quarta-feira, 28 de junho de 2017

.
HOJE NO 
"i"
Durão Barroso.
 “Hollande foi o pior erro de casting
 da história de França”

O antigo presidente da Comissão Europeia falava à margem do Estoril Political Forum. “Merkel não confiava no compromisso da França de Hollande”, revelou Durão
 .
Em extremos opostos: é assim que José Manuel Durão Barroso vê a transição que as eleições presidenciais francesas deste ano representaram. Para o ex--primeiro-ministro português e ex-presidente da Comissão Europeia, François Hollande foi o “pior erro de casting da história de França” e o “pior governo de sempre”, citando depois as estatísticas que comprovavam a impopularidade histórica de Hollande. Durão Barroso revelou mesmo que a chanceler alemã, Angela Merkel, “não confiava verdadeiramente no compromisso da França de Hollande para o aprofundamento das instituições europeias”.

Emmanuel Macron, por outro lado, mereceu largo elogio de Durão, que falava na abertura de uma conferência no Estoril Political Forum, um encontro anual de estudos políticos organizado pela Universidade Católica. Para Durão Barroso, Macron é o “presidente mais europeu de sempre” na França, o que impressiona tendo em conta “a sua breve experiência”. “Tem um programa forte e europeu”, elogiou o homem que liderou a Comissão Europeia durante uma década. Durão considera que com o novo presidente francês, contrariamente ao que sucedeu com Hollande, “a França pode agora fazer parte da solução”.

“Não há União Europeia sem a França e não se faz nada na Europa sem a França”, esclareceu o homem que agora dirige o Centro de Estudos Europeus do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica. “A geopolítica ainda interessa”, apontou também, lembrando que o território francês é de larga extensão “de norte a sul”, o que o torna central para os destinos do Velho Continente. “Mais progresso na União Europeia não depende da França, mas precisa da França”, descreveu o já veterano europeísta.

O tema da conferência em que Durão Barroso falava correspondia a uma pergunta: “Há um espetro que assombra a Europa?” Durão diz que sim. “Será o populismo, será a desintegração?”, ponderou. “Vamos dizer que é o populismo”, prefere, naturalmente, o assumido defensor da construção europeia. “Existe, de facto, essa ameaça. Mas pode vencer e destruir o projeto europeu? Pode, mas não vai”, responde-se. “Existe uma ameaça que é séria, mas acredito que será ultrapassada”, prossegue, no mesmo limbo entre realismo e otimismo sobre a Europa de hoje.

“O ano passado estávamos desapontados com o Brexit”, recordou, sobre o encontro de 2016, em que também discursou. Mas o resultado é que integração “aprofundou”. Segundo Durão Barroso, as crises ou os problemas que vão sucedendo tiveram como consequência o aprofundamento da construção europeia – ou seja, apesar do crescente euroceticismo na última década, Durão Barroso defende que o ultrapassar dos problemas vem servindo de motor para o europeísmo. “Eu sei que isto vai contra o glamour intelectual do pessimismo”, brincou Durão, também ele professor universitário, numa sala recheada de académicos. Mas “a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu estão mais fortes do que antes da crise financeira”, exemplificou aquele que presidiu à Comissão durante os piores tempos depois dessa crise.

Barroso associou o Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia, às “mais devastadoras consequências”, não deixando de recordar que o partido que mais defendeu o Brexit, o UKIP, não elegeu qualquer parlamentar nas últimas eleições nacionais britânicas e o facto de “os partidos do establishment serem ambos contra o Brexit”, o Partido Conservador, de Theresa May, e o Partido Trabalhista, de Jeremy Corbyn. No que diz respeito à emergência do populismo do outro lado do oceano Atlântico, considerou que “a vitória do presidente Trump foi a vitória de algo novo contra as tradições democráticas ou republicanas” – portanto, aí já não tão consensual para os dois partidos do establishment.

“O Brexit mostra que estamos cá porque queremos estar na União Europeia, que a Europa é uma união de países livres e que nenhum é obrigado a ser membro”, torna a exemplificar.

Apesar de reconhecer que a emergência de partidos xenófobos em França e na Holanda tornou “possível o que antes era impossível”, lembrou que eles saíram derrotados nos atos eleitorais realizados este ano e que os antieuropeus que chegaram ao poder “pela primeira vez desde 1945” – o Syriza, na Grécia – acabaram “por aceitar tudo o que antes rejeitaram porque a Europa é forte”, ao contrário do que se viu nos Estados Unidos da América e no Reino Unido, “onde foi o anti-establishment que venceu”.

“Os gregos continuam a apoiar a Europa por causa disso e apesar das dificuldades”, salientou. Para Durão Barroso, a União Europeia “é um projeto de unidade transnacional e aberto aos outros, de justiça social e responsabilidade financeira”.

Acerca da crise migratória que assola a Europa nos tempos mais recentes, elogia novamente a posição da chanceler germânica, apesar do “custo político interno” depois verificado. “Angela Merkel tinha mesmo razão quando disse ‘welcome’ aos refugiados. E agora pensem ao contrário”, sugere. “O que teria acontecido se ela tivesse dito o oposto?” De um ponto de vista mais abrangente e global, pede que se pense “não só na economia, mas na cultura política identitária” da Europa, onde não se veem apelos “ao nacionalismo e ao protecionismo” como na “Rússia, na Turquia” ou até na “China ou no Japão”.

“Reparem que é sempre um apelo para ir para trás: ‘Make America great again’, na América, ‘Let’s get back control’, no Brexit. É sempre no passado, na extrema-esquerda e na extrema-direita – que até já podem trocar de nomes.” Essas tendências de fechamento e de “éramos melhores antes” são, para Barroso, opostas “ao progresso da globalização”. Mas, em termos militares, deixa um aviso sobre a nova presidência norte--americana: “O presidente americano (Donald Trump) não está a fazer bluff na Coreia do Norte. Podemos ter conflito.”

E o que fazer como respostas? Durão Barroso diz que o europeísmo “não é aqui uma questão de ideologia, mas uma questão de Realpolitik”. “O maior país europeu não está, sozinho, ao nível da China ou dos Estados Unidos da América; em termos militares, nem está ao nível da Rússia”, o que motiva pragmaticamente o projeto europeu a mais integração para mais força. “Se queremos projetar poder e defender os nossos interesses, temos de permanecer juntos”, aponta, em jeito de conselho e conclusão.

* De erros de casting estamos conversados se apresentarmos o José Barroso como um inqualificável desastre. Portugal tem vários e não são poucos.

.

Sem comentários: