segunda-feira, 15 de maio de 2017

.
HOJE NO 
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Economia cresce ao ritmo 
mais rápido em dez anos

Ao crescer 2,8%, a economia portuguesa avançou ao ritmo mais rápido em quase dez anos no primeiro trimestre de 2017, devido a um contributo positivo mais forte da procura externa e uma aceleração do investimento.

O produto interno bruto (PIB) português aumentou 2,8% nos primeiros três meses deste ano, em comparação com igual período de 2016, mostram os dados publicados esta manhã pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
.
TERÁ O DIABO COMPRADO A CASA?
O valor bate as estimativas de todas as instituições e representa o melhor resultado desde o quarto trimestre de 2007, quando a economia tinha crescido exactamente a este ritmo. Aliás, desde 2001, esta é apenas a quarta vez que o PIB apresenta uma variação homóloga de 2,8%.

O INE justifica esta aceleração do PIB, com um contributo positivo da procura externa líquida (exportações subtraídas as importações), bem como a recuperação do investimento. As duas variáveis mais do que compensaram o arrefecimento do consumo das famílias.
"Esta aceleração resultou do maior contributo da procura externa líquida, que passou de negativo para positivo, reflectindo a aceleração em volume mais acentuada das Exportações de Bens e Serviços que a das Importações de Bens e Serviços", pode ler-se na nota do INE. "A procura interna manteve um contributo positivo elevado, embora inferior ao do trimestre precedente, verificando-se uma desaceleração do consumo privado e uma aceleração do Investimento."

Os analistas já esperavam um resultado muito positivo, mas nem os mais optimistas chegavam a 2,8%. Entre os economistas ouvidos pela Lusa, as estimativas para o primeiro trimestre flutuavam entre os 2,4% e os 2,7%.

De referir que a expectativa não é que esta aceleração se prolongue ao longo dos próximos trimestres. As previsões têm apontado para uma economia mais forte na primeira metade do ano, que irá perdendo progressivamente ímpeto no segundo semestre. Ainda assim, todos esperam um crescimento mais forte do que em 2016, quando o PIB avançou 1,4%.

O Governo português, por exemplo, prevê que o crescimento da economia ascenda a 1,8%. O resultado alcançado nos primeiros três meses do ano pode, no entanto, indiciar que o PIB avançará a um ritmo mais rápido.
Ainda sem conhecerem o resultado do primeiro trimestre, as previsões dos economistas para a totalidade do ano iam de 1,7% (BBVA) até 2,4% (NECEP).

Na variação em cadeia, contra os últimos três meses de 2016, o PIB cresceu 1%, também acima das estiamtivas dos economistas.

* O diabo instalou-se na Lapa.

.

Sem comentários: