quinta-feira, 29 de junho de 2017

.
HOJE NO
 "RECORD"

Inês Henriques vai aos limites

A portuguesa Inês Henriques ainda não atirou a toalha ao chão para tentar garantir a presença na prova dos 50 km marcha no Mundial em Londres (4 a 13 de agosto), onde possui o recorde mundial, alcançado no início do ano em Porto de Mós, a 15 de janeiro, com o registo de 4:08.26 horas.
 .
"Ainda não recebi qualquer notícia oficial. Já me disseram muita coisa, deram-me a entender que não podia ir e que seria muito difícil a federação internacional aceitar o meu pedido de wild card. Mas até receber uma nota oficial continuo a treinar como se fosse fazer os 50 km marcha no Mundial", disse a Record a recordista do Mundo.

A federação internacional (IAAF) oficializou no início do ano o recorde mundial nos 50 km marcha, prova que não está incluída no calendário do Mundial ou dos Jogos Olímpicos.

Como em Londres a prova será mista, a IAAF estipulou um mínimo bastante exigente, igual ao masculino (4:06.00 horas), deixando praticamente de lado a possibilidade de as mulheres alcançarem essa marca.

Inês Henriques e o seu treinador, Jorge Miguel, chegaram a propor à IAAF um wild card, face ao registo da atleta, através da federação portuguesa (FPA), mas a verdade é que ainda não há uma resposta oficial. O silêncio pode ser entendido como uma recusa, mas Inês Henriques vai tentar tudo por tudo para ver se consegue ser a primeira mulher a competir nos 50 km no Mundial.

"Eu e o meu treinador vamos fazer uma nova exposição com outros dados a reforçar o pedido. Tenho 37 anos, este pode ser o meu último Mundial e gostaria imenso de alinhar na prova onde sou recordista mundial", comentou ao nosso jornal a atleta de Rio Maior.

No Rio de Janeiro Inês esteve pela terceira vez nuns Jogos, sendo 12ª nos 20 km marcha.

* A desigualdade de género está bem patente no desporto, Pierre de Coubertain era fã.

.

Sem comentários: