segunda-feira, 3 de julho de 2017

.
HOJE NO 
"CORREIO DA MANHÃ"

Supremo espanhol pede 14 anos de prisão para marido da Infanta Cristina

Iñaki Urdangarin foi condenado em 2016 a seis anos de prisão por fraude fiscal e peculato.

O Ministério Público espanhol solicitou um aumento da pena de prisão para Iñaki Urdangarin, cunhado do Rei de Espanha Felipe VI, que foi condenado em 2016 a seis anos de prisão por fraude fiscal e peculato. Uma fonte judicial citada pela agência France Presse indicou que a acusação do Supremo Tribunal espanhol pediu uma revisão da sentença para 14 anos e seis meses, e não os seis anos e três meses de pena dados pela instância abaixo. O marido da infanta Cristina de Bourbon - irmã mais nova de Felipe VI - foi condenado em fevereiro pelo tribunal de Palma de Maiorca (nas Ilhas Baleares) a seis anos e três meses - bem como uma multa de 512 mil euros - por mau uso de fundos públicos (peculato), fraude fiscal e tráfico de influências. 
 .

O caso ficou conhecido como Caso Noos, o nome da fundação sem fins lucrativos através da qual o cunhado do Rei (juntamente com um cúmplice) desviou fundos, entre 2004 e 2006. Urdangarin está e vai ficar em liberdade até que seja lida sentença pelo Supremo. O Supremo poderá confirmar, anular, reduzir ou aumentar as penas de Urdangarin e das cinco outras pessoas condenadas e a sua sentença será final e definitiva.

O "Caso Noos", que surgiu em 2011, afetou seriamente a imagem da família real espanhola, acelerando a abdicação, em 2014, do rei Juan Carlos, e a coroação do seu filho mais velho, Felipe VI. 
A infanta Cristina foi também julgada por cumplicidade num crime de fraude fiscal, mas não recebeu qualquer pena de prisão, apenas uma multa de 265 mil euros. 

No entanto, a Casa Real espanhola acabou por afastá-la da maioria das cerimónias oficiais nas quais os membros da realeza estão presentes. 

* Em Espanha a Justiça não faz festas a vigaristas.

.

Sem comentários: