quinta-feira, 27 de abril de 2017

.
HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

 Chefe da PJ 
vende-se a traficante que caçou 

Dias Santos gabava-se da forma como tinha perseguido e apanhado Franquelim Lobo, mas acabou a trabalhar para ele.

Por duas vezes conseguiu deter e trazer para Portugal Franquelim Pereira Lobo, barão da droga que a PJ considerava o maior traficante português. Dias Santos, coordenador no combate ao tráfico, contava até, empolgado, como surpreendeu Lobo no Sul de Espanha, em 2004, depois de este ter fugido a inspetores da PJ saltando da janela de um hotel. Ou como, com o traficante libertado, o seguiu por vários países de África até o apanhar numa pequena cidade brasileira, em 2005. 

Mas desde que se reformou, Dias Santos passou para o outro lado da barricada, segundo a acusação do Ministério Público, assente na investigação da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. 
 .

O coordenador passou a colaborar com a rede de tráfico de droga de Franquelim Lobo, em fuga há vários anos e que a PJ não conseguiu agora deter na operação Aquiles - que apanhou Dias Santos e o inspetor-chefe Ricardo Macedo, através de quem o coordenador recolhia informações para passar a um amigo e vizinho, que as transmitia a Lobo. 

O Ministério Público descreve vários encontros de Dias Santos com traficantes. E contactos através de telemóveis que eram constantemente trocados. Tinha as alcunhas de D, DS ou o Dias, além de La Maquina. Sempre para dar proteção e informação à rede de traficantes. De acordo com a acusação, a linguagem usada era sempre codificada. 

A droga era "azeite", "queijo", "carro madrepérola" ou "tinta castanha metalizada". Dias Santos mantinha sempre cautelas para não ser apanhado nas escutas. Franquelim Lobo, por exemplo, era chamado de "enfermeiro". Os traficantes passavam entre eles as informações transmitidas por Dias Santos e Ricardo Macedo, entre elas os dias das operações policiais. 

Terças, quartas e quintas-feiras eram dias de "levantar cedo" porque as grandes operações "de calibre" ocorriam nesses dias. 

* Triste história e miserável.

 .

Sem comentários: