sábado, 15 de abril de 2017

.
HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Quatro milhões de euros 
para realojar 6 prédios 

Muro ficará seguro até julho, mês em que regressarão moradores de quatro prédios.

A Câmara Municipal de Lisboa irá gastar cerca de quatro milhões de euros nos trabalhos de estabilização da encosta junto da rua Damasceno Monteiro, na freguesia de Arroios, bem como na recuperação do muro e reabilitação dos prédios, avançou ontem o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado.
.
As obras resultam da derrocada de parte do muro, com o consequente deslizamento de terras, a 27 de fevereiro. Perante a instabilidade da encosta foram retirados de casa os moradores de seis prédios.

No decurso dos trabalhos há 96 moradores que foram realojados em edifícios de São Domingos de Benfica e na Graça. Segundo avançou Manuel Salgado, os residentes de quatro prédios voltarão às suas casas em julho. Os moradores dos dois outros edifícios, que terão uma intervenção mais profunda, estarão de regresso a casa "talvez em setembro".

Embora não tenha sido ainda apurada a responsabilidade sobre a derrocada, Manuel Salgado sublinhou que "a câmara sempre afirmou que o muro é propriedade do condomínio Villa Graça". Sobre o colapso do pavimento na via de ligação entre a Av. de Ceuta e o Eixo Norte-Sul, o vereador precisou que a reparação custou 30 mil euros e não foi afetado o caneiro de Alcântara.

Quanto aos trabalhos de recuperação do viaduto metálico de Alcântara, o custo foi de 300 mil euros. A circulação automóvel será retomada no próximo mês. Mas mantém-se a interdição a veículos pesados. "Para impedir a circulação de viaturas não autorizadas serão instalados dois pórticos nos acessos com a altura de 2,5 metros", referiu.

* Quando a necessidade obriga tem de se abrir os cordões à bolsa.

.

Sem comentários: