, “homens que não gostam de mulheres a ocupar o seu espaço são exatamente a razão pela qual precisamos da Fearless Girl".

7 de março, véspera do Dia Internacional da Mulher. Alguém resolve dar ao conhecido touro de Wall Street um forcado de companhia. Em bom rigor, uma forcada. Uma gestora de investimentos encomenda a Kristen Visbal uma escultura para publicitar um dos seus fundos, que investe exclusivamente em empresas com elevados índices de diversidade de género nos cargos de liderança. A Fearless Girl, uma menina de punhos cerrados à cintura, é instalada de frente para o touro, encarando-o. Fenómeno de popularidade instantânea, a nova menina querida de Wall Street está para ficar.

Querida por todos, menos por Arturo Di Modica, escultor do touro, que exige que a menina seja removida das vistas da sua obra. A Fearless Girl, argumenta, viola os seus direitos de autor, por distorcer o significado do touro de forma prejudicial à sua honra e reputação. Que o impacto da menina vive, em boa parte, da presença do seu parceiro cornípeto parece-me indiscutível. O que é de discutir é se há prejuízo para a honra e reputação de Di Modica. Há três formas possíveis de se construir o argumento do escultor.

1) Com a chegada da intrusa, o touro tornou-se num símbolo de brutalidade, coisa que nunca havia sido. No fundo, é dizer que o bicho sempre foi uma espécie de Ferdinando e que a menina lhe pôs um par de cornos que ele não tinha. Mas esta construção só é plausível se interpretarmos o significado original do touro de forma (demasiado) ampla. Assim fez Di Modica numa recente conferência de imprensa: o touro simbolizava “liberdade no mundo, paz, força, poder e amor”. Um touro prestes a investir como símbolo de liberdade, paz e amor?

2) O touro passa a ser visto como parte integrante da mensagem pró-igualdade de género da Fearless Girl. Ora, só há uma maneira de esta associação ser considerada prejudicial à honra e reputação do autor: se Di Modica for um misógino convicto que não quer ser associado a essas modernices de ter mulheres na administração de grandes empresas. Mas Di Modica já veio a público afirmar-se partidário da igualdade de género, derrotando o argumento.

3) Di Modica é, afinal, confesso feminista e entende que o seu touro, na interação com a menina, passa a ser visto como símbolo da misoginia. Uma leitura que não tem qualquer aderência à realidade. Qual é o turista que, perante as duas conhecidas esculturas, pensa que o tipo que fez o touro é um porco machista? A maioria passa, afaga-lhe o focinho e as gónadas (dizem que dá sorte) e segue rumo à outra estátua, essa sim da liberdade.

Na verdade, toda esta tourada mais não parece do que um ataque de ciúmes, motivado pela chegada de uma menina nova que parte os corações de turistas que antes só tinham olhos para o touro. Mas o direito de autor não é um direito aos holofotes. E, como tweetou Bill de Blasio, mayor de Nova Iorque, “homens que não gostam de mulheres a ocupar o seu espaço são exatamente a razão pela qual precisamos da Fearless Girl”. A menina sem medo faz mais bem do que mal a Wall Street e aos EUA. É um grab them by the horns em tempos de grab them by the pussy. E é um lembrete constante de que a igualdade de género no acesso a cargos de liderança é ainda uma miragem.

* Docente da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa

IN "O JORNAL ECONÓMICO"
02/05/17


.

Sem comentários: