quarta-feira, 10 de maio de 2017

.
HOJE NO   
"JORNAL DE NOTÍCIAS"
"Crowdfunding" consegue 2,3 milhões 
em comida e água para a Somália

Uma campanha de angariação de fundos conseguiu, num mês, arrecadar cerca de 2,3 milhões de euros, bem como um avião para transportar os donativos até à Somália. Até agora, entregou mais de 400 toneladas de comida e dois milhões de litros de água.

Quando a internet se junta, tudo é possível. São mesmo estas as palavras de Jérôme Jarre, fundador da campanha de angariação de fundos com vista alimentar a Somália que arrecadou mais de dois milhões de euros.
 .
A equipa "Love Army For Somalia" enviou até agora cerca de 54 toneladas de comida de bebé e comprou cerca de 362 toneladas de comida localmente, explicou Jérôme Jarre num vídeo publicado esta quarta-feira.

No vídeo, é possível testemunhar o contacto do Jérôme Jarre com as populações locais e a sua supresa ao ver a atitude positiva das pessoas que conheceu. "Encontrámos tanta humanidade e pessoas que são tão esperançosas... As pessoas diziam 'Obrigada por me dares comida, mas quando voltares, vou dar-te leite de camelo'... Elas são esperançosas. Estão sempre a dizer 'Quando a seca acabar', 'Quando voltares'", explicou o jovem.

Em simultâneo com a campanha de angariação de fundos, a equipa apelou também no Twitter às companhias aéreas turcas para que ajudassem a transportar a comida até à Somália através da hashtag #TurkishAirlinesHelpSomalia. Poucas horas depois, a Turkish Airlines acedeu ao pedido, disponibilizando um avião de carga com capacidade para cerca de 54 toneladas.

Além do avião vago, a companhia aérea turca concordou em continuar a transportar contentores de comida nos voos comerciais para a Somália até ao fim da crise de fome no país.

Inicialmente, a campanha pretendia comprar arroz, farinha, açúcar e outros alimentos não perecíveis em Istambul e depois enviar para o país africano. No entanto, através do contacto com Organizações Não Governamentais (ONG) "mais experientes", a equipa concluiu que não seria a melhor solução. "Poderia afundar os preços dos mercados locais e prejudicar pequenos comerciantes lá", explicaram numa publicação na sua página da angariação de fundos. "Importar comida não é a maneira mais inteligente de ajudar um país. Apoiar a economia local é que é".

A equipa decidiu recorrer a pequenas ONG para comprar comida diretamente na Somália, o que significou que o avião da Turkish Airlines permaneceu vago. A campanha aproveitou então essa oportunidade: enviar comida de bebé para crianças malnutridas. A equipa conseguiu adquirir comida de emergência para bebé numa empresa em Rhode Island e enviou mais de 54 toneladas até à Somália.
 .
A iniciativa decidiu também alocar metade dos fundos angariados para comprar água, sendo que, a curto prazo, a solução é comprar água que é distribuída por camiões. Dois mil litros, o equivalente à água para 100 famílias num dia, custam cerca de 230 euros. A equipa pretende vir a arranjar soluções a longo prazo.
Na sua página do "GoFundMe", a equipa explicou que o próximo passo é conseguiu mandar comida e água para zonas a que nenhuma ONG consegue, neste momento, chegar, por serem demasiado perigosas, visto serem controladas pelo grupo terrorista Al-Shabaab. A equipa está a estabelecer parcerias com iniciativas locais, de modo a explorar este novo objetivo.
A campanha de "crowdfuding" teve início a 17 de março e contou com o contributo de mais de 89 mil pessoas. Todo o dinheiro angariado reverte para comida e água, sendo que o transporte por avião foi disponibilizado e todos os custos adicionais com estadia da equipa foram suportados pela própria equipa, a nível individual. A fundação Stiller Foundation, do ator Ben Stiller, tomou parte, enquanto instituição de caridade que recebeu e geriu os fundos.

* Ajudar ultra carenciados tem um grande valor e mérito, estamos a lembrar-nos de algumas "cáritas diocesanas" portuguesas que não cumprem o seu papel, também não esquecemos aquelas "ONG's" que fazem peditórios constantes para o próprio bolso, a Sandra Felgueiras explica muito bem.

.

Sem comentários: