quarta-feira, 24 de maio de 2017

.
HOJE NO 
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Caso BPN. Oliveira e Costa 
condenado a 14 anos de prisão

Sentença lida esta quarta-feira. O mais conhecido arguido, Oliveira e Costa, está doente e não pôde comparecer

O tribunal deu como provadas a maioria das acusações no processo sobre a falência do banco BPN. Dos 15 arguidos, 12 foram condenados. Entre eles, o antigo presidente do banco, Oliveira e Costa, que ouviu a sentença de 14 anos de prisão, segundo a TSF.
O acórdão está a ser lido esta quarta-feira, seis anos e meio após o início do julgamento.
 .
AINDA JOVEM QUERUBIM
Entre as maiores condenações contam-se as do "braço direito" de Oliveira e Costa no banco, Luís Caprichoso, condenado a oito anos e meio de prisão, do antigo presidente do Banco Insular de Cabo Verde, José Vaz Mascarenhas, que ouviu uma sentença de sete anos e três meses, e de Francisco Sanches, ex-administrador do BPN, com uma pena de seis anos e nove meses de prisão.
Foram absolvidos o empresário Ricardo Oliveira e o advogado Filipe Baião Nascimento, bem como Hernâni Ferreira, empresário.
"Esta foi a maior burla da história da Justiça portuguesa julgada até ao momento", destacou o juiz Luis Ribeiro, que preside o coletivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN, que durou mais de seis anos.
Depois, há um grupo de oito arguidos que foram condenados a penas de prisão inferiores a cinco anos, com o tribunal a admitir a suspensão das penas de prisão em troca do pagamento de indemnizações ao Estado.
Leonel Mateus, ex-gestor da Plafin, tem que pagar 30 mil euros ao longo dos três anos de prisão a que foi condenado.
Luís Almeida, ex-gestor da Plafin Contas, tem que pagar 45 mil euros ao longo dos quatro anos e três meses de prisão a que foi condenado.
Isabel Cardoso, advogada que trabalhava para o grupo SLN/BPN, tem que pagar 25 mil euros ao longo dos quatro anos e quatro meses de prisão a que foi condenada.
Telmo Reis, fundador da Labicer, tem que pagar 50 mil euros durante os cinco anos de prisão a que foi condenado.
José Monteverde, acionista e devedor do BPN, foi condenado ao pagamento de 10 mil euros face à pena de prisão de 4 anos que lhe foi aplicada.
Luís Ferreira Alves, outro dos fundadores da Labicer, tem que pagar 25 mil euros durante os dois anos de prisão que lhe foram aplicados.
António Franco, antigo gestor do BPN, tem que pagar aos cofres públicos 10 mil euros durante os três anos da pena de prisão de que foi alvo.
Finalmente, Rui Dias Costa, da Labicer, tem que pagar 30 mil euros para evitar a pena de prisão de quatro anos a que foi sujeito.
"Há que fazer uma distinção entre a conduta destes arguidos e dos outros, cujos crimes são muito mais graves", realçou o juiz presidente, referindo-se a José Oliveira Costa, José Caprichoso, José Vaz Mascarenhas e Francisco Sanches, condenados a penas de prisão efetivas.
O coletivo de juízes do processo principal do caso BPN decidiu ainda absolver os arguidos Ricardo Oliveira (empresário do ramo imobiliário), Filipe Baião Nascimento (advogado) e Hernâni Ferreira (Labicer e FO Imobiliária) dos crimes de que eram acusados pelo Ministério Público.
De resto, o próprio Ministério Público já tinha deixado cair a acusação de burla qualificada contra Hernâni Silva em junho de 2016 por falta de provas.
E as acusações contra a empresa de cerâmica Labicer foram extintas devido à sua liquidação.
O julgamento deste processo-crime, o principal do caso BPN, arrancou em 15 de dezembro de 2010 e contava inicialmente com 16 arguidos.
Do total, quatro arguidos foram condenados a penas de prisão efetivas, oito arguidos foram condenados a penas de prisão suspensas mediante o pagamento de indemnizações ao Estado, três arguidos foram absolvidos e a Labicer ficou fora das acusações depois de ter sido declarada insolvente e ter entrado em processo de liquidação.

* Finalmente JUSTIÇA quase por inteiro.

.

Sem comentários: