terça-feira, 11 de julho de 2017

.
HOJE NO 
"i"
Atual e futuro líder parlamentar do
.PSD também foram à bola

Deputados laranjas levaram 18 horas para fazer um desmentido, revelando que pagaram as viagens do seu bolso.
.
O atual líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, e o futuro, Hugo Soares, também foram assistir a jogos da seleção no Euro do 2016. Acompanhava-os o também deputado social-democrata Luís Campos Ferreira.

A notícia de que teriam ido ver os jogos a convite de Joaquim Oliveira, dono da Olivedesportos e da agência de viagens Cosmos foi dada pelo jornal digital Observador e acabou por ser desmentida... com a particularidade do desmentido acontecer 18 horas depois de um profundo silêncio do PSD.

À falta de explicações durante várias horas seguiu-se um comunicado dos três deputados, em que se afirmava que se deslocaram a França “assumindo por sua conta os custos das respetivas deslocações, tendo assistido, com orgulho e emoção, a jogos da nossa seleção ao lado das mais altas figuras do Estado”.

Montenegro, Hugo Soares e Luís Campos Ferreira afirmavam também não querer ser “usados como cortinas de fumo perante questões legal e eticamente incomparáveis e inconfundíveis”, defendendo que o seu caso não poderia ser colocado “no mesmo patamar legal e ético”, apontando que no caso de Fernando Rocha Andrade, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, estava em causa “viagens oferecidas por empresas privadas que se relacionam diretamente com as respetivas tutelas e com as quais o Estado tem litígios judiciais”.

A polémica prosseguiu porque Luís Montenegro justificou as faltas que deu para ver dois jogos da seleção com “trabalho político”. Na altura, justificou a justificação da falta com essa alínea assim: “É uma das justificações plausíveis para as ausências dos deputados e aquela que é utilizada quando os deputados participam em eventos da mais variada índole, locais, regionais, nacionais ou internacionais”.

Hugo Soares, que agora é candidato à substituição de Luís Montenegro na chefia da bancada parlamentar do PSD, justificou as suas faltas com “motivo de força maior”, uma justificação que o próprio Luís Montenegro admitiu “não ser a mais correta”.

António Costa também estava de férias quando a primeira notícia sobre o caso das viagens ao euro foi divulgada, pela revista “Sábado”. Quando voltou de férias, considerou “o caso encerrado”. Tal como agora, Augusto Santos Silva foi o bombeiro de serviço, tendo aprovado num conselho de ministro a feitura de um Código de Conduta aplicável – para o futuro – aos membros do governo.

Os três secretários de Estado devolveram o dinheiro das viagens e Augusto Santos Silva encerrou o caso: “Tendo suscitado dúvidas na opinião pública, os senhores secretários de Estado fizeram questão de assegurar o reembolso de quaisquer despesas em que o patrocinador tenha incorrido por motivo da sua participação nessa iniciativa de apoio público. Ao fazê-lo, do ponto de vista do governo, o caso fica encerrado”.


* Histórias da carochinha para desviar a atenção de temas mais importantes.

.

Sem comentários: