quinta-feira, 20 de julho de 2017

.
HOJE NO 
"RECORD"
Frederico Morais: 
«Estou a sentir muitas coisas, 
estou sem palavras»

Primeiro surfista português a disputar a final de uma etapa do circuito mundial

Frederico Morais, finalista da etapa sul-africana do circuito mundial surf, disse esta quinta-feira ter vivido uma semana espetacular em Jeffreys Bay, que lhe possibilitou estar na final da prova.
 .
'Kikas' tornou-se hoje no primeiro surfista português a disputar a final de uma etapa do circuito mundial, que perdeu para o brasileiro Filipe Toledo por uma diferença de 0,27 pontos.

"Esta foi a minha primeira final de sempre no 'world tour', até porque é o meu primeiro ano, é fantástico. Estou a sentir muitas coisas, estou sem palavras. Poder surfar contra o John John [Florence], o Mick [Fanning], o Adriano [de Souza], o Filipe [Toledo] ou o [Gabriel] Medina, foi uma grande semana", disse 'Kikas', na cerimónia do pódio.

Frederico Morais referiu-se ainda sobre como enfrentou os diversos desafios no Corona J-Bay, quando teve de defrontar os melhores do circuito.

"É sempre um grande desafio e tens sempre de elevar o teu surf quando defrontas estes rapazes. São os melhores surfistas do mundo, são espetaculares, são campeões mundiais e, se quiseres derrotá-los, não podes hesitar, tens de estar preparado para tudo e elevar-te. O 'Dog' Marsh [Richard 'Dog' Marsh, seu treinador] foi uma grande ajuda, ele é o melhor de sempre", sublinhou.

'Kikas' mostrou-se igualmente feliz por ter sido o primeiro português a alcançar pela primeira vez a final de uma etapa do circuito, mas não se esqueceu de Tiago 'Saca' Pires, a quem 'sucedeu' no circuito.

"É espetacular poder representar Portugal e ser o primeiro português na final do 'world tour'. O Tiago [Pires] foi o primeiro a introduzir Portugal no circuito e agora estou aqui a fazer uma final, o que é espetacular. Obrigado a todos em casa, obrigado rapazes, obrigado Portugal", disse.

Depois de se ter tornado no primeiro português a marcar presença numa final de uma prova do circuito mundial de surf, ao derrotar nas meias-finais outro brasileiro, Gabriel Medina, Frederico Morais perdeu hoje a final com uma diferença de 0,27 pontos, ao efetuar 8,33 e 9,40 (17,73), contra os 8,83 e 9,17 (18,00) de Toledo.

O brasileiro conquistou a sua quarta vitória entre a elite, regressando aos triunfos depois da conquista da etapa de Peniche em 2015.

Com este resultado, o surfista português deu um salto no 'ranking' mundial, subindo de 18.º para 12.º, com 18.950 pontos, e ficando assim cada vez mais perto de assegurar a manutenção entre a elite do surf mundial. É atualmente o segundo melhor 'rookie' do ano, atrás do australiano Connor O'Leary (10.º com 20.200), que eliminou na terceira ronda na África do Sul.

Após o sexto campeonato do ano, o australiano Matt Wilkinson permanece na liderança, com 31.950 pontos, seguido de John John (31.700), do sul-africano Jordy Smith (31.350) e do australiano Owen Wright (30.150), enquanto Toledo subiu para o sétimo lugar (23.950).

* Frederico Morais fez  história, é no desporto, na cultura e na ciência que maioritariamente se faz história em Portugal, a política nacional tornou-se um excremento da vida pública, há excepções.

.

Sem comentários: